Crédito: Dalton Valério

 

Com quase 30 anos de carreira e mais de 40 espetáculos como ator, Leonardo Netto volta à cena como dramaturgo em A ORDEM NATURAL DAS COISAS, que estreia em 10 de maio, no Sesc Copacabana. A peça inédita aborda o poder de interferência do outro sobre nossas vidas e até que ponto essas influências definem quem somos. A ideia surgiu há três anos, durante a temporada de PARA OS QUE ESTÃO EM CASA, sua estreia na dramaturgia.  Na época, o autor decidiu escrever seu segundo texto para três dos atores que estavam em cena no espetáculo: Beatriz Bertu, Cirillo Luna e João Velho. 

 Além do texto e da direção, Leonardo assina também a trilha sonora, formada por clássicos roqueiros da década de 60. A música está presente também como objeto cênico: por meio de 50 discos de vinil garimpados pelo próprio Leonardo na feira da Praça Benedito Calixto, em São Paulo. Entres os álbuns de artistas como Beatles, Pink Floyd, Rolling Stones e Bob Dylan, os personagens revelam seus gostos e deixam antever questionamentos.

“O quanto a gente tem controle sobre a própria vida e a interferência que o outro pode exercer sobre nós são questões que me motivaram a escrever esse texto”, conta o autor e diretor Leonardo Netto.

 

SINOPSE

Em A ORDEM NATURAL DAS COISAS, Lúcio (João Velho) é um publicitário em crise, aspirante a escritor às voltas com um bloqueio criativo. Abandonado pela noiva no dia do casamento, ele mergulha em mais dúvidas e questionamentos – em um processo que sofrerá a interferência de duas pessoas: o consultor de feng shui Emiliano (Cirillo Luna), seu amigo e irmão da noiva; e Cecília (Beatriz Bertu), jovem formada em História da Arte, apaixonada pela cultura dos anos 60 e vizinha temporária de Lúcio. 

 

(Texto da assessoria de imprensa)