Conecte-se conosco

Música

Brô Mc’s: Grupo indígena de rap e sua resistência

Matheus Luzi

Publicado

em

bro-mcs-1-agambiarra

 

Brô Mc’s: Grupo indígena de rap e sua resistência

 

Com o advento da Internet pudemos ter conhecimento de várias formas de comunicação, de modo mais rápido, seja a partir de vídeos, fotos, músicas, etc, além de descobrirmos outras pessoas e grupos ao redor do mundo. Assim, também temos a oportunidade de enxergar e entrar em contato com outras culturas diferentes das nossas, a fim de entender suas mentalidades, tradições, crenças e modos de vida.

Na tentativa de não perder seus costumes e tradições, muitos povos ou grupos indígenas, em parceria com instituições, ou mesmo sozinhos, estão utilizando os meios digitais para informar, preservar e deixar registrada sua cultura. Para ilustramos essa ideia apresentamos o grupo musical Brô MC’s.

 

 

É um grupo de jovens indígenas das aldeias Bororó e Jaguapiru, no sul de Mato Grosso do Sul, especialmente no município de Dourados; formado por Clemerson Batista, Kelvin Peixoto, Charlie Peixoto e Bruno Veron. Criado em 2009, o grupo de rappers canta em português e no idioma nativo, o Guarani-Kaiowá, e tem como objetivo valorizar a cultura nativa.

Por muitos séculos, esses povos viram renegada a sua história, seus costumes, tradições e valores, especialmente pela violência de grupos que tentavam adentrar as suas terras ou mesmo por aqueles que as tomaram. Entretanto, apesar de muitas intrigas, anseios por terras para fins econômicos e políticos, mortes e sofrimento, os indígenas resistiram ao longo de todo esse tempo.

O grupo musical Brô MC’s escolheu o rap como forma de resistência ao racismo e violência que até hoje permeia os povos da terra, dentre eles, os grupos nativos. Desta forma, as letras são recheadas de críticas a invasão de suas terras, ao “descobrimento do Brasil”, a destruição da natureza e ao preconceito, entre outros temas denunciando a violência e o massacre que vivem diariamente, como podemos observar no trecho da música Eju Orendive:

 

Vamos todos nós no rolê

vamos todos nós, índios festejar

vamos mostrar para os brancos

que não há diferença e podemos ser iguais

aquele boy passou por mim

me olhando diferente

agora eu mostro pra você

que sou capaz, e eu estou aqui

mostrando para você

o que a gente representa

agora estamos aqui

porque aqui tem índio sonhadores

agora te pergunto, rapaz

por que nós matamos e morremos?

em cima desse fato a gente canta

índio e índio se matando

os brancos dando risada

por isso estou aqui

pra defender meu povo

represento cada um

e por isso, meu povo,

venha com nós.

 

Como um grito de resistência, os rappers dão muitas aulas sobre sua história marcada há anos por sangue dos massacres, violências e conflitos, mas também de persistência e de muita resistência pela preservação das suas manifestações culturais, religiosas, no anseio de serem aceitos e de verem a sua cultura e seus modos de vida respeitados.

Para ouvirmos seu som, podemos encontrarmos os Brô MC’s pela sua página no Facebook, ou mesmo acessar a primeira rádio indígena online no Brasil: a Yandê . Além de ouvirmos diversas outras músicas, o site Yandê é recheado de informações e textos que tratam de  assuntos que abrangem a cultura indígena.

 

 

Reportagem de Vanessa Aparecida Camperlingo Serra

 

 

 

 

 

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish