13 de abril de 2024
Além da BR

Playlist “Além da BR” #119 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 119ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

EĐĐIE – “Melatonin Medicine” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

Em termos gerais, sobre o que é essa música? O que contribuiu para a criação desta música e como foi o processo? Eu gravo tudo no meu home studio, então gravei a música lá. Meus co-roteiristas, Noah Seewagen e Daniel Jüde, foram de grande ajuda para permitir que minha visão ganhasse vida. Todo esse álbum é sobre o amor perdido e um momento muito difícil da minha vida e acho que gravar em uma espécie de “lugar ruim” foi importante para torná-lo genuíno.

Qual é a mensagem? A mensagem da “Medicina Melatonina” é basicamente esta: haverá momentos na vida em que você preferirá apenas dormir do que lidar com os problemas do mundo. Acho que essa música exemplifica isso.

O que você criou foi trazido de volta musicalmente? Recebi ótimas críticas sobre a música ao longo dos anos e fiz muitos shows de grande nível. Acho que tenho a capacidade de me conectar com as pessoas e é disso que você precisa como artista.

Qual é a conexão entre esta música e a cultura e música norte-americana? Acho que devo seguir muitas das tendências que estão acontecendo em nosso setor hoje. Certificar-me de usar instrumentações e temas modernos em minhas músicas é muito importante para me conectar com um público mais novo.

Respostas EĐĐIE

Ratyński – “Going Home” (Theme of the Local Hero) (Mark Knopfler Cover) – (Polônia) – [MINI ENTREVISTA]

Em linhas gerais, o que é esta música para você? Para mim, “Going Home”, de Mark Knopfler, é um dos temas musicais que se tornam parte inseparável da sua vida desde a primeira audição.

Por que a gravou? Ouvi-o pela primeira vez quando era criança, e na Polónia não era muito possível ouvir música do mundo ocidental. Se alguém estivesse a viajar a negócios, poderia trazer gravações, nem sempre legalmente. O meu pai costumava trazer Dire Straits, entre outras coisas. O seu ‘show’ “Alchemy” terminou com esta canção. Ouvi com meu pai, sentindo, talvez pela primeira vez, o poder da música instrumental. Sentir que podem ser emoções puras que surgem e nos aproximam de nossos entes queridos, independentemente da passagem do tempo e da distância. Que eles existem e você não precisa justificá-los, você apenas ouve, canta, toca.

O que você crê ter trazido de novo musicalmente? Tentei tocar esta peça da forma mais fiel possível ao original, ao mesmo tempo usando meios de expressão que são meus. Tocando essa música eu quase não sentia o limite entre mim e o violão, não havia como pensar em técnica. Às vezes, a música encontra você – então você é o compositor. Isso acontece comigo às vezes, mas na maioria das vezes sou eu que me encontro nas músicas que outra pessoa escreveu e que por anos significaram para mim estações específicas, estados específicos de emoção. Going Home é um tema que permite que você se torne um com o instrumento e toque como se estivesse simplesmente cantando de coração, junto com os entes queridos que você perde.

O que este música diz sobre o álbum? Cada uma das 10 faixas da coleção “Everything but Classic” foi selecionada de maneira semelhante. Ela resume as “canções estrangeiras” mais importantes e eu devo isso a elas, para que eu possa começar a escrever minhas próprias músicas em um futuro próximo. Também voltei ao “Apelo” de que falamos há alguns meses. Tocar essas músicas é como um encontro íntimo com seus entes queridos, em um lugar aconchegante que você vê na capa.

Respostas Ratyński

Mirja Palo“Istuinpa sänkys laitalle” – (Suécia) – [MINI ENTREVISTA]

O que é esta música? Faço música folclórica inspirada na cultura Sapmi. Na minha música combino o tradicional instrumento de cordas finlandês Kantele com letras em Sámi do Norte.

O que contribuiu para a criação desta música e como foi este processo?
Minha música e álbum de estreia são inspirados na maternidade e no parto. Muitas maternidades estão fechando no norte da Suécia e dei à luz meu terceiro filho em um carro nos arredores de Jokkmokk, já que a distância até o hospital mais próximo era de várias horas. A minha música e esta canção também são inspiradas na minha vida aqui na vasta paisagem do noroeste da Suécia.

Qual sua mensagem? O que você criou foi trazido de novo musicalmente? Quero destacar temas e assuntos que são de grande importância para muitas pessoas, mas que têm pouco espaço no debate cultural e na sociedade, como os cuidados de maternidade e o parto, mas também as condições de vida nas zonas escassamente povoadas como o norte da Suécia.

