26 de fevereiro de 2024
Além da BR

Playlist “Além da BR” #114 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 114ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Rachel Drew “If My Heart Was Made For You” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

Em termos gerais, que música é essa? Em última análise, esta é uma canção de amor, mas também é um apelo de uma pessoa para outra. Ela está dizendo que se a outra pessoa não sente o mesmo que ela, então o amor dela não é verdadeiro.

O que inspirou a criação desta música e como foi esse processo? A maneira como comecei a escrever essa música foi me lembrando erroneamente de outra música. Eu canto harmonia com diferentes compositores em seus discos, e um desses compositores chamado Peter Joly tinha acabado de me contratar para cantar harmonia em sua música, “Heart of Stone”. Esse foi o começo do meu trabalho com ele, então acabei tentando cerca de 20 passagens de harmonia na pista.

Quando cheguei em casa, estava limpando meu quintal e me vi cantando os primeiros versos da minha música e cantarolando uma nova melodia; no entanto, acho que estava me lembrando mal dos versos de sua música e de sua melodia. Sua música começa: “Bem, se meu coração não fosse feito de pedra, então eu te amaria até morrer. Eu notaria tudo, cada arrepio quando você cantava.” E minha música começa: “Se meu coração fosse feito para você, e seu coração fosse feito para mim, você saberia que isso é verdade e que estávamos destinados a existir”. Eu mal conhecia Peter naquela época, mas cantei sua música muitas vezes durante a sessão de gravação e cuspi algumas partes dela em outra forma quando cheguei em casa. Às vezes penso que criatividade é lembrar mal das coisas.

Qual é a sua mensagem para o mundo? A mensagem maior é ouvir seus sentimentos e reconhecer o amor quando você o sente, mas com uma ressalva. Se a pessoa que você ama não sente o mesmo, então não era para ser assim.

Há alguma história ou curiosidade interessante que você gostaria de destacar sobre esse lançamento? O que há de diferente nessa música é quanto tempo trabalhei nela antes de gravá-la. Comecei a escrevê-la há 8 anos, depois de gravar com Peter Joly. Desde então, toquei com diferentes bandas, mas nunca pareceu realmente certo ou pronto até agora. Além disso, Michael Krayniak, que toca baixo comigo, adicionou uma seção instrumental inteira que não estava lá antes no dia em que gravamos. Ele me entregou um papel com acordes e perguntou se poderíamos tentar, e ele estava completamente certo. A ideia dele acrescenta muito à gravação.

Lançaremos um vídeo no YouTube uma semana após o lançamento do single, e o álbum inteiro será transmitido em março. Muito obrigado pelo seu tempo!

Respostas Rachel Drew

Backstrom“Train Wreck Coming (feat. Bart Topher)” – (Suécia) – [MINI ENTREVISTA]

O que fez nascer esta canção, e como foi este processo? eu escrevi essa música há muito tempo, mas não consegui fazer justiça no estúdio naquela época. Naquele período eu ouvia muito Rolling Stones e Johnny Cash e isso se reflete na música. É tanto  country do sul   quanto bluesrock, quase “Rockabilly” também.

Musicalmente, como você a descreve? Então, quando gravei esse novo álbum, encontrei um guitarrista chamado Hernan Ian, de Buenos Aires. Amigo de Fransisco Paz que produziu e gravou os instrumentos dessa música em seu estúdio. E eu achei esse cara perfeito para “Train Wreck Coming” então fiz uma demo da música com uma guitarra simples e pedi para o Hernan melhorar. Eles acertaram em cheio no primeiro take, guitarras, bateria e baixo – sem revisões.

Eu sempre adorei as harmonias que os Rolling Stones tinham em álbuns como “Exile on mainstreet” ou músicas como “Gimmie Shelter” com Mary Clayton e achei que esse estilo se encaixaria bem aqui também. Tive a sorte de encontrar  “SingTrece” online no fiverr.com , que fez um ótimo trabalho.

