21 de fevereiro de 2024
Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #12 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 12ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Alec Berlin“Iota (Not One)” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que originou esta canção? Como ela nasceu? Há duas partes de guitarra nesta música. A primeira parte veio a mim porque parecia se encaixar muito bem com a nova guitarra Danocaster que eu tinha acabado de comprar. É baseado em um Telecaster, então ele se presta a esse estilo de jogo. Quanto à segunda parte – na época eu estava ouvindo “Illusion, Coma, Pimp, and Circumstance” do Prince. Eu amei as duas partes de guitarra entrelaçadas nessa música, então decidi dar um tratamento semelhante a essa!

– O que você retrata na letra? Qual a mensagem da música? Minha música é instrumental. Decidi gravar apenas música instrumental para o meu novo disco. Mas eu queria manter a mesma estética que você normalmente encontra na música com letras e evitar a estética que você normalmente encontra na música instrumental. A maioria das músicas instrumentais é pirotécnica e chamativa – mas eu queria que minha música fosse lírica, mesmo sem letras! Então tentei escrever melodias simples e memoráveis.

– Quais são suas considerações à respeito da sonoridade/arranjos do single? Porque minha música é instrumental, tive que desenvolver mais as orquestrações e arranjos, para ajudar a manter o interesse dos ouvintes, já que eles não terão palavras para acompanhar. Quando gravei minha música, estava constantemente tentando mudar as coisas sonoramente para que nada ficasse chato. Mas, ao mesmo tempo, você deve ter cuidado para não alterar excessivamente os sons e arriscar exagerar. É um equilíbrio que você precisa encontrar, e espero que eu tenha encontrado!

Respostas de Alec Berlin

Jack Rasmussen e Pim Taechara“Ruby’s Heart Of Gold” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual a origem da música e o que a letra retrata? “Ruby’s Heart Of Gold” foi uma faixa que foi escrita e gravada na Tailândia quando eu estava viajando pelo Sudeste Asiático. É uma história sobre um casal que se desligou através de uma viagem e acabou seguindo caminhos separados. Eu sinto que é muito profundo e triste, mas eu meio que gosto da história também, já que a separação foi para que Ruby pudesse seguir seu sonho e viajar.

– História interessante sobre o lançamento? Eu conheci Pim em um bar de karaokê e em 6 semanas eu escrevi a música e estávamos em Bangkok gravando, foi um processo muito rápido. Eu também escrevi cada seção da música enquanto viajava pelas Ilhas do Sul da Tailândia, então acho que isso é legal. Faz uma mudança no meu quarto [haha].

Respostas de Jack Rasmussen

James Nagel“Run This Neighborhood” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que fez essa composição acontecer? Eu estava de volta visitando meus pais na casa em que cresci. Ver fotos e os lugares que meus irmãos e eu costumávamos brincar me fez relembrar os bons dias passados. Escrevi “Run This Neighborhood” em cerca de 30 minutos, inundado com a inspiração de todas as memórias ao meu redor. 

– O que você retrata na letra? A letra retrata um tempo de inocência. Uma época em que o mundo ainda era novo e as únicas preocupações eram as aventuras que aguardam todos os dias. A música também é sobre o vínculo profundo que pode ser formado entre crianças crescendo juntas e o que espero que a mensagem transmita. 

– Quais são suas considerações a respeito da sonoridade/arranjos da música? Eu sou um grande fã de incorporar sons de retrocesso e realmente
trabalhou duro para garantir que a vibração e o arranjo da faixa estivessem enraizados em uma sensação mais dos anos 70.

Respostas de James Nagel

Firewood Band“Here we go!” – (Espanha)

Depois do interessante álbum de estreia “Inside”, lançado em 2020, a banda Firewood Band chega ao seu novo disco, “Here We Go!”, com onze faixas embaladas pelo southern rock, subgênero do rock n roll. Apesar do grupo ser espanhol, as letras estão dividas entre o inglês e o espanhol, e foram criadas por Javier López e Quim Aguasca. Deixamos aqui a recomendação de por onde você poderia começar, indicando a faixa de estrada, a bem aventurada “Here We Go!”. Boa audição!

the VOO“Me & My Ego” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual foi a inspiração para essa música? A música foi inspirada por um encontro que Andrew teve com alguém que era incrivelmente auto-envolvido. Andrew ficou um pouco furioso e disse “temos que escrever uma música sobre isso! Algo como EU EU EU, MEU MEU MEU!”. Nós rimos e rapidamente criamos o refrão “I, ME, MY ME”.

