Raquel Carraro. Oriental II. acrilica sobre tela. 100 x 100 cm. 2017

 

É inspirada na simplicidade e fascínio da natureza que a artista plástica Raquel Carraro pinta suas telas. Dessa forma, Raquel acredita estar contribuindo com a vida com suas pinturas, sempre refletindo a beleza da natureza. "A todo momento, a natureza me encanta, não só por sua grandeza, mas também pelos pequenos detalhes.", comentou a artista.

Segundo ela, suas obras influenciam sua vida, porque é por meio delas que realiza seu chamado, seu papel na terra. " posso exercitar o meu dom, e realizar meu desejo mais profundo de levar beleza, leveza e bem-estar para dentro das casas, para dentro das pessoas. Anseio que minhas telas não sejam apenas para enfeitar paredes, mas que sejam janelas para a vida e possam contribuir para transformar o mundo.", explicou.

 

Abaixo, você confere na íntegra uma entrevista que fizemos com Raquel.

 

 

Você parece ser bem fascinada pela natureza... Como você aplica isso à sua arte? Como é seu processo criativo?

Sou fascinada pelo que ela me ensina todos os dias, gratuitamente. Posso passar dez vezes por um mesmo local durante a semana, e sempre vou olhar para aquela árvore na beira do caminho e admirar o quanto ela é única, mesmo queimada pelo fogo, mesmo com galhos quebrados e cinzas, ela está lá, me falando sobre persistência, força, simplicidade e beleza. Isso me faz bem, atinge meu interior e guardo essas impressões em meu coração. Quando vou pintar, esses sentimentos, esse aprendizado, volta para a superfície e utilizo este conteúdo para pintar. Mas isso não acontece de forma racional, não faço estudos ou composições prévias, minha intuição e a ação de criar vão dando forma a cada trabalho.

 

Você diz que reproduz sensações que a natureza lhe oferece...

A natureza me causa espanto e me traz sempre algumas perguntas: como isso pode ser tão bonito, tão perfeito, tão diferente, tão colorido, tão complexo? A diversidade da criação é tão vasta que não há como explica-la pelo raciocínio humano, mas creio que há um Deus que materializou tudo isso, e nos presenteou para contemplarmos Suas obras. Perto da natureza me sinto perto Dele, posso sentir o seu amor. Suas mãos acariciam meu rosto através do vento, Seu calor e energia me revitalizam através do sol, Ele sorri para mim através daquela pequena flor que sai de uma rachadura na calçada. Essas são as sensações que a natureza me oferece, sensações de bem-estar, de acolhimento, de estar sendo cuidada e amada por alguém. São esses sentimentos que quero transmitir em minhas telas. Desejo que as pessoas as vejam, e sintam um conforto gostoso no coração, que elas olhem para as pinturas e possam se sentir amadas por mim e por Deus através daqueles traços de tinta.   

 

Você também crê que a vida é muito bela, e que isso nos mostra e nos indica a felicidade. Na sua arte, você procura manifestar essa mesma sensação com seus trabalhos artísticos?

Podemos ver a vida de outra forma, mas eu escolhi ver a beleza da vida e transmiti-la através dos meus trabalhos. Desejo que eles sejam luz, geradores de alegria, que deixem os ambientes mais bonitos e que possam mudar para melhor o dia-a-dia das pessoas.   

 

Obra Maravilha.Unimed Apucarana. Arq Neto Coelho. Foto Keith Imamura

 

 Você acredita que um dos seus papéis na terra é expressar sua arte por meio da pintura?

Pode parecer utópico, ou até inocente, mas tenho consciência de que meu papel nesta terra é refletir a beleza da vida através da arte. Acredito que é possível alegrar as pessoas e os ambientes com meu trabalho.

 

Você tem um currículo incrível. Qual das suas experiências você considera mais relevantes?

Expor na Colorida Art Gallery em Lisboa, Portugal, foi muito significante para mim, um estímulo que me fortaleceu. Ver minhas Obras saírem do ateliê na minha pequena cidade e romper fronteiras, foi gratificante e renovou minhas energias para continuar crendo que é possível colaborar com o mundo através do meu trabalho.    

 

Quais são os “instrumentos” que você usa para pintar?

Procuro trabalhar interagindo com os materiais. Acredito que cada um deles tem personalidade e características próprias. Busco dar-lhes liberdade e autonomia, pois me trazem efeitos e sugestões que eu não imaginaria. Gosto de ser surpreendida por eles. Pincéis novos e antigos, tintas concentradas ou diluídas, texturas, cheiros e sons me envolvem nos momentos de criação.

 

Como você define suas pinturas?

Não relaciono minhas pinturas a nenhum estilo especifico, mas as defino como janelas para a vida, janelas que as pessoas podem abrir e encontrar descanso e paz.  

 

Tem alguma história ou curiosidade interessante que envolva sua arte?

Certa vez uma pintura estava em processo de secagem, quando uma goteira pingou sobre ela. A tinta se diluiu e manchas apareceram. Ao invés de tentar arrumar o que parecia estragado, aceitei a intervenção da chuva, da própria natureza em minha obra, mudei meu jeito de pensar a pintura, acolhi o que aconteceu e o resultado foi surpreendente.  

 

Fique à vontade para falar o que quiser sobre sua arte.

Desejo que minhas pinturas transmitam o bem-estar que a natureza nos transmite.