Vindo do teatro, Tonanni expressa emoções na carreira de músico [ENTREVISTA]

 

Foi aos 15 anos, que Tonanni mostrou interesse em seguir a carreira artisttica, que teve inicio no teatro com a peça THERE’S NO BUSINESS LIKE SHOW BUSINESS. Depois disso, o artista exerceu outros papeis em outros espetáculos, como em ON BROADWAY, FUNNY BILL, MAKE BELIEVE e THE LAST 5 YEARS.

Com todo esse interesse, Tonanni foi para Nova York para estudar piano clássico. Com o passar do tempo, e com o profissionalismo e paixão pela música aumentando cada vez mais, Tonanni conseguiu fazer grandes apresentações em importantes escolas do país como a Broadway.

De volta ao Brasil, o artista foi convidado para fazer parte de várias peças teatrais, enquanto gravava e lançava o CD JUST A CRUSH. Com esse lançamento, o músico passou a ser reconhecido em várias parte do mundo. Foi também nesse período que Tonanni foi convidado a dividir os vocais com Lissah Martins (integrante do grupo Rouge) na faixa PROMISE lançado pelos produtores do E.Motion Project.

Daí para frente, o sucesso passou a ser algo familiar. Mas é bom lembrar que no segundo semestre de 2014, Tonanni decidiu embarcar em um projeto inusitado em sua carreira. O cantor reuniu 10 hits da música pop eletrônica e os regravou numa versão acústica. Intitulado PIANO POP, o álbum audiovisual possui 10 faixas, entre elas, recentes de sucesso como PROBLEM e clássicos como VIVA FOREVER, das Spice Girls – que ganhou uma versão totalmente inédita.

 

Para saber mais sobre Tonanni, nossa equipe realizou uma entrevista com o músico, que você vê abaixo e na íntegra.

 

 

Você começou cantando em inglês. Hoje, qual caminho você pretende seguir em relação a identidade linguística das suas músicas?

O artista tem suas fases, digo isso pois a música reflete a minha vida. Eu sempre me conectei com o pop em inglês, mas também lancei músicas em português pois ser meu idioma nativo.

A cada fase, eu me arrisco, me atiro e me entrego. HOJE, estou produzindo uma material novo em inglês, voltando às minhas raízes pois tenho um público forte fora do Brasil que também me acompanha. Quanto mais eu puder unir as pessoas com a minha música, mais longe minha mensagem chega, por isso o inglês consegue ter esse alcance internacional.

 

Ainda nessa pergunta, qual é a sua relação com a música “gringa”?

Eu sou um gringo que nasceu no Brasil! Meus pais sempre ouviram muito Teatro Musical (FANTASMA DA ÓPERA, OS MISERÁVEIS, etc) e também Jazz. Então posso dizer que minha musicalização sempre foi voltada pro repertório em inglês.

Minha relação com a música gringa é muito natural. Fiz teatro em inglês, comecei compondo em inglês e pro cantor é muito mais fácil cantar em inglês do que português devido ao encaixe da boca. Mas amo português, Brasil só que me conecto mais com o inglês.

 

 

Também gostaria que você comentasse como foi que surgiu o interesse pela carreira artística.

Meu interesse começou no Teatro Musical, participei de diversas montagens, sendo que a última foi a INTO THE WOODS (produção da Broadway no Brasil) como Príncipe Rapunzel. Em paralelo sempre tocava piano e cantava, mas senti que a minha conexão como artista era mais forte na música pois no teatro, você é um personagem. Na música eu escrevo minhas próprias letras e posso ser eu mesmo. Me encontrei.

 

Você participou de várias escolas de músicas nos EUA. Como isso influenciou na sua arte como músico?

Influenciou na forma de ver a música como BUSINESS. O talento é importante SIM, mas é um negócio como qualquer outro. A diferença é que a arte envolve emoção, entrega e exposição. La fora, se você é bom, você É BOM E TRABALHA. Aqui no Brasil não basta ser bom, você precisa se vestir de uma certa forma, precisa conhecer pessoas e estar disposto a mudar sua verdade pra “dar certo”. Se você fizer faculdade de música lá fora, você consegue emprego. Aqui não precisa fazer faculdade de música pra trabalhar, você pode criar uma música, jogar na internet e do dia pra noite você acontece. Tenho a sensação que o brasileiro valoriza mais quem veio debaixo, sem oportunidade e “deu certo”. Isso é muito legal, mas não é o único artista do Brasil.

 

 

Recentemente, você gravou uma versão incrível da música UM ANJO VEIO ME FALAR, o que o trouxe um grande reconhecimento no youtube com muitos acessos...

Trabalhei com a Luciana no INTO THE WOODS, já gravei com a Lissah... então sou próximo delas e desse universo. Quando decidi lançar o PIANO POP 2 em português, a Sony Music sugeriu pegar um grupo brasileiro pop de grande expressão nacional pro álbum. Não veio outro na cabeça a não ser o Rouge. Sabe aquele pop gostoso, com letra legal sem forçar?! Isso se chama ROUGE, e foi um prazer fazer uma versão minimalista em Piano & Voz de uma música tão linda. Recebo mensagem dos fãs até hoje pedindo pra gravar mais, quem sabe em breve um álbum de acústicos? Será???

 

Seria legal se você falasse um pouco dos seus projetos ao longo da sua carreira.

Trabalhei com Teatro Musical, com música pop gringa, com música pop nacional e agora estou lançando um novo projeto inédito no Brasil que envolve música, moda e sapateado. É um projeto grande que vai ser lançado em breve. Quero unir um pouco das minhas raízes do Teatro Musical, da Música e da Moda (outra paixão que tenho)

 

 

Dentre tudo isso, teve algum projeto que tenha te marcado mais?

O lançamento do PIANO POP 1, foi o primeiro projeto que uma gravadora lançou (Sony Music Entertainment e OH Produções) com reconhecimento nacional. Fiquei no TOP3 do iTunes Brasil na semana do lançamento e todas as músicas do álbum viraram clipes, isso é fantástico!

 

Tem alguma história ou curiosidade interessante que envolva sua carreira na arte?

Em 2017 fui considerado um dos maiores influenciadores digitais de moda no Brasil. Fiz a cobertura de semanas internacionais de moda em Firenze, Milão, Paris e New York. Sou apaixonado por moda, o que é uma forma de arte também!