18 de julho de 2024
Além da BR

Playlist “Além da BR” #164 – Sons do mundo que chegam até nós

Além da BR

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 164ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Fiorella“Como Locos” – (Colômbia) – [MINI ENTREVISTA]

Que música é essa? Essa música é a terceira faixa do meu novo álbum “Misbehavior” ela é inspirada na bossa nova com pop.

O que você diz na letra e qual é a sua mensagem? Na letra falo sobre querer voltar a um relacionamento onde já havia terminado mal no passado. A mensagem é que não devemos voltar à fantasia apenas pelas lindas lembranças que temos e assumir que desta vez as coisas serão diferentes. Estávamos “Like Crazy” porque mais uma vez caímos em tentação em vez de usar a lógica.

Como e por que essa música surgiu? E a música colombiana e latina?

Essa música surgiu porque senti que a faixa 2 – “Sigue Así” poderia ter uma segunda parte. Em Keep It Up, falo sobre o relacionamento com a perspectiva de “Sei que ele está me tratando mal, mas por enquanto estou me divertindo e está tudo bem”. Essa relação acabou porque não era estável e em “Como Locos” quis brincar com a ideia de querer voltar à emoção que vivi no passado ou “Sigue Asi”. ao mesmo tempo ignorando as razões pelas quais não trabalhamos.

Queria fazer uma fusão de gêneros nessa música e experimentar guitarras e ritmos de bossa nova. Acabou sendo uma música sensual e calma com aquela inspiração do jazz latino.

Respostas Fiorella

SimplyRich“Freedom” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

O que a música diz e qual é a sua mensagem para o mundo? Essa música diz que apesar das dificuldades da vida, temos acesso à liberdade. A liberdade é ao mesmo tempo uma busca e o presente. A liberdade não é algo que você “ganha”, mas algo que você sente. É ouvido e cantado. Eu sou liberdade; você não consegue ouvi-lo cantando?

Como e por que a música surgiu? Essa música surgiu enquanto eu explorava minhas raízes na música: cantando hinos na igreja. Apesar de ser ateu agora, não posso ignorar esse aspecto fundamental de como canto e como experimento o mundo. Essa música (e a outra música de Love, Simply , Volume 2, Lie When You Love) são reflexos da minha infância e homenagens àqueles que vieram antes de mim: meus pais, as pessoas mais velhas da igreja que eu admirava enquanto crescia, e as pessoas resilientes que lutaram pela nossa liberdade na América. Após refletir, percebo o quão livre sou. A liberdade que experimento agora é uma escolha que aqueles que me antecederam não tiveram, por isso quero exercê-la na minha música e na forma como vivo.

Musicalmente, como você definiria essa música? É principalmente uma mistura de R&B e gospel, com um toque moderno na melodia e nos ritmos.

Há algo interessante neste lançamento que você gostaria de destacar? Essa é a música favorita da minha mãe haha. Ah, também estou lançando uma versão deluxe deste EP na quarta-feira, que incluirá uma versão estendida de Freedom. Aqui está um link para isso, caso você queira dar uma olhada. Liberdade – estendido 062124.wav

Respostas SimplyRich

The Generation“Take A Chance” – (Austria) – [MINI ENTREVISTA]

O que a música “Take a Chance” diz e qual é a sua mensagem para o mundo?Take a Chance” é uma música alegre e divertida, perfeita para dançar. É sobre conhecer uma garota com um sorriso malicioso em um bar e flertar com ela, no final convencendo-a a “Take A Chance” comigo. É uma celebração da juventude, de correr riscos e aproveitar a noite ao máximo.

Como surgiu a música? Tudo começou com uma jam session na nossa sala de ensaio, onde rapidamente encontramos uma melodia para o refrão. No início, eu estava apenas gritando qualquer coisa, mas o “Venha se arriscar comigo” ficou na minha cabeça. Escrevi o resto da história em torno dessa frase.

Musicalmente, como você define essa música? Eu gosto de descrever “Take a Chance” como se os Rolling Stones e o Aerosmith tivessem um filho juntos. É meio blues rock, mas também tem a bateria e as guitarras base dos anos 80 e, claro, os saxofones suingantes! Em resumo, é meio glam rock!

O que essa música diz sobre o seu país? Essa é uma pergunta complicada de responder. Não acho que diga muito sobre a Áustria, onde estamos baseados, mas passei muito tempo nos Estados Unidos e foi lá que a inspiração surgiu. Ao escrever músicas, muitas vezes penso naquele período nos Estados Unidos.

Há alguma curiosidade sobre esse lançamento que você gostaria de destacar? Este foi o nosso primeiro novo lançamento em cerca de um ano. No ano passado, reconstruímos toda a formação da banda e a tornamos mais coesa. Com isso, encontramos um novo som que você pode ouvir em “Take A Chance”. Além disso, este não é um single isolado, há mais por vir antes do nosso primeiro EP chamado “Heartbreak Season“, que será lançado no outono deste ano. Então, fique atento e preparado para algo novo! Muitas felicidades, Sleaze!

Respostas de Sleaze, vocalista do The Generation

Periscopi Invertit“La dama d’Aragó” – (Espanha) – [MINI ENTREVISTA]

O que diz a música e qual é a sua mensagem para o mundo?A Dama de Aragão” é uma canção anônima do século XIV. A letra descreve a beleza da senhora (princesa) e como sua mãe penteava seus cabelos enquanto um menino olhava para ela. “La dama d’Aragó” é uma canção de trabalho que era cantada pelos fiandeiros de lã (onde era mais cantada era nas oficinas onde se fiava a lã), já que a descrição de como a mãe penteia o cabelo da senhora, pode ser interpretada como a descrição de como a lã foi “penteada” antes de ser fiada. “La dama d’Aragó” é uma canção de trabalho e tem uma finalidade descritiva do trabalho dos lanifícios e da beleza da senhora.

