OUTRO SOL é o quarto álbum da carreira de MAX VIANA, e o primeiro lançado no Japão via Universal Music. O cantor, compositor, guitarrista e produtor possui extensa atuação na música brasileira. Produziu todos os seus álbuns e trabalhou com artistas como Djavan, Arlindo Cruz, Luiza Possi, Alcione, Claudia Leitte, Ana Petkovic e Rappin’ Hood, entre outros. Músicas de sua autoria, como “Canções de Rei” e “Prazer e Luz”, tiveram destaque em trilhas de novelas da TV Globo.

A MPB, a black music com toques de jazz e soul e um leve toque ibérico são componentes habituais em sua obra. As boas vibrações podem ser sentidas já na faixa-título do novo trabalho, OUTRO SOL, com letra e música de Max. E se “o destino é doce fino”, como ressaltam os versos de Tem Fé, o álbum traz dez faixas repletas de grooves envolventes e elaboradas melodias pop.

(Texto de Julio Moura)

 

Abaixo, confira na íntegra uma entrevista que fizemos com o músico.

 

Para ouvir as músicas completas, clique no botão branco no quadro abaixo.

 


Esse é o seu quarto álbum, que será lançado também no Japão. Por que decidiu lançar o álbum neste país?

Tive o convite para gravar e lançar o álbum no Japão antes mesmo de armar o lançamento aqui no Brasil. Mas fiz um disco que pudesse ser lançado nos dois lugares.

 

Você que produziu seu álbum? Como foi isso para você?

Sempre produzo meus álbuns, desde o primeiro. Quando componho já penso na sonoridade, nos arranjos, já imagino como podem ficar as coisas. Nesse disco tive o Renato Iwai, produtor brasileiro, que mora no Japão produzindo comigo.

 

E também foi responsável pelas composições das 10 faixas do álbum, não é?

Compus 9 das 10 músicas, algumas em parceria e outras sozinho. Gosto de trabalhar das duas formas. São olhares diferentes que adicionamos ao disco com as parcerias. Um jeito de escrever diferente que tenho a chance de mostrar também. E SAMURAI, que é do meu pai.

 

A parte musical do álbum está bem pro lado pop... Fale um pouco disso.

Gosto muito da música pop. Acabo sempre misturando as coisas e deixando com essa cara mais pop, mesmo em canções mais tradicionais como o samba.

 

E a parte poética, como você trabalhou com ela no álbum?

Escrevo normalmente sobre amor, sobre os relacionamentos, sobre a vida cotidiana.