23 de junho de 2024
Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #21 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 21ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

 Teresa Bergman – “Nearly You” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiro, apresente-se! Eu sou Teresa Bergman – uma musicista de Wellington Nova Zelândia. Eu me mudei para Berlim com apenas meu violão e uma pequena mochila há 12 anos e nunca mais olhei para trás. Eu toco uma mistura de jazz, folk e pop. Meu último álbum, ’33, Single and Broke’ eu escrevi e produzi durante a pandemia.

 – O que ” Quase Você ” nos diz? Qual é a sua mensagem? Eu escrevi ‘ Quase você ‘ depois de um rompimento inesperado – em meus trinta e poucos anos. Acho que as separações têm um ‘peso’ diferente como mulher neste momento da minha vida. A pessoa que eu amava não estava pronta para dar o próximo passo e partiu inesperadamente. Essa música foi parte do meu luto, deixando ir e aceitando isso.

 – Por que gravar a capela? Na verdade, não é uma capela. É uma sala de gravação orquestral em uma grande estação de rádio em Colônia, Alemanha. Eu tive a chance de fazer uma sessão de gravação ao vivo lá. Cantei essa música no estúdio em Berlim também – mas gostei do ambiente da sala em Colônia – então escolhi essa versão. Sem cortes, basicamente sem edição – simplesmente é.

– Existe alguma história ou curiosidade sobre o lançamento? Originalmente, eu queria fazer um arranjo vocal mais intrincado – na verdade, eu o organizei com 5 partes de harmonia em minhas demos. Mas depois que gravei o vocal principal, achei tão bonito e vulnerável como uma única voz que deixei. Um fato divertido sobre o novo álbum é que ele começa com a música ‘Swallow’ apenas com minha voz acapella e termina da mesma forma com ‘ Nearly You ‘ – eu gostei da sensação de ‘círculo completo’ disso.

 Respostas Miriam Busse/Agente de produção

Furio Grace – “Wheels of Time” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Fale um pouco sobre você, apresente-se? Olá! Daqui é o Christopher. Somos uma banda de rock oriundos da Alemanha. Juntámo-nos no meio da pandemia e aproveitámos o tempo livre que tínhamos para gravar algumas canções. Lançámos recentemente “Wheels of Time” que é o segundo single do nosso EP “Autumn Daze” que sairá no dia 18 de novembro. Somos 4 pessoas que têm backgrounds musicais diferentes, mas que encontram gostos comuns em bandas como os Led Zeppelin, Queen, Nirvana, Pearl Jam e os Beatles, sendo que as nossas influencias vão desde os anos 70 até aos anos 90. Ainda assim não queremos emular ou copiar um certo estilo ou era em particular. Quando compomos uma canção tentamos apenas que as coisas se desenvolvam naturalmente. Quando ensaiamos ou simplesmente estamos em casa uns dos outros a trocar riffs com estruturas de acordes simples, deixamos que as coisas fluam a partir daí. Os backgrounds diferentes que cada um de nós tem, tornaram se um aspecto positivo e que traz diversidade à composição musical. Por isso é que o nosso segundo single, “Wheels of Time” é bastante diferente do primeiro, “Call me King” e por isso também que o nosso EP tem uma mistura agradável de diferentes influências. Adorávamos que dessem uma espreitadela na nossa música e podem sempre contactar por email furio.grace@outlook.com ou pelo instagram @furio_grace.

– Texto e mensagem de “Rodas do Tempo” Daqui é o Daniel! Às vezes temos aquela sensação de que tudo está perfeito, a nossa vida encaixa perfeitamente, encontramos amor e felicidade e tudo está na sua ordem perfeita. A verdade é que tudo acaba por ser temporário e que o caos é parte do jogo. As rodas do tempo ou Wheels of Time estão sempre a girar para a frente e a mudança está sempre inerente. Não nos podemos preocupar muito com isso ainda assim. Devemos esperar essa mudança, tomá-la como garantida e tirar daí a nossa força. O amor, por exemplo, não é estático visto que as pessoas mudam. Tanto nos momentos bons podemos esperar mudanças como nos momentos maus quando os corações acabam por esfriar. As rodas do tempo giram em frente e esses momentos irão mudar também. Se aceitarmos isto, será mais fácil de gerir as emoções como o amor por alguém especial.