Como e por que surgiu a música? Periscopi Invertit decidiu reorganizar esta melodia medieval, porque além de ser uma melodia representativa da cultura catalã, a simplicidade da melodia facilita a sua adaptação a outros estilos mais contemporâneos. Periscopi Invertit dedica-se à criação de novos arranjos de melodias folclóricas dos países catalães (Catalunha, Valência e Ilhas Baleares) misturando-as com arranjos de jazz. “A Dama de Aragão” é um clássico indispensável ao qual não poderia escapar.

Musicalmente, como você define essa música?The Lady of Aragon” é uma balada que foi rearmonizada com harmonias de jazz e uma seção de improvisação foi adicionada. O alaúde e o darbukka (instrumentos que podem ser ouvidos em muitos países da costa do Mar Mediterrâneo, especialmente no Norte de África) definem parte da sonoridade da canção, conferindo-lhe uma sonoridade distinta que pode ser relacionada com o Mediterrâneo O Mar Mediterrâneo tem sido um grande canal de comunicação entre os diferentes países que o rodeiam. A música folclórica dos países da bacia do Mediterrâneo partilha elementos comuns, sejam instrumentos ou melodias.

O que representa o videoclipe? O videoclip é uma colecção de imagens de zonas rurais dos países catalães (Catalunha, Valência e Ilhas Baleares), representando a área geográfica onde “La dama d’Aragó” se tornou popular.

O que essa música diz sobre o seu país, Espanha? Quando esta melodia foi criada, a Espanha não existia como agora e a Coroa de Aragão não estava associada ao Reino de Espanha. Portanto, não pode ser identificada como uma canção espanhola, pois pertence ao folclore catalão. A Senhora de Aragão é representativa da cultura catalã. Espanha é um país onde, além dos espanhóis, coexistem outras nacionalidades como o basco, o galego e o catalão, todas nações apátridas, com um legado cultural milenar que antecede o país hoje conhecido como Espanha.

O país de referência de “La dama d’Aragó” são os países catalães e responderei a esta pergunta tomando os países catalães como quadro de referência, porque o substrato cultural catalão é diferente do espanhol e não faz sentido responder como se fossem a mesma coisa As principais razões para dizer que em Espanha só existe uma cultura, a espanhola, são basicamente políticas. Além de ser uma grande mentira, é uma forma de negar a existência de outras culturas e não quero contribuir para esta confusão.

“La dama d’Aragó” é uma amostra da sobrevivência da cultura catalã apesar de todas as tentativas do Estado espanhol para apagá-la. É um reflexo do poder que a Coroa de Aragão passou a ter durante o seu esplendor (durante a Idade Média a Coroa de Aragão, sob o mandato de Jaime I, ocupou parte da Itália e da Grécia). Naquela época, a Coroa de Aragão controlava grande parte do Mar Mediterrâneo e estava em contato com muitos dos países da bacia do Mediterrâneo. A Dama de Aragão é um reflexo disso, pois partilha alguns versos de uma canção grega popular na época.

Respostas Periscopi Invertit

JJ Bean – “Shut Up” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

Você tem que apresentar essa música para um amigo, o que você diria? Procuro não falar nada sobre o assunto da música e deixo o significado para o ouvinte. Geralmente, apenas aponto o stream para meus amigos e peço que ouçam. Suas respostas variam.

Qual sua mensagem ao mundo? Gostaria que o mundo ouvisse a música e pensasse sobre quem poderia ser o assunto. Poderia ser um ex-amante? Um parente? A mídia? Um político? E quando decidirem, gostaria que pensassem nas divisões que se formaram no mundo durante e desde a Covid, e antes disso, em menor grau. Os sentimentos expressos na música são um reflexo da sociedade? Eles estão estressados ​​constantemente?

Como e por que a música surgiu? Sou principalmente um tocador de blues. Nasci em St. Louis, que é considerada a casa dos Blues, mas alguns em Chicago podem discordar. Eu tive a ideia de escrever uma música com ‘paradas’ onde declarações iradas poderiam ser feitas. Como uma liberação emocional, culminando com as palavras CALE A BOCA! Eu queria que a música refletisse meus próprios sentimentos sem ser específica, tornando a música ‘perene’ e que pudesse superar as divisões de hoje. Prefiro deixar o assunto para o ouvinte.

O que temos sobre a música e a cultura norte-americana nesta música? Comecei a tocar blues muito jovem em St. Louis, Missouri. As raízes dessa música estavam ao meu redor enquanto crescia. Tocar blues é uma libertação. . . Gosto de pensar que meu estilo de tocar mostra a agitação interior, quase gritante, que sinto por dentro. O blues sempre foi uma libertação desde a escravidão nas plantações dos EUA. Ainda é, e esse gênero é minha linguagem musical preferida.

Há alguma curiosidade sobre esse lançamento que você queira destacar? Hah! Sim. Frequentemente me perguntam se é sobre Donald Trump ou Joe Biden. . . A curiosidade é uma coisa boa. Vou deixar por isso mesmo.

Respostas JJ Bean

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.