24 de maio de 2024
Além da BR

ENTREVISTA: Banda Motihari Brigade detalha a faixa “Reality Show”

A banda norte-americana Motihari Brigade lançou, recentemente, seu segundo álbum, intitulado “Algorithm & Blues”. Achamos a segunda faixa do trabalho, a canção “Reality Show”, bastante relevante, o que nos fez questionar a Motihari sobre seus principais pontos. A entrevista você lê a seguir.

Qual é o conceito e a mensagem dessa música? “Reality Show” explora a luta para perceber a realidade em meio ao ataque do controle narrativo distópico tecnológico do estado corporativo. O tema do Motihari Brigade é Rock-n-Roll Thoughtcrime inspirado em George Orwell. “Reality Show” se encaixa perfeitamente nesse conceito distópico com um pouco de humor divertido.  

A mensagem, como a maioria das nossas músicas, é pensar por si mesmo. Não aceite apenas o que lhe dizem as fontes oficiais. Seja cético, faça perguntas, vá mais fundo e busque a verdade. Se uma compreensão da “verdade” é possível ou não, ainda é um objetivo valioso pelo qual lutar. Algumas das imagens da música remontam ao “mito da caverna” de Platão – onde tudo o que podemos ver são sombras dançando na parede da caverna refletidas pelo fogo queimando nas nossas costas. Nos tempos modernos, a caverna de Platão pode muito bem ser uma tela de vídeo. Confundimos aquelas sombras dançantes com a realidade em nossos smartphones. Há um verso na música que faz referência a essa imagem. É um lembrete de que as informações que consumimos na mídia muitas vezes passam por filtros corporativos/estatais que refletem uma certa visão de mundo no interesse de uma elite oligárquica. Em outras palavras, é um reality show. É melhor ter isso em mente ao decidir o que é verdadeiro ou falso e o que é realidade.

Como e por que foi composto? O som do Motihari Brigade é geralmente um rock-n-roll elétrico vibrato hipercafeinado de alta energia. Queríamos que a segunda música do álbum “Algorithm & Blues” fosse algo totalmente diferente, para que as pessoas soubessem que não podem apenas ouvir uma música e definir como esta banda soa. Estamos sempre nos rebelando contra rótulos e definições simples e buscando desafiar as expectativas. Quando o videoclipe começa, a introdução é tão sombria e deprimente. Em seguida, este alegre groove de reggae começa com um divertido riff de sopro. Não é o que você esperaria.  

Espero que as pessoas ouçam essa música e queiram descobrir que outras surpresas os aguardam no álbum “Algorithm & Blues”. Esperamos encontrar um público de pensadores críticos independentes de mente aberta que estejam interessados ​​no conceito Rock-n-Roll Thoughtcrime. Adoraríamos alcançar novas pessoas.

Como você pode definir o som do single? O groove é uma mistura interessante de reggae clássico, rock jamaicano estável, jazz e uma pitada de “Penny Lane” dos Beatles. As trompas têm um riff cativante que percorre toda a faixa. Segue-se um solo onde o órgão e o trombone se destacam secções que alteram a sensação. No final, a tonalidade continua modulando para cima, aumentando a intensidade do refrão, enquanto trompas e cantores de apoio improvisam em uma festa de desfile de rua ao estilo de Nova Orleans “Everybody Must Get Stoned”.  

A música é divertida e fácil de ouvir, e esse açúcar cobre a mensagem mais sombria da letra para um interessante efeito geral de dissonância cognitiva. Escuridão e luz, distopia e esperança, misturadas como contradições. Você pode ir tão fundo quanto quiser. Pode ser apenas uma boa música, se é isso que você está procurando. 

Fale sobre o clipe. Para o videoclipe, fizemos uma parceria com a cineasta Jovana Tomasevic do MLADE Studio, que dirigiu e produziu uma história visual cinematográfica muito criativa – completa com figurinos e personagens. Ela imaginou essa misteriosa figura encapuzada para representar o próprio espírito de esperança, encorajando as pessoas a se libertarem dos filtros tecnológicos impostos por uma elite. E por um tempo, eles são capazes de abrir os olhos, perceber livremente a realidade e sorrir, antes de serem consumidos novamente pelo sistema. Apropriadamente, o vídeo termina com uma citação de “1984” de George Orwell.  

A figura encapuzada que representa a “esperança” é na verdade um personagem bastante interessante – porque no final ele também se torna parte do sistema e, assim, acaba sendo um falso messias. Isso me lembra o personagem Emmanuel Goldstein no livro de Orwell “1984”. A resistência clandestina de Goldstein e seu livro subversivo eram reais? Ou foi um artifício de “notícias falsas” usado para identificar subversivos e controlar melhor a população? 1984 não responde a essa pergunta. O personagem encapuzado da esperança no vídeo “Reality Show” é igualmente ambíguo. Mas então, a esperança é eterna, como dizem. Devemos continuar lutando pela realidade autêntica e nunca perder de vista nossas próprias limitações.

Letra traduzida com o Google

Reality Show
É tudo o que sabemos
Reality Show
É tudo o que sabemos

Este lado e aquele lado
em uma peça de moralidade
O inimigo é um ao outro
Enquanto a realidade foge

Agora sentimos raiva
Agora sentimos medo
Plugados na máquina
Tudo o que vemos e ouvimos

A verdade feia
Ou o livro de histórias
Feche os olhos
Ou dê uma olhada
Cuidado com o que você pergunta
e com o que duvida
Pode conseguir o que quer
Você pode lutar, isso é um…

Não consigo ver o fogo
Apenas sombras na parede
Assistindo você para quando você escorregar
Empurrá-lo quando você cair

Nós sempre somos o herói Na história que se conta
Mas a realidade fica real
E a realidade esfria

Reality Show
Reality Show
Reality Show
Reality Show

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.