18 de julho de 2024
Além da BR

Nova música da banda canadense Sleepkit é “um exercício de criação automática”, diz integrante em entrevista para a Arte Brasileira

Banda: Sleepkit (Canadá)

Lançamento: single “Oxygen On The Autobahn”

Compositores: Eric Hamelin, Joleen Toner, Marie Sulkowski e Ryan David Bourne

Selo/gravadora: AUBOX Records

Ano de lançamento: 2024

O que essa música diz ao mundo? 

Joleen Toner:  “Oxygen On The Autobahn” foi uma espécie de exercício de criação automática, pois saiu de uma jam improvisada, e a letra foi escrita intuitiva e espontaneamente, então a música é o que a música está dizendo ao mundo, e qualquer coisa que possa ser dita sobre ela é melhor expressa ao ouvi-la. Dito isso, parece falar de um desejo comum de encontrar alegria e prazer e uma sensação de liberdade onde você pode, neste caso dentro de uma noite extática na pista de dança ou um passeio noturno de sonho. Pode ser qualquer coisa, na verdade — qualquer momento em que você é capaz de esquecer as partes às vezes profundamente difíceis da vida — esquecer de si mesmo e simplesmente cair no ser — celebrar o mistério de estar vivo. 

Como surgiu a música?

Ryan Bourne:  Como Jo mencionou, saiu de uma improvisação frenética (que foi alta o suficiente para irritar tanto nossos vizinhos que o título provisório era “Doug Anger”). Começamos a trabalhar com a gravação do memorando de voz bruto, refinando a vibração, criando camadas de textura e criando a melodia principal e a letra, até que a música surgiu conforme você a ouve. O título foi escolhido como uma homenagem à exuberante obra de sintetizadores de Jean-Michel Jarre, Oxygène, de 1976, depois que eu e Marie [Sulkowski, outro compositor fundador do Sleepkit ] percebemos que era formativo para nós; um item básico para as respectivas viagens em família quando crianças – o meu acampamento na Transcanada e Marie está realmente destruindo a Autobahn.

As palavras foram inspiradas em parte pelo meu colega de banda Henry me levando para a [famosa boate] Berghain, enquanto estávamos em turnê com [os adorados stalwarts do lofi-pop do YYC] Lab Coast. Poucos minutos depois de subir as escadas para a pista de dança, eu simplesmente fui jogado nessa deliciosa, sombria, existencial e mutante batida de êxtase por algo como 8 horas seguidas. Quando finalmente caímos nas ruas de Berlim em direção ao andar dos nossos anfitriões, brilhantes e exaustos, parecia que apenas uma hora havia se passado. Eu desenvolvi a letra com alguns acenos ao panpsiquismo e uma depilação lúdica em ‘estados alterados de consciência’. Eles imaginam uma espécie de discoteca do reino celestial; uma singularidade saltitante de êxtase além do corpo ou da mente. 

O que a capa da música representa? 

RB:  A capa era uma colagem intuitiva, uma das muitas ideias que experimentei antes de chegar a esta. Eu estava participando de um projeto de arte que explorava o dadaísmo, então estava olhando muito Marcel Duchamp e Man Ray, e em outro lugar vi uma fotografia de um cara espiando através de um cano estriado em direção à câmera, e acho que isso se fundiu no imagem final de uma forma que eu acho que combina com a música. Também temos alguns grandes fãs do Broadcast na banda, então fiquei satisfeito porque isso me lembrou um pouco de um cover do Broadcast. 

Musicalmente, o que você acha dessa música? 

Marie Sulkowski:  Vejo “Oxygen” como um dispositivo de transporte, uma viagem sonora do passado ao presente, das memórias da infância às questões adultas, e há um sentido de brincadeira na música que evoca para mim essa viagem no tempo e no espaço. Eu toco aquele tipo de sintetizador estilo Dré que se eleva na batida de abertura, saindo do ruído Moog borbulhante de Jo, sinalizando essa paisagem sonora exuberante sobre o groove propulsivo… para mim, isso evoca as lentes mutantes da experiência através das quais cada um de nós percebe a estranheza de vida, tudo que surge, passa e muda através da ilusão do tempo. Porém, foi tudo muito intuitivo e, como Jo disse antes, qualquer coisa que pudesse ser dita seria melhor dita ouvindo-a.

O que essa música diz sobre a música e a cultura mundial e sobre o seu país? 

JT:  Quero dizer, definitivamente há muita influência europeia no disco. ELO, Moroder, Eno, Kraftwerk, ABBA, talvez até uma pitada de Tears For Fears. Mas também tudo, de Fela Kuti a Sun Ra a Mulatu Astatke, e certamente coisas americanas dos anos 70, como Iggy and the Stooges e Black Sabbath. Somos grandes fãs de Os Mutantes, o que talvez venha de alguma forma… No Canadá, há expressões musicais muito divergentes, bem como pontos de vista políticos, uma rica tapeçaria de culturas indígenas e uma história colonial muito complicada que está apenas começando a se reconciliar, então eu não diria que estamos de alguma forma representando nosso país, mas sim compartilhando nossa lente única sobre a experiência humana. 

Há alguma curiosidade sobre esse lançamento que você gostaria de destacar? 

MS:  Bem, nós lançamos em um bom dia em Astro! A lua está em Aquário; é um momento muito psicodélico. As emoções são de eletricidade e música elétrica – então lançamos no dia certo! Estou orgulhoso de “Oxygen” e do novo álbum [Camp Emotion] – orgulhoso de todos que tocaram nele. Estou animado para trazê-lo ao mundo. Nós nos investimos profundamente nessas faixas, emocionalmente e espiritualmente, da concepção à mixagem. Como resultado, a música atravessa muitos espaços sonoros e realmente percorre o jogo das emoções. Esperamos levar o ouvinte a uma viagem à alma, para ressurgir mais leve e se sentir compreendido.

(No mês de junho, 100% da renda dos artistas do Bandcamp do Sleepkit irá para a Operation Olive Branch e a Art Saves para ajudar famílias em Gaza. A Operation Olive Branch é uma iniciativa para ajudar os palestinos em Gaza, garantindo sua passagem segura de Gaza para receber atendimento médico. A Art Saves é uma iniciativa popular que funciona como uma comunidade descentralizada projetada para salvar vidas por meio da arte.  https://sleepkitband. bandcamp.com/  

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.