– Sobre o que são as letras? A letra é sobre fazer uma viagem de um dia com seu próprio ego, sair e passar um dia juntos. Saltando pelos campos, tentando impressionar as garotas, se fantasiando, dançando e bebendo red bull, com uma pitada de romance no ar. É um olhar irônico e irônico sobre os altos e baixos do nosso mundo egocêntrico.

– Por favor, conte-nos algo sobre o som e o arranjo. Não queríamos ficar muito extravagantes com o arranjo da música. Queríamos que tivesse uma sensação de festa dos anos 60 simples e agradável. O contrabaixo e a guitarra distorcidos carregam a música. A maioria dos sons de bateria também foram criados usando o contrabaixo através de pedais de efeito distorcidos. Até o bumbo foi criado por Andrew batendo seu baixo no tempo. Nós gostamos da sensação de lixo que deu à faixa, não muito perfeita. Com certeza foi divertido gravar os gritos de “Ego” no final da música; nossos vizinhos de estúdio espiaram na sala enquanto estávamos gravando para ver o que diabos estava acontecendo!

Respostas do integrante Ben Galliers

The Hangover Club – “Leather and Stone” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Sobre o que é a composição? De que tratam as letras? Qual é a mensagem? “Leather and Stone” é uma faixa gótica do sul em camadas com uma narrativa rica, ambientada em um mundo de cowboys, tiroteios e uísque. O som metálico da guitarra National resonator e a tentativa de tocar um banjo definem a cena, lutando uns contra os outros para imitar o tiroteio. A tensão aumenta com camadas de violão e algumas armadilhas até que a música atinge um clímax selvagem e uivante.

Lembrando o single de abril do The Hangover Club, “Devil’s Watching You”, o próprio Satanás também desempenha um papel nessa faixa com um canto pronto para o festival que não vai escapar de sua mente.

“Leather and Stone” teve várias variações até a versão de hoje. Mudar a chave para abrir G e trocar uma Gibson acústica por um ressonador realmente abriu o som e trouxe uma segunda vida à música. Depois de brincar com riffs elétricos, o guitarrista Jeffray Cold decidiu que um banjo daria mais uma sensação de Bayou.

Durante a gravação no J&J Studios, adicionamos outro elemento à narrativa, colocando cada instrumento e faixa vocal em camadas para um final enorme e rico. Os BVs de Helen Payne dando um grito de lamento e eco que o público clamará para ver ao vivo.

Inspirado pelos contos de Johnny Cash e um livro antigo e misterioso sobre a história do oeste americano, o vocalista PM Legrand escreveu a letra inspirada na história de um cowboy inocente com uma arma na cabeça. Ele conhece seu destino e sente o aço frio contra sua têmpora. Ele ouve o diabo chamando enquanto dá seu último suspiro e reza para que a bala volte.

Resposta em conjunto da banda

Febrúar“Time Goes By” – (Islândia) – [MINI ENTREVISTA]

– O que deu origem a essa música? Todas as paredes em que pisamos na vida, os buracos em que tropeçamos. O amor e o desgosto, nossos e os que causamos. Mas o tempo passa, os sentimentos desaparecem e seguimos em frente. As memórias vivem e aprendemos e algumas feridas deixam cicatrizes, mas desaparecem com o tempo. 

– O que você traz nas letras? Reflexões sobre minha vida, amores e o impacto do tempo. Olhando para trás, podemos ver todos os diferentes períodos de nossas vidas que pareciam tão grandes, às vezes é como se tivéssemos vivido muitas vidas diferentes e elas parecem tão distantes com o passar do tempo. 

– E o som e os arranjos? Trabalhei com um produtor maravilhoso, Albert Finnbogason, que me ajudou a encontrar a vibe certa. Escrevo todas as minhas músicas no piano e trabalhamos a partir daí. Fiquei incrivelmente feliz que um artista que eu realmente admiro, Sóley Stefánsdottir, fez os arranjos de cordas e senti que tudo se encaixou perfeitamente.

Respostas de Bryndís Jónatansdóttir

Shane Sowers“None Like You” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

1. Pergunta – Em que momento a composição de “None Like You” se tornou necessária? Como foi esse momento? Recentemente fiz uma cirurgia de coração aberto e durante esse período de recuperação passei muito tempo nas redes sociais. Comecei a notar o aumento da busca incessante de propósito, significado e identidade em nossa cultura. E me lembrei de quantos antes de nós estiveram no mesmo curso de busca e muitos chegaram à mesma conclusão. Não há nada neste mundo como o nosso Deus. Mesmo a maior documentação de um homem que tinha todos os recursos disponíveis buscou todas as coisas neste mundo e no final ele descobre que no final só existe Deus. O livro de Eclesiastes. Senti um fardo para passar esta mensagem.