– Som e instrumentação de “Wheels of Time” Christopher: No single “Wheels of Time” tentámos atingir um som mais retro, soft-rock bastante inspirado nos anos 70. Tínhamos as guitarras elétricas e acústicas bem como os baixos gravados em demos, mas sabíamos que a canção ia mesmo ganhar vida no estúdio. Dividimos a canção em duas partes, sendo que a primeira tem um build-up mais calmo com as guitarras elétricas e acústicas juntamente com um piano Rhodes a dar a base melancólica e a acompanhar as vozes principais. Durante esta primeira parte o baixo e os elementos todos de percussão também são adicionados aos poucos. A meio da canção alteramos um pouco o ritmo e acrescentamos a bateria bem como alteramos a dinâmica do baixo. É aqui que entra o nosso solo de várias guitarras em crescendo e que se vai desvanecendo com vários sons até um outro mais leve e melódico.

Respostas Christopher/Daniel

Pablo Santé – “Puntos Medios” – (México) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiro, apresente-se. Ou o que você diz da letra de ” Puntos Medios “? Qual é a sua mensagem? A letra fala sobre um mundo dividido e sugiro procurar as coisas que nos unem ao invés das que nos separam.

– Como foi ou quando você compôs essa música? Essa música foi escrita depois de ouvir uma entrevista de Jorge Drexler na qual ele disse que estamos continuamente nos brancos dos negros, esquecendo os cinzas no meio. Imediatamente comecei a escrever a música e à noite terminei com alguns amigos.

– Existem histórias ou curiosidades interessantes sobre o lançamento? Estou postando vídeos tocando essas músicas com instrumentos feitos por mim.

Respostas Pablo De Esesarte Pérez

Chancy Squire – “Dark Wall of Berlin” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Quem somos nós? Olá, eu sou Klaus, cantor/compositor da banda CHancy Squire. Todos os membros da ban dare de Hamburgo, Alemanha. Definimos nosso estilo musical como uma mistura de rock melódico, pop rock e novo país. Por ocasião do aniversário da queda do Muro de Berlim, CHANCY SQUIRE lança seu excepcional vídeo musical “DARK WALL OF BERLIN” na versão em longa-metragem no YouTube e inicia o lançamento do single em 9 de novembro de 2022. Finalmente, o Muro de Berlim e sua história sombria e indizível agora recebe um monumento capturado em música rock, “uma viagem através do tempo”. Desta vez, a banda quebra deliberadamente a fórmula padrão de três minutos e dá um pouco mais de tempo para reflexão além da doutrina pop-musical.

O que diz a letra de “Dark Wall Of Berlin”? Qual é a sua mensagem? “Dark Wall Of Berlin” é um flashback de tempos atrás, é “uma viagem através do tempo” para afirmar que a construção do Muro de Berlim nunca deve ser esquecida como um conto de advertência e símbolo do lado obscuro do poder. É a memória de um sistema de completa opressão, de falta de liberdade e de paternalismo! A história torna-se uma emocionante obra rupestre do aniversário anual da queda do Muro de Berlim, como uma homenagem à esperança de um mundo melhor, uma declaração para nunca desistir mesmo em tempos difíceis.

 – Existe alguma história interessante para este lançamento? Todos os membros da banda cresceram com o terror e o medo criados pelo Muro de Berlim. A música foi escrita há mais de 40 anos, costumávamos tocá-la em concertos no início dos anos 80 com grande sucesso. Depois, por um longo período de tempo, foi esquecida e ressuscitada com a produção do 2º álbum do Chancy Squire “Here We Go Again”. Ainda agora decidimos lançar uma versão curta de “Dark Wall Of Berlin” como uma edição de rádio.

Respostas Klaus, cantor/compositor da banda

 

The Summer Fruits – “Say Good Night to Alice” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, se apresente aos nossos leitores! Olá, somos The Summer Fruits e estamos sediados na cidade de Nottingham, no Reino Unido, que é mais conhecida graças ao retrato de Hollywood de nossa lenda local Robin Hood.

– O que a letra deste single nos diz? Qual sua mensagem? Nossa música ‘Say Good Night to Alice’ é sobre paixão. Conta a história do amor do cantor se apaixonando por uma nova garota na cidade chamada Alice. A música é o cantor dizendo a ele que ele está sendo irracional e ele deve escolher entre ela e Alice.

– Quais são seus comentários sobre a sonoridade e arranjos da música? A vibração é baseada em uma batida aleatória que conduz a música e a tensão é construída através de um conjunto de mudanças de tom ascendentes. Gostamos de incluir um solo instrumental e nesta música é feito pelo violão, também adicionamos um pouco de sax alto no último refrão para adicionar mais interesse.

Respostas de The Summer Fruits

Michael Del Brown – “Farewell” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, se apresente! Meu nome é Michael Del Brown, letrista e premiado autor-poeta-músico.

