26 de fevereiro de 2024
Além da BR

“Your Eyes”, mais uma canção de amor

Dentro do EP de estreia da cantora e compositora norte-americana NATICA encontramos uma faixa especial, intitulada “Your Eyes” e inspirada no poema “The Look” (Sara Teasdale) e em seu relacionamento com seu atual parceiro. A música foi escrita em referência ao momento em que conheceu Dylan [seu parceiro], em 2012. “Não acreditei em amor à primeira vista. Sou o tipo de pessoa que desenvolve sentimentos depois de conhecer alguém. No entanto, quando o conheci, a sensação de olhar em seus olhos me fez esquecer completamente tudo e qualquer coisa que eu queria fazer ou dizer. Eu estava sobrecarregado, confuso, desconcertado, confuso, estranho e intrigado, tudo ao mesmo tempo. Foi uma atração instantânea que eu nunca havia sentido antes.”, diz ela.

NATICA dá andamento à sua fala: “Minha irmã me levou a uma festa em casa para a qual um amigo em comum nos convidou. Dylan estava processando a saída de seu ex de apartamento naquele mesmo dia e quase não compareceu à festa, mas seus colegas de quarto o arrastaram e literalmente disseram a ele: ‘você nunca sabe quem vai conhecer’. Minha irmã e eu chegamos na festa, dividindo-se em salas diferentes. Sentei-me em círculo com outros convidados da festa e ele estava sentado à minha frente. Assim que nossos olhos se encontraram, o resto foi história. Eu não esperava encontrar ninguém em particular naquela noite, então nossa as reações entre si eram viscerais. Continuamos olhando duas vezes um para o outro. Ele me disse mais tarde que não estava olhando para mim o tempo todo. No entanto, toda vez que eu olhava para trás depois de desviar meu olhar nervosamente, parecia que ele nunca tirava os olhos de mim.”

Em 2012, ela começou a escrever o arranjo vocal da música, só terminando-o depois de oficializar a relação. “Já estamos juntos há dez anos e acho incrível que cinco anos se passaram desde que escrevi essa música e ainda me sinto da mesma forma. Tivemos tantos momentos durante os encontros ou quando eu o assistia no palco onde ele tocava intensamente que ele me lançava um olhar que ainda me assombra noite e dia.”, acrescentou ela.

Sobre a sonoridade

Esta música, assim com o EP, podem ser explicados também pela trajetória musical de NATICA. “Minha experiência como vocalista tem muito a ver com cantar em corais e harmonizar com minha irmã. Fui cantor de coral por mais da metade da minha vida, começando na igreja, um coral de ópera infantil, ensino médio, faculdade, sendo um tocador de coral profissional e dirigindo um coral de igreja como diretor musical por quatro anos. Na minha graduação, estudei música clássica. Parte do currículo era ter aulas de teoria musical e eu tinha que escrever muitos exercícios de arranjo vocal SATB como trabalho de aula ou dever de casa. Eu realmente gostei dessa parte dos meus estudos, combinando isso com cantar música coral e fazer aulas eletivas de gravação. Sempre fui colocada como soprano (soprano 2 se fosse uma divisão SSAA dentro da seção feminina) mas adorava cantar Alto se houvesse essa oportunidade.”

Sobre “Your Eyes”, ela encontrou um caminho, como ela explica a seguir: “Eu sempre quis escrever algo que soasse como um arranjo de uma canção popular, mas originalmente era uma canção coral. Sempre quis soar assim na minha cabeça. Eu queria me desafiar cantando todas as partes, mas a linha do contralto 2 não ressoou na minha voz da maneira que eu esperava. Dylan sugeriu pedir um favor ao nosso amigo Izaiah Graves, que é um vocalista incrível com um amplo alcance vocal, para adicionar as duas vozes de fundo à música. Em retrospecto, fui realmente inspirado não apenas pelo meu amor pela música coral em geral, mas pelas harmonias dos Beatles e dos Beach Boys.”

O EP “Awakening”

O EP de quatro faixas apresenta a intimidade de NATICA, ou melhor dizendo, uma coletânea de suas experiências vivenciadas ao longo dos seus 20 anos. “Acho que grande parte da mídia que consumimos tem a ver com a maioridade centrada na infância e na adolescência. Mas eu sinto que amadureci novamente ao longo da minha idade adulta, de um jovem adulto para apenas ‘adulto’ enquanto escrevia essas músicas. Escrevi ‘Awakening’ quando tinha 21 anos, uma semana antes da minha formatura na faculdade, e terminei na semana seguinte. ‘Don’t Bother’ foi a música que escrevi com A. Sarr e eu tinha 24 anos, no mesmo ano também escrevi ‘Your Eyes’. Escrevi ‘Calmly, Softly’ pela última vez quando tinha 26 anos, um ano depois que o córtex pré-frontal deveria amadurecer. Originalmente, eu queria chamar este EP de ‘bloom’ ou ‘late bloomer’ porque, em relação aos meus colegas musicais, sinto que estou apenas começando, enquanto outras pessoas estão estabelecidas há anos. No entanto, não me arrependo porque parte do crescimento que tive foi reconhecer que os sentimentos de ser um impostor são apenas meu cérebro e não uma falha de personalidade. Esse tipo de mentalidade não muda da noite para o dia e requer terapia, uma comunidade solidária, amor próprio e um lembrete de que sempre haverá mais arte a ser feita.”, contou.

A artista dá mais detalhes: “Este EP significa muitas coisas para mim, pois não apenas documenta musicalmente meu desenvolvimento como pessoa, artista, compositor, mas também representa a jornada musical entre mim e meu parceiro Dylan Kaminkow, que o produziu. Este EP levou vários anos para ser feito porque ele é muito detalhista e passou muito tempo certificando-se de que a produção de cada música parecesse e soasse bem. Tivemos que aprender a nos comunicar como parceiros musicais e manter nosso relacionamento romântico separado. Nós nos recusamos a trabalhar juntos nos primeiros cinco anos de nosso relacionamento por esse motivo. Parte do atraso foi minha luta para tirar minhas ideias musicais da cabeça durante o estágio de pré-produção e descobrir a melhor forma de comunicar isso a Dylan. A outra parte foi conciliar a realização deste EP com nosso trabalho como músicos freelance que tínhamos que priorizar porque temos contas a pagar, rs. Enquanto eu amadureci como artista e compositor, Dylan também amadureceu como baixista, engenheiro de áudio e produtor ao longo dos mais de 10 anos que o conheço. Sempre adorei a maneira como ele toca baixo e guitarra, e sua versatilidade estilística entre uma vasta gama de gêneros é um de seus pontos fortes como instrumentista e produtor. Suas habilidades como produtor/engenheiro evoluíram e ele sempre compartilhou com entusiasmo comigo as novas técnicas que aprendeu ao longo do caminho e as aplicou a este EP. Estamos muito orgulhosos do trabalho que fizemos juntos na produção de Awakening’ e saímos mais fortes como resultado!”

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.