2. Pergunta – A letra traz uma compilação das escrituras bíblicas. O que eles são? A música é praticamente uma compilação de versículos da Bíblia que mencionam que não há ninguém como Deus. O refrão da música é claramente o Salmo 86:8-11. O versículo 1 é Isaías 46:9-10. O versículo 2 é 1 Samuel 2:2, Jeremias 10:6, Deuteronômio 33:26. O versículo 3 é Deuteronômio 3:24, Filipenses 2:10-11. O versículo 4 é Salmo 89:7 e Salmo 86:8. A ponte é Efésios 3:20, João 15;15 e João 10;10.

3. Pergunta – Quais são suas observações sobre o som e os arranjos da música? Eu queria que a música fosse otimista com uma vibração mais guiada pela guitarra. Não como a música de adoração altamente eficaz e arejada popular hoje. (Risos) O som que eu estava procurando era uma mistura de timbres de guitarra do rock dos anos 70 e 90 e com camadas modernas de teclado. Para a mixagem desta música, trabalhei com Gordon Davidson dos estúdios Abbey Road em Londres, Reino Unido. Estávamos buscando um som com bateria e baixo grandes cercados por partes de guitarra com vocais frontais e centrais com harmonias ricas. A masterização foi feita por Oli Morgan também no Abbey Road Studios em Londres, e estávamos buscando um som mais “vivo” na master.

Resposta de Shane Sowers

Kevin Casiel “so damn protected” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

1. O que deu origem à esta música? Kevin é inspirado nas baladas soul que costumavam dominar o mundo décadas atrás – você pode ouvir a alma e a emoção por trás de cada palavra em “tão protegido”.

2. O que você diz na letra? A história sônica segue um homem que está profundamente apaixonado por seu amante, mas as pressões da não aceitação dentro de si mesmo, da sociedade e de seu amante perduram por trás de cada palavra. Os ouvintes são envolvidos por sons de jazz que lembram e uma voz pura que se expande e evolui no som atual do R&B/Soul. Kevin expressa vulnerabilidade e emoção masculina em “so damn protected”.

3. Qual a mensagem de “so damn protected”? Comente também a sonoridade e arranjos do single. Kevin centra sua música em temas universais de amor e vida que ele experimentou usando seu lirismo vulnerável e voz pura, que é inspirada por lendários cantores de soul e blues e cantores modernos de R&B/Pop. Sua voz é como nuvens em um dia ensolarado, utilizando instrumentos reais como saxofone, piano, violão e violino.

Respostas de Kevin Casiel

Ask “Alone” – (Noruega) – [MINI ENTREVISTA]

– É possível um resumo sobre a música? “Alone” é para mim uma mensagem para a pessoa que você ama, neste caso alguém que pode não te amar de volta. É realista no sentido de que, quando você passa por um rompimento, há dias em que se sente bem e dias em que não. E mesmo que você tenha aceitado o resultado, ainda se pergunta se eles pensam em você. No refrão eu tentei afirmar especificamente que o amor sentido não muda se ela/ele não estiver lá, que o amor verdadeiro não significa que você tem que ser amado de volta. Então, com isso, tentei trazer luz a uma situação de outra forma obscura. 

Noya Sol“Connfident In Myself” – (Israel)

Em seu novo single, “Confident in Myself”, a cantora e compositora israelense do blues Noya Sol embarca no reggae, algo inédito em sua carreira fonográfica solo iniciada em 2019. O lançamento é potente, exalando confiança e fé. Segundo Noya, a inspiração veio das ideias de Bob Marley e outros pensadores parecidos à ele, que subestimavam a riqueza material e colocavam as realizações espirituais e pessoais do homem em destaque. Confira!

Katya Veber“Insomnia” – (Rússia) – [MINI ENTREVISTA]

Quais angustias deram origem a essa música? “Insônia” nasceu durante a pandemia em 2021, mas vem se desenvolvendo ao longo desses 2 anos cheios de notícias horríveis. De vírus mortais a crises econômicas, guerras e tumultos a desastres ecológicos – tudo isso causou uma interrupção em nossas vidas comuns. 

O que há nos versos de “Insomnia” e qual é a mensagem principal da letra? “Insônia” é um grito de alguém que se sente traído, enganado, cujo descuido juvenil foi tirado. É um hino de decepção, mas ainda assim, o final revela um vislumbre de esperança.

