“Esse registro tem uma história diferente”, conta Gui. “Uma vez, quando eu tocava em Londres, um senhor da plateia me procurou perguntando qual era minha opinião sobre gravações analógicas e se eu as conhecia”, explica. Esse senhor era o produtor Dave Ross, e Gui respondeu que sempre quis fazer algum trabalho com a experiência analógica completa, mas que no Brasil, e no mundo em geral, não se encontrava mais tantos lugares que fosse possível realizar isso, pelo custo de manutenção dos equipamentos.

Dave, então, convidou Gui para gravar e dessa experiência nasceu NADA PRA TE DAR, direto na fita magnética, com mesa analógica, mixada e masterizada in loco da mesma forma, direto da fita prá mesa e prá fita novamente. Segundo Dave, o áudio analógico traz uma experiência mais orgânica. É uma cópia direta de uma performance musical original.

 

 

(Texto da assessoria de imprensa)