23 de junho de 2024
Além da BR

ENTREVISTA: Jakeb Reel reflete a paixão e seus desdobramentos na música “Witchin’ Hour”

O cantor, compositor e músico americano Jakeb Reel tem discografia solo recém iniciada (2023), mas sua qualidade é de um artista de longa data em estúdios. Até o momento, ele coleciona seis lançamentos, sendo o mais recente, um EP homônimo. Hoje, iremos indicar a canção “Witchin’ Hour”, lançada originalmente como single e depois como a 4ª e última faixa do EP mencionado. Nós trocamos algumas ideias com o artista, a fim de que ele pudesse nos fornecer informações gerais sobre esta canção.

Confira a entrevista após o clipe!

Como você pode definir o som do single?

Parte canção caipira de desgosto e parte balada poderosa e suja. É basicamente um mashup de sons e estilos diferentes; há algumas guitarras pesadas (tocadas pelo meu primo, Tres), piano comovente e alguns grooves de baixo monstruosos. Eu também queria incluir alguma instrumentação de bluegrass para mantê-lo “oficialmente” country.

Qual é o significado ou mensagem da música?

É sobre amor perdido; juventude e inocência sendo destruídas e duras lições aprendidas, eu acho. Alguns de nós nunca aprendem; ciclos viciosos e tal. Às vezes amamos tanto que nossos atos de paixão se tornam quase ritualísticos em certo sentido. Quando acaba, geralmente ficamos com lembranças amargas de coisas que lamentavelmente se foram para sempre e, por ingenuidade ou emoções desesperadas, tendemos a querer nos apegar a essas coisas para serem lembradas… como um castigo sádico ou algo assim. Uma espécie de vontade de enlouquecer. Muitas pessoas escrevem por causa de sua “alma gêmea” ou de seu amor por elas ou algo assim; a mágoa é minha musa. Eu escrevo coisas melhores em meio à turbulência e à dor.

Na verdade, é apenas uma observação do fenômeno das pessoas no mundo ocidental que têm esse fascínio pela bruxaria ou por “ser uma bruxa”. O resultado final da filosofia da Nova Era e da influência de coisas como Harry Potter na cultura pop; construindo seus alteres para coisas que eles podem não ter qualquer compreensão e acreditando na “magia” de cura das rochas e cristais ou o que quer que seja. É cantada da perspectiva do caipira que se apaixona pela garota ianque de uma origem ou estilo de vida diferente; abandonado e deixado sozinho com seus ‘velhos costumes’ enquanto o ‘Novo Mundo’ continua avançando ao seu redor. A música country tem mais de cem anos e é impulsionada pela ideia de alguma maravilha nostálgica; uma saudade dos “bons velhos tempos” mais simples que, na realidade, talvez nunca tenham sido tão bons para começar.

Como a música nasceu?

Eu escrevi “Witchin’ Hour” cerca de 6 ou 7 anos atrás.. olhando para trás, acho que me deu uma maneira de desabafar alguns sentimentos tóxicos da época.. emoções tóxicas às quais todas as pessoas são suscetíveis. Lembro que escrevi durante a lua cheia, o outono estava chegando e as noites começaram a esfriar na montanha ao sul; Eu sentava e ponderava sobre uma linha e quando ficava em branco e precisava de mais alguma coisa, corria para fora e olhava para a lua até que algo me ocorresse, então voltava e anotava. Fiquei entrando e saindo de casa por cerca de três horas, correndo de um lado para outro para olhar a lua. O vento estava soprando, eu me lembro, e demorou mais para escrever o primeiro verso e o refrão do que o resto da música. Depois que a energia criativa começou a fluir, o resto foi muito fácil.

Parece que eu estava ouvindo muita música soul naquela época; “Nightshift” dos The Commodores foi uma grande influência na música; a vibração que eu estava buscando na época. “Just My Imagination” do Temptations também.. é uma música tão linda, uma das minhas produções favoritas e realmente faz muito com tão pouco. São como dois acordes ou algo assim. Esse é o tipo de vibração que eu estava buscando.

Musicalmente, o que você estava tentando realizar com a música?

“Witchin’ Hour” é uma viagem de seis minutos por um lado mais assustador dos Apalaches; é  influenciado por baladas poderosas de guitarra, bandas de rock FM dos anos setenta, como Bob Seger e Meat Loaf, bem como sons country mais modernos. Steinman e Meat foram grandes influências para mim e se eu pudesse escrever uma música com metade da qualidade de Jim Steinman, ficaria emocionado. No que diz respeito aos vocais, me esforcei no estúdio até chegar à beira da exaustão total. Minha voz ficou abalada pelos dois dias seguintes.

Como mencionei anteriormente, eu queria incorporar os elementos de bluegrass para que houvesse alguns enfeites de bandolim e terminasse com um banjo matador de Taylor Shuck, que se tornou um dos meus músicos favoritos. Também rastreamos alguns violinos, mas simplesmente não funcionou na mixagem. Agora que superamos a morte do bro-country, sinto que o gênero está livre para se expandir e explorar novos territórios e talvez revisitar alguns já familiares. Eu sinto que nosso gênero está demorando um minuto para respirar e descobrir para onde iremos a seguir. Na verdade, eu estava tentando escrever uma música para Luke Combs ou escrever uma música que soasse bem com a voz dele em mente. Era uma música um pouco mais pessoal há sete anos, mas não tanto agora. Posso cantá-la da perspectiva do personagem, não do escritor. É para o público; quem sente essa perda e solidão, esperando aquela ‘última chance’, que muito bem pode nunca vir.

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.