– Existe alguma curiosidade ou história sobre este lançamento que seja interessante estar neste espaço? Eu tenho vários fatos engraçados. Em primeiro lugar, “Insomnia” teve cerca de 5 versões diferentes antes da versão final ser criada! No começo soava mais como meu álbum anterior “Welcome to Extinction”, mas decidi experimentar e fazer algo que nunca tinha feito antes. E eu tenho  É uma mistura do som grunge underground com influências do pop rock.  Foi definitivamente um desafio, e estou feliz que finalmente foi lançado. Outro desafio foi gravar guitarras. É minha primeira música que foi gravada com guitarras ao vivo. Deixe-me dizer-lhe, se você sabe gravar guitarras de distorção, você é um gênio! Finalmente, a progressão de acordes surgiu acidentalmente quando toquei os acordes errados para “Supermassive Black Hole” do Muse. Então, obrigado, Matt Bellamy pela inspiração!

Respostas de Katya Veber

Javiere Inniss“Down” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Quais angústias deram origem a essa música? Eu me senti irracional, como se algo ruim fosse acontecer com algo ou alguém. Quando tive essas emoções, me senti fora de controle e às vezes até caótico, o que me inspirou quando estava escrevendo a música. Agora em uma situação melhor, eu queria refletir e mostrar aos outros como era passar pelas incertezas do que poderia acontecer a seguir. As linhas “não confio em mim” mostram o que se passava na minha cabeça naquele momento. Eu também era insegura comigo mesma e tinha baixa autoestima. 

– O que há nos versos de “Down” e qual é a mensagem principal da letra? A letra de “Down” provoca uma sensação sombria. Embora não pareça deprimente, as palavras são. Eu tive que ser vulnerável ao escrever as letras. Principalmente com os versos. A mensagem principal da letra é que as pessoas passam por emoções, seja você perdendo suas chaves ou a perda de alguém que você se importa e que é normal se sentir assim e isso mostra que você é humano. 

– Existe alguma curiosidade ou história sobre este lançamento que seja interessante estar neste espaço? Foi em 2018, quando eu tinha 14 anos. Minha mãe abandonou meu irmão, meu padrasto e eu e partimos para algum lugar que não sei exatamente. Eu era jovem na época, não sabia como processar o que sentia, mas sabia que sentia muito. No começo, pensei que talvez ela voltasse, mas depois passaram-se dias, meses e, finalmente, dentro de um ano, comecei a chorar sem saber onde diabos estava minha mãe e por que ela foi embora. 

Respostas de Javiere Inniss 

Soul Teller“The Train” – (Espanha) – [MINI ENTREVISTA]

  • Qual foi a inspiração para regravar essa música? Queríamos homenagear o rock dos anos 70 na Espanha e selecionamos uma música da banda LEÑO. Essa música foi um clássico na Espanha. O objetivo é ir em direção ao Rock and Soul.
  • O que a carta traz, do seu ponto de vista? A música fala sobre uma viagem de LSD. Originalmente ao ritmo do Blues e agora nesta versão ao ritmo do Rock e do soul.
  • E o som e os arranjos? O tema original foi produzido por Teddy Bautista e nesta versão os arranjos são de Kike Eizaguirre.

Penny Roox“House On The Moon” – (Holanda) – [MINI ENTREVISTA]

1) O que originou esta música? Eu escrevi essa música em uma tarde sombria, de volta ao confinamento, atrás do meu próprio piano em nossa sala de estar. Alguém que eu amo muito estava passando por um momento difícil e eu me senti triste por causa disso. A sensação de que você não pode ajudar alguém, que você não pode tirar a dor, é tão amarga. Eu precisava escrever sobre isso para tirar isso do meu peito, eu acho.

2) O que você traz nas letras? A letra de “House On The Moon” descreve o desejo de querer tirar a tristeza de alguém. Eu canto sobre construir uma casa na lua para fugir da realidade, mas logo você percebe que tirar coisas do prato de alguém também tira seu processo de crescer ou curar.

3) E os arranjos sonoros? Eu mesmo escrevi as partes do piano. Eles não mudaram nem um pouco desde a primeira demo, da qual tenho muito orgulho, porque não sou pianista profissional. Por muito tempo foi apenas uma balada de piano, acompanhada por um pouco de pedal steel, guitarra barítono e baixo sintetizado. Quando comecei a trabalhar com um produtor, adicionamos bateria programada, invertemos, colocamos um sintetizador bem sutil nos versos… etc. quando estiver com os fones de ouvido e fechar os olhos.

