arte

 

A carreira solo pode ter vários significados. No caso de Tiberio Azul — o nosso convidado especial para debater esse assunto —, estar “sozinho” na estrada tem desafios que se renovam, se transformam e se confundem. É por isso, muitas vezes, que o artista que prefere seguir solo acaba se envolvendo na falta de coletividade, harmonia, e talvez o principal: a falta de ter com quem compartilhar as tristezas, alegrias e conquistas.

— Os entraves de uma carreira solo por vezes são os mesmo de uma banda e as vezes com diferenças tão sutis que ocupam o mesmo espaço. A maioria dos artistas que opta por um caminho solo, procura um espaço livre de experimentação e crença. Em banda, a fé é compartilhada, dividida e votada. E em muitas vezes isso se torna um caos. Como convencer alguém sobre uma sensação? — comentou Tiberio.

Grupos geralmente costumam ser “compartilhadores de momentos”, mas a mesma moeda da coroa apresenta suas caras e o que era solução se torna as vezes um martírio, o que pode sufocar todos os membros de uma banda.

— Alguns grupos em contramão conseguem criar um ambiente de plena liberdade onde cada um exerce uma função tão clara que parecem várias carreiras solos em comunhão. Outros grupos conseguem gerar uma harmonia tranquila e cooperativa. Cada um tem uma história específica. — explicou o músico.

Nesse sentido, depois de participar de várias empreitadas em conjunto, Tiberio decidiu embarcar a carreira solo pelo motivo de que precisava ter mais liberdades nos momentos de criação sem grandes interferências de outros músicos. Porém, no fim das contas, o que parecia que iria distanciar Tiberio dos seus antigos parceiros, acabou por juntá-los mais ainda.

— Vinha de várias bandas adolescentes cheias de vícios, intrigas bobas, coisas infantis. Em algum momento, esse era o caminho mais fácil. E naturalmente me vi nele. Não pensei tanto. Mas nunca me vi assim solo. Até hoje me enxergo uma banda com meu nome. Talvez pela minha formação… não sei. — disse Tiberio.

Ainda que os caminhos do artista estejam seguindo do seu próprio modo, o músico consegue dividir sua carreira com a banda Seu Chico, criada há algum tempo com o intuito de homenagear Chico Buarque.

— A Banda Seu Chico é um espaço de diversão e brincadeira. Tivemos inúmeras brigas, separações, possíveis fins e de repente em algum lugar encontramos uma harmonia leve e divertida. E hoje é um espaço sem cobranças e sem obrigações. O que tornou tudo leve de modo a não atrapalhar nada. — comentou.

Como já citado acima, um dos motivos pelos quais artistas buscam carreiras solos é que eles têm mais liberdade em todos as decisões nos processos de criação, produção e gravação dos álbuns. No entanto, por mais que um artista assuma estar em carreira solo, ele jamais estará sozinho, é o que afirma Tiberio.

Apesar do grande sucesso, Tiberio Azul ainda alimenta o sonho de ter uma banda que realmente consiga também alimentar os seus próprios sonhos, que seja mais clara, densa e objetiva.