Foto de Diogo Castro

 

É isso mesmo! QUEBRADO, CD que introduz o músico Rafael Kadashi no mundo fonográfico, é na verdade, um livro aberto da vida do cantor e compositor. Com QUEBRADO, as expectativas de Rafael é conectar suas experiências com as vivências dos ouvintes, se aproximando assim do seu público.

Kadashi tem 28 anos, mas em QUEBRADO há até registros de quando o músico tinha 10 anos, e escrevia suas inspirações em poemas. “A vida me inspira. As sensações, as emoções, os sentimentos... A força que cada sensação é reação exercem sobre nós é fascinante. Vivo essas sensações, então busco passar isso nas músicas”, conta Kadashi.

 

Abaixo, veja na íntegra uma entrevista que fizemos com Rafael Kadashi.

 

Para ouvir as músicas completas, clique no botão verde no quadro abaixo.

 

É muito legal que você esteja tentando com o álbum, conectar suas experiências com as vivências dos ouvintes...

Eu sempre gostei de escrever os acontecimentos do meu dia, mas fazer com que isso virasse música me deixou muito mais feliz. Pois assim, estaria fazendo o que sempre gostei de fazer, que é cantar, e cantar minhas histórias era libertador! Com o tempo fui passando a musicar não só as minhas histórias, mas também as conversas que tinha com amigos e conhecidos e assim compartilhando as vivências de uma forma mais singela. Acredito que todos nós já passamos por uma decepção amorosa, já perdemos alguém importante pelo triste rastro da morte e também vivemos um grande amor, ou esperamos vivê-lo. Me sinto bem compartilhando o que passei e as minhas expectativas. 

 

Desabafos pessoais. Você faz muito isso em QUEBRADO, não é?

Faço isso o tempo todo. A primeira faixa, é uma introdução onde eu basicamente grito "Eu já quebrei" além de dar ênfase ao nome do álbum, questiono as pessoas a responderem se eu fiquei jogado no chão em pedaço ou os catei, e ao longo do CD isso vai ficando ainda mais claro. Falo muito sobre amor e saudade no disco, justamente por eu ser muito amor e ter muita saudade, NÃO VOU TE ESQUECER, NEM O FIM NOS SEPARARÁ e MINHA VIDA É VOCÊ" expressam isso muito bem, mas também retrato paixão, dor e conformidade nas outras canções rs. QUEBRADO tem dois lados, um Rafael destruído em pedaços e triste e ao mesmo tempo um Rafael que sabe que só vai melhorar se juntar seus pedaços Quebrados. 


Você tem um trabalho paralelo à música. Como você conciliou isso ao ato artístico em QUEBRADO?

Trabalho como professor de Musicalização Infantil, canto e toco em barzinhos nas noites do Rio e também trabalho como Auxiliar em uma Biblioteca, e no meio de tudo isso gravei meu CD, conciliar isso foi um caminho de muita paciência e amor. Meu CD não saiu em um ano, foram exatamente quatro anos de muita correria, muita economia e muita entrega. Abri mão de fazer muitas coisas para concluir essa etapa do meu sonho, e foi só o primeiro passo, sou grato à várias pessoas que me ajudaram muito. Uma delas é o Eliseu do Nascimento que é um parceiro de estrada musical há décadas, e sempre esteve comigo para todas as ocasiões, e a outra é o DJ Ruxell  que após três produções me deixou claro que um CD seria o melhor a se fazer, e agora que já tenho o primeiro não vou me privar de fazer outros. 



Parece que QUEBRADO traz algumas sobras do álbum antecessor... É isso mesmo?

Traz muita coisa, o EP LIVR" foi meu chute inicial, não sabia como seria gravar muito menos publicar minhas músicas para os amigos e conhecidos, e até mesmo desconhecidos, mas por quê não fazer? Gravei quatro músicas sendo duas acústicas, VOU TE ESQUECER e MINHA VIDA É VOCÊ. Gostei do resultado e da resposta das pessoas então, por que não me aprofundar mais? Gravei mais duas com tudo que tinha direito DESAPARECER e SEM LIMITES e aí sim, pude me sentir como o nome do EP: Livre. Depois disso, fui lembrando de muitas coisas muitas vivências e decidi compartilhar com todos que eu já quebrei, que eu fiquei em pedaços e então gravei o CD.



De onde vem o nome do álbum?

Um dia estava muito pensativo, inquieto e inconformado por muitas coisas. Comecei a escrever um texto e só no fim dele percebi que citei muitas das minhas composições, o começo do texto é a introdução do CD, a faixa número um. Percebi que ao me sentir livre demais, eu me quebrei. Então dei esse título ao primeiro CD pois decidi escrever uma saga, que se iniciou em LIVRE depois QUEBRADO, como será a segunda? Aguardem.

 


E o fato de você ser do Rio de Janeiro, influenciou em algo no álbum?

Não muito, eu gosto muito da minha cidade. E por ela ter mar, floresta, serra, entre outras coisas, me sinto muito conectado a ela.



Tem alguma história ou curiosidade interessante que envolva o álbum?

Várias, o álbum foi sendo construído ao decorrer de muito tempo então história é o que não falta! Vamos lá: a música mais importante pra mim é a NÃO VOU TE ESQUECER foi uma das minhas primeiras composições e foi escrita para três pessoas que infelizmente não estão mais entre nós, e a última estrofe da música foi escrita quando eu tinha dez anos de idade, e foi o pedaço de uma carta de despedida. 

A música DESAPARECER surgiu após um desabafo da minha prima Yasmin, as estrofes são o que ela falava e sentia e o refrão são meus conselhos a ela. 

A música SEM LIMITES só tinha uma parte da primeira estrofe e o refrão e era cantada aos berros e tinha muito screamo e gutural, ela era de uma antiga banda que eu fazia parte. Escrevi a música JÁ PERDI VOCÊ depois de beber três garrafas de vodca sozinho (estava na fossa rs).

Um detalhe importante é que uma pessoa uma vez me disse o seguinte "sem amor ($$$) você jamais vai fazer seu CD e você não tem amor ($$$)"

Eu tenho muito amor e meu CD está pronto! Mesmo que eu tenha ficado quebrado.