Respostas de Penny Roox

Smiley Mikey“I Got Water” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

1) Qual a origem desta música? Como ela nasceu? Eu sempre acordo de manhã com ideias de músicas na minha cabeça. Certa manhã, as palavras “eu peguei água” estavam na minha cabeça, e peguei uma caneta e uma folha de papel e comecei a escrever.
Todas as letras saíram, assim mesmo! Alguns dias depois, sentei-me no meu pequeno piano elétrico Yamaha e a melodia e os acordes se juntaram rapidamente. É uma música honesta – direto de emoções reais. Eu não tentei escrevê-lo. Ele mesmo escreveu.

2) Seria “I Got Water” um resgate do movimento emo dos anos 1990? O que mais se pode dizer sobre sua sonoridade e arranjos?
Os gêneros musicais nunca morrem. Eles simplesmente renascem. É assim com o emo e com o grunge. A sensação de turbulência e angústia do emo e do grunge rock realmente combinou com as letras, então é por isso que o arranjo ficou assim com as guitarras e bateria.

3) O que a letra da música traz? Qual a mensagem? A letra apenas expressa que quando tudo parece ter acabado na vida de alguém – um romance, ou mesmo a vida como a conhecemos no Planeta Terra com as mudanças climáticas e a pandemia de COVID, e uma recessão econômica e aumento do crime e da violência – o espírito humano pode permanecer forte. Ele apenas decide continuar vivendo, mesmo que tudo o que tenha são o básico da vida: água e ar. Aprende a aceitar a verdade e a ser o mais feliz possível, mesmo sem amor ou paz. Eu acho que está fazendo uma paz separada.

Patricia López – “Mar Adentro” – (Argentina)

“Mar Adentro”, composição do argentino Alejandro Riquelme e interpretada pela conterrânea Patricia Lopez, é uma canção cristã de mensagem simples, com versos em espanhol, e que exala profundidade. Podemos ler “Mar Adentro” como uma música de esperança e crença na vida eterna e na segundo vinda de Jesus Cristo. Conscientes disso, podemos entender o uso do mar como uma metáfora para refletir toda a imensidão da existência. Confira!

ka lok “Opium Boy” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– O que originou esta música? Comecei a trabalhar na música por conta própria durante o bloqueio da pandemia em 2020 porque todas as bandas em que toquei pararam de tocar juntas devido ao bloqueio. Este também foi um momento em que todo o estresse em minha vida pareceu parar. Eu estava extremamente esgotado do meu trabalho de professor e a pandemia serviu como uma pausa mental para mim. A melodia do refrão era algo que eu ficava cantarolando repetidamente uma noite e foi a única coisa que ficou depois de semanas tentando escrever alguma coisa. 

Passei os próximos dois anos aprendendo o máximo que pude sobre Ableton enquanto tentava sem rumo me tornar um compositor e produtor melhor. As palavras da música vieram lentamente até mim enquanto refletia sobre todas as coisas terríveis que aconteceram em 2020, especialmente a xenofobia contra o povo chinês. Muitas das ansiedades e frustrações que experimentei foram porque passei muito tempo nas redes sociais, vendo apenas as notícias terríveis, como asiáticos sendo agredidos em todo o mundo. Assim que entendi sobre o que estava tentando escrever, a energia e a atmosfera da música vieram naturalmente. 

O que você retrata na letra? A história geral foi um reflexo do que senti durante a pandemia. Vi tanta cobertura da violência e do racismo contra o povo chinês durante o bloqueio. Eu me senti um pouco assustada e desamparada e isso me lembrou um pouco do meu tempo no ensino médio. O título da música, Opium Boy era o apelido que os alunos mais velhos me deram no ensino médio. Era uma referência ao comércio e abuso de ópio durante os séculos XVII e XX na China. Isso era uma gíria depreciativa, e eu realmente não acredito que eles significassem muito mal, mas ainda era uma droga. 

Grande parte do conteúdo lírico se concentra nos dilemas que acabei de descrever, como ser chamado de Opium Boy. Adoro ser passiva e ser criticada porque odeio conflitos, por isso deixei os alunos mais velhos me chamarem desse nome porque pensei que significava que eles gostavam de mim. É uma pena porque essas crianças andavam por aí pensando que não havia problema em usar gírias racistas, deixando outros asiáticos na escola desconfortáveis. Já vi pessoas se machucarem ou perderem a confiança em mim porque nem sempre me levanto quando deveria. Eu quero ser amado, e às vezes é mais difícil fazer a coisa certa quando isso pode perder sua “simpatia”, o que quer que isso signifique. Não gosto desse lado meu e gostaria de me tornar uma pessoa melhor. 

