30 de maio de 2024
Além da BR

Carleton Stone escreve e canta uma carta de amor no single “Fences”

Este novo single de Carleton Stone, cantor e compositor da Nova Escócia, é mais uma carta de amor, mais uma descrição de amor que não deu certo, mas que deixou boas reflexões. Escrita com Kayleigh O’Connor, a canção é descrita como “um hino para os românticos e desanimados”. Nós conversamos com o artista, que nos forneceu informações sobre os principais pontos deste lançamento. Confira:

Qual é o resumo dessa música/inspiração para a música? “Fences” conta a história de um dos meus relacionamentos anteriores que acabou há alguns anos. Foi um rompimento muito repentino/ruim e quando terminou, eu tinha certeza de que nunca mais amaria alguém tanto assim. Nesta primavera, depois que a poeira do meu desgosto baixou, percebi que talvez o que aprendi com aquele relacionamento tenha sido uma profundidade de amor que nunca havia sentido antes. Em vez de ficar triste porque tudo acabou, percebi que isso apenas aumentou minha capacidade de amar e levo isso comigo em meus novos relacionamentos, em vez de desistir do amor. É disso que trata “Cercas”.

Em relação ao som, quais são seus comentários? Esta música foi gravada totalmente remotamente no verão passado. Nunca tinha feito uma produção como esta antes, mas num mundo pós-pandemia quase todos os músicos que conheço têm o seu próprio equipamento de gravação em casa. Então montei um time dos sonhos de músicos e produtores com quem trabalhei ao longo dos anos para gravar suas partes individualmente, com pouca ou nenhuma direção musical minha, e apenas ver o que eles criaram. A música foi produzida por Corey Lerue, Colin Buchanan e eu, com contribuições de dois dos meus músicos canadenses favoritos – Loel Campbell na bateria e Todd Lumley nos teclados. Adorei o resultado e estou ansioso para fazer mais com essa equipe no futuro.

O que essa música diz sobre sua carreira? Essa música definitivamente parece um novo capítulo no meu desenvolvimento musical. Lancei meu primeiro álbum solo em oito anos no final de 2022, depois de estar por muito tempo em um trio chamado Port Cities, e acho que precisei de um pouco de exploração musical para definir qual seria meu som solo. “Fences” parece o mais próximo que cheguei disso até agora.

Existe alguma história ou curiosidade sobre esse lançamento? Para a arte e o visual deste projeto, temos trabalhado com a incrível tatuadora Megan Green. Tenho enviado a eles músicas e letras do novo material em que estou trabalhando, e eles têm reagido com sua criatividade e desenhando tatuagens para eu usar como arte. Sinto que terei que comprar um deles no dia em que toda a coleção de músicas for lançada. 

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.