– Comente sobre “Farewll” de uma maneira geral. O que é esta música? The Song Farewell é uma música otimista sobre o fim de um relacionamento e o sentimento geral que pode percorrer toda a gama de emoções, dependendo da natureza do relacionamento e dos indivíduos envolvidos. A música é uma batida fácil de ouvir e bater os pés; Quente e memorável.

– Há alguma temática por trás do som? Alguma ideia lírica? Este é um instrumental com uma sensação natural que permite ao ouvinte sentir qualquer vibração lírica emocional que os conecta à música.

              Respostas de Michael Del Brown

Radio Anywhere – “Zombies” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– O que ” Zombies ” nos diz? Qual é a sua mensagem? Estamos vivendo em um mundo de mudanças drásticas, mudanças climáticas e a primeira de X pandemias. Continuamos tricotando o lado escuro para ver o que poderia acontecer não cuidamos. “Zombies” dá uma ideia de como pode ser voltar para casa e encontrar tudo como  se as almas do mundo inteiro tivessem sido queimadas .
– Comente sobre o som e arranjos do single. O que há de especial nisso? 
“Zombies” consiste em sons épicos, riffs de guitarra retos (quase como Black Sabbath) com um baixo completo em combinação com bateria seca e firme. Vocais honestos, mas esperançosos, completam esta obra de arte apocalíptica. Essa música permite que você mergulhe em um apocalipse zumbi muito mais abrangente do que apenas três instrumentos sugeririam.

Respostas Sebastian Ziemann

Chico Harpo – “A Thousand Zillion Hundred Dollars” (70’s Version) – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que do single nos diz? Qual sua mensagem? A música é sobre finalmente encontrar um amor que é mais valioso do que qualquer quantia de dinheiro e saber o quão precioso é esse tipo de amor.

 – Quais são suas considerações sobre a sonoridade e arranjos da música? Para a produção e arranjo da música, eu queria uma vibe de rock suave dos anos 70 como Harry Nilsson com grandes cordas românticas e metais quentes sobre uma seção rítmica apertada. Eu queria que o ouvinte me visse de gola rulê verde e bigode cantando.

Respostas Chico Harpo

Serpolla – “IDRCTM” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se! Meu nome é Cameron Medina e sou um artista musical independente americano mais conhecido como Serpolla. Nasci e cresci em Santa Bárbara, Califórnia, onde me inspirei nas praias e na natureza ao meu redor. Minha formação me ajudou a desenvolver um estilo de música pop acústico, psicodélico e indie. Atualmente sou estudante universitário na California State University, Chico.

– O que diz a letra de “IDRCTM”? Qual a mensagem dela? Qual o seu contexto de nascimento? Escrevi IDRCTM (realmente não me importo muito) em janeiro de 2022, quando tive Covid-19. Eu estava obcecado com a ideia de escrever uma música sobre viver o momento em vez de me debruçar sobre o passado ou o futuro por vir. Essa música é uma mensagem dizendo que eu realmente não me importo com o que acontece no futuro, desde que eu esteja feliz e vivendo a vida ao máximo. Gravei a música inteira do meu estúdio em casa no período de 48 horas.

– O que você pode dizer sobre a sonoridade/arranjos da música? IDRCTM é uma música pop rock indie/alternativa. Há um padrão de bateria consistente em toda a música e uma melodia de sintetizador memorável, bem como várias camadas de guitarra e efeitos vocais difusos. As vibrações da música incluem enérgica, edificante e animada.

Respostas Serpolla

FARA – “BEACHSIDE” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– Que história você conta na letra de ” BEACHSIDE “? Existe alguma mensagem central? Esta é uma música que escrevi sobre um relacionamento passado e relembrando os tempos passados ​​com ele, ” Beachside, Moonlight, me and you together baby”. Como alguém pode te amar com tanto amor no coração e sem hesitações, sem complicações. Estando na praia, na água, você não sente nada além de paz. E quando há amor ao seu redor, é ainda maior! É também um lembrete para valorizar os bons momentos e viver o momento. 

– O que você pode dizer sobre o som e os arranjos do single? BEACHSIDE é uma faixa R&B Soul. Tem um ar dos anos 90. A vibração e energia da música é enérgica, feliz e romântica. Escrito para uma produção de Jonny Tobin, que esteve em playlists como BUTTER, Mood Ring, Fresh Finds e Nu-Funk. Jonny usou sintetizador e samples para criar a música. É uma obra-prima por si só. Você pode segui-lo @jonnytobinmusic nas plataformas sociais!