Qual a ligação desta música com a cultura e música sueca? Toco o tradicional instrumento de cordas finlandês Kantele, que tem uma ligação forte e antiga com a nossa cultura no norte da Suécia. Também minhas letras no Northern Sámi têm. Nas minhas melodias e na forma como escolho os instrumentos também há algo que está ligado à cultura e à música sueca. Flautas, Kantele, minha voz e assim por diante. É esparso, assim como a vasta paisagem do noroeste da Suécia.

Respostas Mirja Palo

Josh Wingate“Sky to Blue” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

Resumindo, qual é essa música? Sky to Blue é uma música sobre finalmente me sentir seguro para expressar meus sentimentos depois de viver a maior parte da minha vida com medo de fazê-lo, e perceber a beleza do amor e a liberdade de auto-expressão.

O que você canta nos versos, qual é a sua mensagem? As letras são:

Como vou escrever uma canção de amor

Como devo dizer o que sinto

Toda a minha vida eu estive fugindo do que é real

Como devo dizer o que sinto

Você sabe para que lado o vento sopra

Você veio aqui como a brisa

Nunca vi você chegando, mas você me deixou à vontade

Você veio aqui como a brisa

Você sabe como desacelerar o tempo

Você mudou o céu para azul

Tudo parece desaparecer quando estou com você

Você mudou o céu para azul

Como vou escrever uma canção de amor

Como devo dizer o que sinto

Toda a minha vida eu estive fugindo do que é real

Como devo dizer o que sinto

Como devo dizer o que sinto

Você faz meus sonhos parecerem tão reais

É uma canção de amor para minha filha e minha esposa – e minha tentativa de honestidade diante do medo. Algumas pessoas me procuraram dizendo que isso as afetou profundamente e que elas se identificam com a “realidade” das letras. Estou grato e feliz porque a minha verdade e esta música estão tocando o coração das pessoas.

Como surgiu essa música, o que a inspirou? Escrevi logo depois que minha filha nasceu. Foi como se um véu tivesse sido levantado na minha vida, como se o céu tivesse ficado azul pela primeira vez. Essencialmente, escreveu-se sozinho numa sessão, como se tivesse saído de mim.

Minha filha e minha esposa são a razão. Eles são um sonho que se tornou realidade e esta música homenageia o fato de eles me trazerem para a luz do amor e da auto-expressão verdadeira.

Há algo sobre este lançamento que você deseja destacar?

Estou muito grato por estar aqui e compartilhar essa música com o mundo. Espero que continue a endurecer o coração das pessoas e talvez traga mais amor para suas vidas.

Respostas Josh Wingate

Dominik Friedrich – “Burning Rain” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

Que música é essa, resumindo? Essa música é dor, é choro. Mas acima de tudo é uma oração. É realmente tão simples.

O que você canta nos versos, qual a mensagem? Nas letras descrevo minha perda de confiança. Meu desejo de me sentir seguro e saudável. Estou cantando sobre como me senti perdido. Estar próximo da insanidade mental e buscar apoio e confiança para poder seguir com a vida. Minha história não é importante. Todo mundo tem o seu. Mas se você passar por uma merda agora: mantenha sua fé!

Como surgiu essa música, o que significa? te inspirou? Depois de um acidente nas montanhas, tive que lidar com dores constantes por mais de dois anos. Minha fé na vida, nas pessoas e em mim mesmo foi quebrada.

Escrevi essa música quando encontrei a fé novamente. Eu estava longe de estar inteiro. Mas lentamente encontrei meu caminho de volta à vida.

Musicalmente, como você descreve isso? A música é gravada apenas com minha voz e meu violão. O estilo de jogo que uso aqui poderia ser chamado de laptapping. Meu violão está apoiado nas minhas pernas com as cordas voltadas para cima. Isso cria um som muito polifônico e diferente do que você normalmente esperaria de um violão. Muito mais grosso.

Fale sobre o videoclipe. Filmamos o vídeo em tcheco a -10 graus de inverno. Ouvi falar de incêndios florestais naquela área. Então fiz uma viagem para encontrar um lugar que melhor refletisse o estado interior em que eu estava ao compor a música. O morro com seus troncos queimados era perfeito. Eu até dormi lá por uma noite. A história em si é dividida em duas “pessoas”. “One person” está apenas cantando a música e refletindo esse momento doloroso em um nível meta. A “outra pessoa” está passando pelo processo, está vivenciando-o novamente.

É distópico e doloroso. E eu acho muito autêntico.

Respostas Dominik Friedrich

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.