Qual é a ideia do som dessa música? Aluguei um Air Bnb fora de uma cidade chamada Saskatoon em algum momento durante o bloqueio. Lembro-me de fazer muitas músicas das quais não me orgulhava. Apenas riffs genéricos, sem inspiração, que não tinham significado ou substância. Era um pouco depois da meia-noite, talvez 2 da manhã, e eu tinha ficado bastante bêbado com uma caixa de vinho tinto, e cantei essa melodia que eu tinha preso na minha cabeça. Eu empilhei um monte de vocais em cima dele, todos cantando a mesma melodia, e joguei um pouco de reverberação nele. Lembro-me de amá-lo, mas também de pensar, ninguém vai gostar disso, é muito estranho. 

Ele ficou no meu computador por meses antes de eu começar a trabalhar nele novamente. Isso foi depois que eu criei a letra e uma história por trás da música. Eu ainda amava a melodia que criei meses atrás, mas meio que odiava o fato de estar tão longe de qualquer coisa mainstream. Eu queria ser um músico indie pop legal, mas tudo que eu conseguia fazer eram essas ideias estranhas e obtusas. Demorou um pouco, mas consegui largar a obsessão de ser o próximo nativo local e continuei atrás do videogame estranho, energia épica da música de batalha. Todos os instrumentos foram gravados por mim no Ableton. Muitas palmas, cliques de aro e tambores de quadro. A maioria dos sintetizadores pesados ​​que você ouve na música vem do meu Profeta Rev2. Muitas das faixas vocais deveriam ser substituídas por chifres, mas eu as mantive, já que elas adicionavam muita energia primitiva que não era.

Respostas de Ka Lok

Dan Graham“Viareggio” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a inspiração por trás da composição dessa música? Esta é uma canção de amor inspirada em encontrar a pessoa certa na hora certa e em um lugar bonito. Visitei a cidade litorânea da Toscana de Viareggio em 2019 com minha parceira Jade. Nessas férias percebi o quanto me apaixonei e nunca quis que acabasse. 

– O que a carta retrata? As letras são assumidamente sinceras. Este foi um momento marcante na minha vida, com uma pessoa verdadeiramente especial, e eu queria que a letra refletisse isso. Às vezes você não percebe o quanto perdeu algo até encontrá-lo. Daí: “Eu não quero estar em lugar nenhum se estou sozinho”

– E o som e os arranjos? Este é um som acústico bastante despojado, que é o meu preferido. Eu gosto que os vocais e as letras sejam a peça central das minhas faixas. A música se desenvolve lentamente com camadas de elétrico, baixo e acústico, o que é sutil, mas ressonante. 

Respostas de Dan Graham

Gather No Moss – “Stray Dog Strut” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– O que inspirou a composição, tanto no sentido musical quando poético? Eu tive a ideia dessa música com os eventos atuais sobre um certo ditador… É sobre alguém fantasiando sobre aquele ditador em particular, sonhando em ser como ele e desejando que ele também caísse, apenas para torná-lo seu cachorro de rua depois seu exílio. 

– Qual a relação desta música com a Rolling Stones? A música é rock and roll direto, soando como os Stones de 1970-72 com as trompas, guitarras barulhentas e piano.Sou um verdadeiro fã dos Rolling Stones desde os 4 anos de idade. Tive a ideia de emular o som que eles tinham em Sticky Fingers e Exile on Main Street, por diversão e nostalgia. 

Ryan Langdon“Country Like You” – (Canadá)

Direto da cidade canadense Niagara Falls, o cantor e compositor Ryan Langdon apresenta seu primeiro single de 2022, “Country Like You”, uma canção autoral que une o country que flerta com o pop e arranjos sofisticados. A música retrata a história de um eu lírico que conhece seu par perfeito. Confira!

Daniel Herr“Live Without – Acoustic Sessions” – (Estados Unidos)

O cantor e compositor estadunidense Daniel Herr buscou na sonoridade de Adele e Sam Smith um caminho interessante para sua nova canção, a adorável e melancólica “Live Without”, numa versão acústica que a torna ainda mais intimista. Essa veia musical acompanha uma letra romântica, escrita pelo próprio artista inspirado num romance perdido para o acaso da vida. Confira!

Elsten Torres“Fuimos” – (Cuba)

A carreira discográfica do cantor e compositor cubano Elsten Torres iniciada em 2015 segue sua vida com um novo single, intitulado “Fuimos”, e que faz parte do próximo álbum do cara, “Nocturno”. Considerada a mais “experimental” do disco, “Fuimos” é a respeito de relacionamentos, mas com um toque de filosofia que a agracia e diferencia das demais.

