Muitos livros que falam da música brasileira já foram lançados e lidos, mas um livro de fotografias sobre as feras da nossa música é algo um tanto novo. Quem teve essa ideia, foi o fotógrafo Marcos Hermes, já conhecido no cenário artístico pelos registros que já fez de artistas como Cássia Eller (Foto acima), Gilberto Gil, Tim Maia, Caetano Veloso, Nando Reis, entre outros. Marcos encarou o desafio de publicar seu livro através de um financiamento coletivo na internet que já arrecadou 13 mil reais. As recompensas para quem comprar os exemplares são os mais variados possíveis.

— Levando em consideração que a produção musical feita a partir da década de 90 ainda não teve sua importância histórica devidamente retratada, Brasilerô será uma edição em que mostra a influência do período nos diversos estilos que a MPB assumiu, do samba tradicional ao rap e à música eletrônica, passando pelos eternos revolucionários da tropicália. O livro eternizará meus quase 30 anos de carreira e milhares de shows registrados a partir de diversas fotografias autorais, contando com textos exclusivos escritos pelo consagrado jornalista Pedro Só, e artistas como Chico Cesar, Andreas Kisser, Zeca Baleiro, Chico Chico, Zé Ricardo e Baby do Brasil. Faça parte deste lançamento! — comentou o fotógrafo.

Para mais informações e para adquirir seu exemplar, clique aqui.

 

 

Saiba mais sobre Marcos Hermes:

Quem pensa em música brasileira, qualquer que seja a  vertente, inevitavelmente se depara com grandes  imagens feitas por ele. Há 25 anos, Marcos Hermes  vive suas duas paixões, a fotografia e a música, com  intensidade e vibração únicas. São mais de 600 capas  de disco, nos mais variados gêneros e formatos, e  milhares de shows registrados ao longo de uma  trajetória que o colocou entre os mais respeitados e  requisitados profissionais da fotografia brasileira.

Registrou os principais movimentos sociais nos subúrbios cariocas nos anos 90, trabalhando para jornais locais, com destaque para os anos dedicados ao jornal O Dia, numa época de enormes desafios pelas vendas de 1 milhão de cópias de edições dominicais, depois passando por 15 anos em revistas paulistanas (Veja, Marie Claire, Quatro Rodas, Terra, Bizz, Rolling Stone), portais, agências e em paralelo dedicando boa parte da agenda às suas origens musicais, fotografando capas pros maiores nomes da música brasileira – trabalho que desenvolve até hoje – destacando nomes como Caetano Veloso, O Rappa, Gilberto Gil, Tim Maia, Cássia Eller, Ivete Sangalo, entre muitos outros. 

Outro foco de Marcos são as coberturas pra grandes eventos internacionais, sendo testemunha ocular do crescimento do mercado musical brasileiro nas últimas 2 décadas, tempo em que nosso país se transformou em rota das principais tournés, como aquelas em que conseguiu o status de fotógrafo oficial, como Paul McCartney, The Rolling Stones, Bob Dylan, The Police, Amy Winehouse, Iron Maiden, Beyoncé (entre muitos outros) e grandes festivais, como BMW Jazz, Brasil Jazz Festival, SWU, Claro que é Rock, e é grande parceiro do Rock in Rio (fotógrafo recordista em coberturas, no Brasil e exterior).

Alguns projetos recentes foram a cobertura da recente tour da banda inglesa The Rolling Stones, no Rio de Janeiro e São Paulo, as fotos do projeto Dois Amigos Um Século de Música, de Caetano Veloso e Gilberto Gil, o festival Brasil Jazz Festival; assinou a cenografia e a fotografia de shows no Palco Sunset, do festival Rock in Rio (2015), em homenagens aos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro e a cantora Cássia Eller; e atualmente Marcos é o responsável pela documentação da turnê da banda Novos Baianos, que já percorreu 4 capitais brasileiras, e se prepara para mais uma série de shows, ainda em 2017.

Também foi o responsável pelas fotografias dos novos projetos de artistas como Gal Costa, Vanessa da Mata e Padre Marcelo Rossi – o artista recordista em vendas no mercado brasileiro. 

Levou sua exposição Brasilerô – comemorando 25 anos na fotografia musical brasileira – para diferentes eventos relevantes como a Photoimage Brasil (maior feira do mercado fotográfico na américa latina, com visitação 25mil visitantes em 3 dias, em agosto de 2015), Vivo Open Air, no Jockey Club de São Paulo (2015), no Jockey Club do Recife (2016), e SIM São Paulo (Semana Internacional da Música de SP), e agora se prepara para novas datas em capitais brasileiras e cidades da América Latina.

Recentemente esteve em Valparaíso, capital cultural do Chile, à convite do Conselho de Cultura e Artes, apresentando sua exposição/coleção Icônicos, durante o festival Rockódromo (que justamente esse ano comemorava os 100 anos do ícone chileno, Violeta Parra) entre 31 de janeiro e 04 de abril. Junto ao evento, Marcos apresentou um workshop especial sobre produção fotográfica em grandes eventos, evidenciando a relação entre a imagem e a música, para fotógrafos da cena sul americana.

 

 

 

 

(Matéria exclusiva da Arte Brasileira)