Peça que acontece no Rio de Janeiro discute as diferenças no Brasil

 

 

PRETO nasceu como desdobramento da nossa peça anterior, PROJETO bRASIL (2015), também patrocinado pela Petrobras. Tanto uma quanto a outra não se constroem em cima de temas. PROJETO bRASIL não é uma peça sobre o país, assim como PRETO não é uma peça exatamente sobre racismo. É uma peça criada a partir de perspectivas de pensar a coexistência, a afirmação das diferenças”, explica Marcio Abreu. "É uma obra sobre ela mesma, que se articula com autonomia promovendo possibilidades de leitura, fazendo emergir um leque de assuntos e temas diversos. Diante do que transforma o mundo, eu respondo artisticamente", diz o diretor.

 

Sinopse:

A montagem se articula a partir da fala pública de uma mulher negra (representada por Grace Passô), uma espécie de conferência sobre questões que incluem racismo, a realidade do negro e da negra no Brasil hoje, o afeto e o diálogo, a maneira como lidamos com as diferenças e como cada um se vê numa sociedade marcada pela desigualdade. 

A peça é composta por uma séria de tentativas de diálogos encenadas por Cássia Damasceno, Felipe Soares, Grace Passô, Nadja Naira, Renata Sorrah (em sua terceira peça com a companhia) e Rodrigo Bolzan. O músico Felipe Storino executa a trilha sonora ao vivo. 

 

SERVIÇO:

Novo projeto da companhia brasileira de teatro, PRETO chega, dia 11 de janeiro, ao Teatro 3 do Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (de quarta a domingo, às 19h30, até 11 de março.