“É uma conversa interna consigo mesmo sobre o que o relacionamento já foi e poderia ter sido. Uma análise pessoal onde os fatos do ocorrido são observados com sabedoria. É uma música sobre aceitação que carrega consigo alguns arrependimentos com o conhecimento de que tudo tem um começo e um fim.”, diz o comunicado de imprensa. No âmbito sonoro, o artista descreve-a como “uma viagem desenhada em tecnicolor, que é um circo melancólico e engraçado ao mesmo tempo”.

“Fuimos” está mais do que indicado. Confira!

Alien Surf Girl“Euphorie” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Como foi criada esta canção? A canção foi escrita na nossa sala de ensaios em Hamburgo, Alemanha. Escrevemo-lo todos juntos. Philipp escreveu a letra da canção. A canção foi escrita no Outono e queríamos captar o estado de espírito que o Verão está a chegar ao fim. Energético e ligeiramente melancólico.

– O que traz à letra da letra? “Euforia” diz a ambiguidade do amor e da intoxicação, sendo os dois muito próximos. Aborda o amor enganador e os sentimentos honestos. Trata-se de dopamina, intoxicação, pura felicidade. Ou há mais alguma coisa?

– E quanto ao som e aos arranjos? Musicalmente, “Euphorie” move-se entre as linhas de baixo groovy à la Parcels, as cordas da discoteca cativante e os vocais de bom gosto ao estilo de Falco. Tudo é mantido unido por uma ranhura estaladiça de 4 sobre o chão.  

Matt Basile“In a Lonely Place” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que originou esta música? Certa noite, tive problemas para dormir e comecei a assistir a um filme antigo de Humphrey Bogart de 1950 chamado “Em um lugar solitário” sobre um escritor de cinema em dificuldades. É um filme fantástico… recomendo muito. Humphrey é incrível e, para mim, é uma de suas melhores atuações. 

– O que você traz na letra? Enquanto o título e a letra do primeiro verso emprestam um pouco do diálogo do filme, a história nesta música é para mim muito pessoal, mas como está escrita, bastante aberta à interpretação, eu acho. Pode ser uma criança, um amante, ou até mesmo um amigo, qualquer pessoa ruminando sobre um ciclo de abuso, ou negligência e solidão e isolamento, resultantes de reviver esse tipo de trauma repetidamente em sua cabeça.

– O que você pode dizer sobre os arranjos sonoros? Musicalmente eu queria representar essa ideia cíclica… os padrões na vida de uma pessoa onde ela está revivendo o mesmo momento. Escolhendo um padrão simples de três acordes com um acorde para dois compassos cada, fez um loop de 6 compassos como a cama harmônica. A melodia vocal aterrissa de uma maneira que é mais como um padrão de quatro ou oito compassos, então espero que tudo pareça um pouco desconfortável ou, novamente, como se a música estivesse apenas girando em círculos por baixo da história. No topo de tudo isso está a fantástica performance de trompete de Michael Leonhart (Steely Dan, Bruno Mars, David Byrne) que realmente rouba o show, de uma maneira excelente. Antes de gravar, eu disse a ele que estava pensando na gravação clássica de “Ring Of Fire” com Ennio Morricone, e acho que é seguro dizer que ele acertou em cheio! 

The Masterminds“Beautiful Thing” – (Estados Unidos)

Em atividade discográfica desde abril de 2017 quando lançou seu álbum de estreia, a banda estadunidense de pop rock The Masterminds apresentou neste 2022 seu novo single, o encantador “Beautiful Thing”. A música é uma porrada de boas vibrações, sendo um lembrete de que ainda há alegria, paz e esperança na vida, ainda que tenhamos que conviver com o caos e com os desafios terrestres. Confira!

Luke Warm and The Cold Ones“Paradise Lost” – (Canadá)

A banda Luke Warm and The Cold Ones, sediada em Ontário (Canadá), dá sequência a sua trajetória fonográfica, que se iniciou em 2019, com o single “Paradise Lost”, escrito pela vocalista Greg Chomut. A música surgiu após uma visita da artista a um amigo que há tempo não o via. A letra, que parte deste momento e da ideia de “cuidar do que você tem antes que seja tarde demais”, chega por meio de uma sonoridade alternativa e folk rock, e melancólica ao ponto de nos causa reflexões, muitas reflexões.

Consideramos importante recomendar que você escute!

Foxx Eastmountain “Afraid” – (Suécia)

A banda sueca-finlandesa Foxx Eastmountain, agora com este nome, já tem quatro álbuns lançados, sendo que, em 2020, foi entregue o mais recente, intitulado “Limits”. Os trabalhos colocaram nas pistas digitais um som inspirado no rock n roll, fragmentado em subgêneros como o hardcore e punk especialmente, mas também com espaço para outras ideias neste sentido.

