Depois de um longo artigo sobre ela, a escritora merecedora desse sucesso. Partimos para uma entrevista, para podermos entender a história da Laina, desde o começo da sua carreira. Laina Martins Das Mercês tem 15 anos e nasceu no dia 19 de março de 2002, em Salvador, Bahia.

— Eu comecei a escrever com mais ou menos 10 anos, eu escrevia cartinhas, diário, ou quando meus pais me batiam ou me colocavam de castigo. Mas só comecei a escrever abertamente sobre tudo a partir dos meus 13 anos... Se eu visse um pássaro era motivo de escrever um texto. Com 14 as decepções amorosas foram surgindo, mas isso não me deixava triste. O contrário me fazia ter força e era minha inspiração para cada texto. — comentou Laina.

 

 

Laina, você considera sua escrita a qual gênero?

A minha escrita ela é um pouco de tudo. Consideraria minha escrita, louca. Haha.

 

Qual foi a sensação de ver algo seu voando, pela primeira vez pelas redes sociais?

Quando eu vi que pela primeira tinha um texto meu na Internet e que as pessoas comentavam e achavam aquilo incrível, pra mim foi uma das melhores experiências.

 

Qual é o seu melhor momento para escrever?

O melhor momento que eu tenho pra escrever é quando eu estou lendo algum livro ou escutando uma música que eu goste muito.

 

Você tem alguma história para nos contar? Algo que aconteceu na sua vida... Pode ser engraçado ou reflexivo.

 Começo desse ano eu fui ao shopping Salvador, como de costume... Mas dessa vez eu não estava rindo ou zoando meus amigos. Eu fui pra livraria cultura, e comecei a analisar as pessoas... Tinha de todo o tipo, resolvi escrever. Anotei todas as características, tinha gente sorrindo, querendo chorar. Tinha gente chorando querendo um sorriso. Tinha pessoas com almas machucados, e tinha eu. Mais uma no meio daquelas pessoas tão vazias. E na análise eu resolvi-me alto analisar, achei engraçado porque um menino bem alto passou e logo depois retornou e sentou ao meu lado. De início eu fiquei com medo, mas ele foi conversando comigo e falando que sabia o que eu sentia ao estar ali. Ele falou muita coisa depois que contei a ele o que eu realmente estava fazendo, no final ele disse: Será que são as pessoas que estão vazias, ou você é cheia demais? Ele foi embora, eu nunca consegui responder sua pergunta. Até decidir um rumo na minha vida.

 

Teve algum momento que depois de escrever, você sentiu algo diferente?

Pra ser bem sincera, sempre que eu escrevo as emoções são diferentes. Sejam elas boas ou ruins.

 

 

 

Luan FH. Escritor, escorpiano, ama bandas indies brasileiras.

Escritor das páginas Recíproco e Um Rabisco e Um Café.