Conecte-se conosco

Entrevista

Federico Puppi, um artista italiano que fez do Brasil o seu lar

Publicado

em

Leandra Benjamin / Crédito

Aos leitores da Arte Brasileira, já está bem claro o quanto o nosso Brasil é apaixonante aos olhos daqueles que vem de outras terras. É este também o caso do violoncelista, produtor musical e compositor italiano Federico Puppi.

Ele chegou no Brasil em 2012, quando, na época, desejava deixar a Europa. Naquele momento, Puppi estava casado com uma brasileira na Itália, e veio sem muitas pretensões de ficar. No entanto, se separou, mas continuou no Brasil.

Ativo musicalmente em solos italianos, Puppi encontrou no Brasil a grande oportunidade de evoluir enquanto artista e como ser humano. “Quanto mais você viaja, quanto mais conhece do mundo, quanto mais entende seu tamanho, as diferenças…”, acrescenta ele.

E continua: “A realidade brasileira, por mais que possa ter alguns lados parecidos com a Italia por causa da “latinidade”, é muito diferente. Principalmente no quesito de justiça social, o Brasil te mostra de forma crua e direta todas as desigualdades social que existem. O Brasil te faz perguntas importantes para o crescimento humano.”

PUPPI E SUAS PARCERIAS

Para o artista, o Brasil ainda carece muito de uma cena artística forte. “Eu não percebo a existência de uma cena de fato, existem alguns grupos, divididos geograficamente, mas cena é algo a mais que acho que falta um pouco no Brasil. Difícil apontar uma motivação, um porque. Mas com certeza faço parte de alguns movimentos artísticos que se desenvolvem principalmente entre Rio e São Paulo.”, comentou.

O MOTIVO DE SER ARTISTA

No universo da música, Puppi já passou por varias fases, mas, segundo ele, chegou em um momento de mais expansividade, de elevação, e de, de fato, ser um comunicador musical, aquele que deve emocionar o público.

“Já tive fases herméticas, fases de rebeldia, e agora me encontro numa fase mais expansiva. Me importo com os outros, mais do que antes. Procuro criar algo que possa emocionar as pessoas, de alguma forma curar as pessoas da loucura da realidade. Fazer que as pessoas se sintam melhor através da minha música.”

“Sinto que a música tem uma função de cura muito forte. Cura para a alma. Isso é o que a música faz para mim e o que gostaria de poder proporcionar para os outros. Quero música que una as pessoas, que faça se sentir bem, que espalhe empatia.”

REFERÊNCIAS

Como um artista viajado, conhecedor de mundo, não é surpresa que suas referencias sejam tão vastas. Puppi cita artistas da música clásica europeia, mas também de cantautores italianos como Frabrizio de André, Lucio Battisti e Lucio Dalla.

“E depois vem tudo que encontrei no Brasil, de Gil até Milton, do Lô Borges até Cazuza. Os compositores do norte da Europa como Olafur Arnalds, são realmente muitas influencias juntas.”

UM RECADO DE PUPPI PARA O MUNDO

“Nos tempos atuais, cheios de crises, de sofrimento, de raiva, vou deixar aqui uma citação do poeta latino Virgilio: AMOR VINCIT OMNIA Traduzindo seria: o amor vence tudo.”

Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.

EnglishPortugueseSpanish