Neste turbulento 2022, a Foxx perpetua sua linha musical com a chegada do single “Afraid”, que trata da necessidade de mostrar o nosso “verdadeiro eu”. Veja o que o release enviado à imprensa diz a respeito: “Não deixe que sua baixa auto-estima ou o ciúme de outras pessoas tirem seus sonhos futuros. Na arte e na vida é importante destacar sua personalidade e deixá-la brilhar! A música é uma música baseada em Rock com um refrão melódico ainda enérgico para cantar junto enquanto bate cabeça!”

A canção, que faz parte de um novo disco ainda não revelado, está disponível nas plataformas de streaming e também em clipe no Youtube. Confira!

Fiona Joy Hawkins“Falling (Twin Peaks Theme)” – (Australia) – [MINI ENTREVISTA]

REVISTA – Fale sobre a versão original da música e o que ela representa para você e para o mundo. Falling (Twin Peaks Theme) foi o tema de uma das minhas séries de TV favoritas “Twin Peaks”. Foi também um livro (eu li duas vezes) e um filme e me leva de volta à minha adolescência em um internato em Sydney.

Eu amo o diretor (e co-escritor da música) David Lynch. Seu trabalho é muito diferente em um sentido criativo e sua exploração de todos os aspectos do cinema e da arte é excepcional.

Quando penso em Twin Peaks, isso abre um buraco de minhoca através do qual posso viajar de volta através de minhas memórias para o que estava fazendo e onde estava durante esse tempo. É como cheirar a grama verde da primavera e então viajar de volta naquele instante para um momento de estar sentado em um pasto à beira de um rio. 

Twin Peaks foi uma série que teve um culto de pessoas que assistiam religiosamente e viviam vicariamente cada episódio. Eu tinha vinte e poucos anos na época e assistia toda semana para ver se a história se desenrolaria e contaria todos os seus segredos. Em última análise, Twin Peaks é exatamente isso – segredos.

– O que você trouxe de especial em sua versão? A música foi interpretada por Julee Cruise e seguiu a mesma estética estranha e mundana da série de TV. Gravei em um piano Steinway B de 85 teclas de 1800 na Blue Coast Records com o produtor Cookie Marenco. Eu queria manter a sensação de outro mundo enquanto introduzia alguma delicadeza de piano solo.

– Por que você sentiu a necessidade de gravar essa releitura? Gravei ‘Falling’ porque Julee Cruise faleceu recentemente, e isso me deu inspiração para recriar a música em sua memória. Minha peça solo para piano presta homenagem à sua maravilhosa interpretação da música. 

Mark Hamilton“Help!”

O clássico “Help!”, da banda The Beatles, é alvo de releitura do cantor Mark Hamilton. Ele vem, há algum tempo, apresentando seu novo projeto, onde a ideia é fazer um cerco ao redor da conscientização sobre a saúde mental. A versão de “Help!” encerra esse ciclo e chega junto ao álbum completo de convers.

“Faço covers de músicas de músicos que se perderam cedo demais para o suicídio e o abuso de drogas. Ao reimaginar essas músicas inspiradoras, espero mostrar às pessoas que estão sofrendo que não estão sozinhas e que há uma enorme comunidade de pessoas estendendo as mãos.”, diz Mark.

O lançamento é a sequência de uma carreira iniciada em 2020 com o single “One More Light”. O cara é escutado por mais de cinco mil pessoas mensalmente no Spotify. Com esse público fiel, pode ser que este disco chegue onde ele quer!

Magz“I don’t like you at night” – (Estados Unidos)

É uma música triste, principalmente no quesito poético. A letra retrata uma história de amor, mas que tem como barreiras o vício em drogas de quem se ama. “Amar alguém é difícil, mas amar um viciado é mais difícil”, diz a cantora e compositora desta canção, a artista Magz.

“Eu não gosto de você à noite” (tradução do título) é o segundo single de Magz, ela que estreou em 2020 com a canção “Sorry”. Você provavelmente não perderá seu tempo se ouvir essas duas músicas.

Confira!

Femegades“Big Plans” – (Reino Unido)

A banda londrina Femegades colocou no mundo recentemente seu novo single, “Big Plans”. Definido como um grupo de rock alternativo que flerta com outros ritmos, a nova canção traz algumas coisas do lo-fi e do punk, o que nos coloca diante de memórias de bandas como X-Ray Spex e The Slits.

“Grandes Planos” (tradução do título) faz parte do segundo EP da banda, “Not All Men”, que deverá ser lançada em breve. Enquanto isso, o público pode experimentar outros singles e um EP lançados. Tudo disponível no perfil da banda nas plataformas de streaming. Confira!

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.