Comente o feat. com Bart Topher. Bart Topher também me encontrei no fiverr.com e ele cantou 8 das 9 músicas do álbum. Cantor incrível com uma enorme variedade de estilos. Há gêneros de “canção de ninar, folk, country, blues e rock” no álbum e ele administrou todos eles.

Respostas Backstrom

Old Heavy Hands“Shelter Me” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

Resumindo, que música é essa (“Shelter Me”)? Shelter me é uma terna canção de amor tendo como pano de fundo o caos, uma pandemia, divisão política e brutalidade policial.

Indo mais fundo, o que diz a letra? O primeiro versículo trata da sensação de ver as pessoas se voltando umas contra as outras durante a pandemia, um momento em que senti que deveríamos ajudar uns aos outros em vez de apontar o dedo. O segundo verso foi escrito em resposta à brutalidade policial que se desenrola em nossos aparelhos de TV. Foi uma loucura ver as pessoas que afirmam defender a lei e a ordem apoiando o assassinato de seres humanos inocentes nas ruas e nas suas camas em casa. O refrão é essencialmente um apelo à compaixão num mundo que parece não ter muito de sobra.

Em que situação nasceu essa música e como foi esse momento? Eu estava sentado lá dedilhando meu violão me perguntando o que diabos estava acontecendo de errado no mundo. Por que não podemos ficar juntos? Por que toda essa dor? Onde podemos encontrar abrigo em meio a tudo isso? Me deparei com a progressão de acordes e pensei “cara, isso soa exatamente como eu me sinto”. Foi um daqueles momentos em que parecia que estava destinado a acontecer. Liricamente, foi uma música difícil de escrever, mas suponho que muitas coisas que valem a pena discutir são assuntos difíceis de serem discutidos. No final das contas, acredito que é trabalho do artista tentar dar sentido ao mundo que nos rodeia.

Há algo neste lançamento que você deseja destacar? Confira o vídeo da performance de “Shelter Me”, bem como todos os nossos outros novos vídeos no YouTube!

Respostas Old Heavy Hands

Limandi“FUCK. IT.” – (Suécia) – [MINI ENTREVISTA]

Qual é essa música, em resumo? É uma música sobre estar com raiva de si mesmo, por machucar alguém, e perceber que desculpar nem sempre é suficiente para resolver o problema.

Qual foi sua fonte de inspiração para escrever essa música? Foi um incidente em que deixei alguém chateado e me senti muito mal por isso – e eles não aceitaram minhas desculpas nem quiseram falar comigo novamente. Então foi inspirado na minha vida.

Qual é a sua mensagem para o mundo? Com o álbum “FUCK. IT” (que leva o nome da música), minha mensagem é fazer tudo o que te assusta. Não deixe que nada nem ninguém te impeça de fazer você e ir atrás dos seus sonhos (clichê mas muito verdadeiro). Tipo, foda-se – quem se importa daqui a 100 anos?

Minha mensagem em geral seria confiar em você mesmo e em seus instintos. Para tornar sua vida do jeito que você quiser e confiar que as pessoas e possibilidades certas irão encontrá-lo se você for fiel a si mesmo.

É possível definir a musicalidade e a sonoridade? Acho que é difícil defini-lo, porque não é minha função defini-lo, analisá-lo ou decompô-lo. Eu sou apenas o criador e a música para mim está sendo liberada do lado esquerdo do meu cérebro, mas se eu pudesse tentar, acho que é bem peculiar, criativa, indie e uma mistura de vários gêneros. Eu não diria que é tipicamente mainstream, mas também não é indie puro – então, algo intermediário, eu acho.

Respostas Limandi

Subway Rat“Lost Without U” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

Em termos gerais, que música é essa?Lost Without U” é um dos meus mais novos lançamentos do meu segundo álbum, Captain of the Football Team. É uma música experimental de pop rock alternativo com clima dos anos 90 e guitarras que soam como The Strokes. Há ecos atmosféricos por toda parte, como se o ouvinte estivesse perdido comigo em um túnel subterrâneo. Metade palavra falada, metade vocais grunge roucos, contando uma história extravagante sobre como tentar seguir em frente sem aquela pessoa especial ao seu lado. Surpreendentemente para mim, esta foi a música de maior sucesso da minha carreira até agora em termos de recepção crítica, e estou muito feliz com o resultado!

O que inspirou a criação desta música e como foi esse processo? Eu escrevi “Lost Without U” no verão passado de 2023, quando meu produtor e guitarrista, Paco Lee, do Canadá, postou o instrumental em seu canal no YouTube. Comprei na loja de beats dele porque tinha um toque romântico, mas ainda assim alternativo e sombrio – que é o meu ponto forte. Gravei a faixa no mês passado no Lounge Studios, vencedor do Grammy, na Times Square, e lancei-a na véspera de Ano Novo como parte do meu novo álbum. Cody, o engenheiro, gravou meus vocais e mixou a faixa em apenas algumas horas, e o engenheiro-chefe Blue terminou a masterização final em apenas uma semana ou mais. Eu queria mostrar o amplo alcance dos meus vocais, mostrando moderação nos versos e depois dando tudo de si no refrão, na esperança de realmente deixar a narrativa e a paixão brilharem. Eu terminei há alguns anos e essa música é sobre isso.

O que você acha que trouxe musicalmente para a mesa? Subway Rat é punk rock. Pode não soar como bandas punk clássicas, mas é meu novo toque urbano no espírito musical de nenhuma experiência, nenhum treinamento, nenhuma lição, nenhum medo. Estou cantando com o coração, sem nenhum conhecimento de altura, notas ou escalas. Gravei essa música e quase todas as minhas músicas em um único take. Eu sabia desde o início que não poderia cantar como Mariah Carey, mas sou uma poetisa com muito a dizer e estou muito grata por finalmente ter encontrado uma saída para ser ouvida sem ficar envergonhada ou com medo do que as pessoas possam fazer. pense na minha voz. Eu realmente acredito que todas as vozes e pessoas têm algo a oferecer. Eu só comecei a cantar e escrever músicas em 2022 e me desenvolvi tanto nesse período que sinto que minha coragem de Queens, Nova York e ritmo e fluxo de hip hop podem se infundir com o indie rock dos anos 2000 em uma postagem alternativa nova, divertida, única. – estilo punk rock.

Qual é a conexão dessa música com a cultura e a música americana? Comecei a colecionar discos de vinil quando morei em Los Angeles, Califórnia, em 2015. Fiquei profundamente apaixonado pelo rock alternativo americano durante o bloqueio pandêmico, começando por me apaixonar completamente pela lendária banda de Nova York, The Strokes. Eu estava obcecado pela guitarra elétrica brilhante e angular de Albert Hammond Jr. e Nick Valensi, pelas linhas de baixo descoladas de Nikolai Fraiture, pela bateria mecânica de Fabrizio Moretti e, claro, pela entrega vocal sensual, legal e solta do solo. cantor Julian Casablancas.

Depois fui explorar quem foram suas inspirações lendo inúmeros artigos e entrevistas. Foi assim que descobri Lou Reed e The Velvet Underground, Iggy Pop e The Stooges, The Pixies, REM, Pavement, Television, Patti Smith, The Replacements, New York Dolls e muitos mais. Esta é a alma de Subway Rat, combinada com minha educação dos anos 90 e 2000 com estrelas do rap americano como 50 Cent, DMX, Jay-Z, Kanye West e Eminem, que entrelaçaram perfeitamente a poesia de rua em refrões ásperos e cativantes. E enquanto crescia, meu pai sempre tocava seus CDs de rock alternativo favoritos dos anos 80 e 90 no carro, então eu estava imerso em ícones americanos como Blink-182 e Talking Heads desde o dia em que nasci. “Lost Without U” é uma pequena fusão especial do que considero uma das melhores músicas alternativas que meu país já produziu!

Respostas Subway Rat

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.