– Existe alguma história relevante ou curiosidade sobre o lançamento? Esta foi uma colaboração muito divertida e foi a nossa primeira vez. Atualmente, estamos gravando o videoclipe e lançaremos uma versão malaia para a Ásia em breve!

Respostas Fara

Fields and Waves – “Woman and Man” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

 – Primeiramente, se apresentem aos nossos leitores? Oi pessoal! Meu nome é Bernie Durfee e componho, toco e gravo música há mais de 30 anos. Música não é meu trabalho diário, mas é minha paixão com certeza. Eu toco vários instrumentos diferentes, mas o baixo é o meu favorito. A banda Fields and Waves é meu projeto e sou o único membro em tempo integral… por enquanto. 🙂 Esta faixa faz parte de um álbum conceitual completo que contará uma história do começo ao fim. É um pouco de uma história de amor de ficção científica sobre um casal que se conhece, se apaixona e foge para o espaço.

– O que a letra deste single nos diz? Qual sua mensagem? Woman and Man é a segunda faixa do álbum. É uma música de verão otimista que fala sobre um homem que está um pouco perdido na vida conhecendo uma mulher que lhe mostra como encontrar seu caminho. Eu queria que essa música fosse simples, adorável, cativante e edificante. Acho que todos nós às vezes sentimos que queremos escapar, essa música é o ponto de virada no álbum. Não podemos entrar na água, não podemos ficar na terra… vamos sair daqui e ir para o espaço!

– Quais são seus comentários sobre a sonoridade e arranjos da música? Eu escrevi e compus todas as músicas, mas contratei músicos profissionais para tocar em todas as faixas. Esta faixa em particular apresenta Dan Konopka na bateria e produção, Gene Micofsky nas guitarras e teclas com o espetacular Eric Downing e Molly Johnston cantando um dueto. Trabalhar com este grupo de músicos ultratalentosos e profissionais tem sido maravilhoso. Todos deram o seu melhor para a música e acho que a produção em geral é fantástica!

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre o lançamento? Toda a colaboração foi feita online com Dan Konopka coordenando as sessões e fazendo a mixagem final e masterização. Enviei uma demo aos músicos e discutimos como eu achava que a música deveria soar. Eles então adicionaram suas partes e discutimos um pouco mais para chegar à versão final. Trabalhar remotamente foi desafiador e eu adoraria sentar no estúdio para a gravação, mas trabalhar online era muito mais fácil, já que todos estavam localizados em todos os lugares. Demorou algumas semanas para terminar cada faixa, com alguns ajustes e retomadas aqui e ali.

Respostas Bernie Durfee

Edging – “Post People” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se. Eu sou Will, o guitarrista e vocalista da banda Edging. Misturamos post punk e no wave, em um novo som selvagem. Vocais ferozes apoiados por um sax ardente e guitarras psicodélicas//distorcidas viajam por seus ouvidos e derretem em seu cérebro. As músicas cativantes e rápidas de 2 minutos deixam o ouvinte desejando mais e esse é o ponto de Edging. 

– Quais são as letras da música? Não é bom ter uma visão? trabalhando através das estações,
arranhando o sentimento. bate-me como massa, estende-me sobre a mesa e queima-me a pele. você não pode ver isso? meu cérebro está cheio de merda. boca vomitando impressões,
moldando as mãos. moldando o caminho. entrar ou sair. essa é a maneira de trabalhar através do meu cérebro. sua mente ociosa é incontrolável

– O que a música nos diz? A música Post People é sobre estar cansado de relacionamentos insatisfatórios e se sentir desvalorizado. Sentir-se criativo, mas sem apoio é um lugar difícil para um artista e muitas vezes me sinto preso nesse mundo. É difícil se segurar quando parece que ninguém mais o faz. 

– Quais são seus pensamentos sobre o som? Nosso som está sempre evoluindo. Essa música carrega uma melodia cativante enquanto sustenta nossa grande energia. Preencher o espaço sem super povoá-lo é algo que nos esforçamos para alcançar. Trabalhar com o engenheiro Evan Bernard da Filadélfia foi incrível para nós porque ele entendeu como soamos ao vivo e traduziu isso perfeitamente para as gravações de estúdio. 

– O que as pessoas do Post dizem sobre o nosso álbum? Esta música é o primeiro single do nosso álbum que será lançado em breve intitulado “Good Sex Music”. O disco é o mais compacto que já soamos e Post People é o vislumbre perfeito do que o ouvinte está se metendo ao ouvir Edging. Recheada de riffs cativantes e baixo intenso, essa música mostra nosso crescimento e para onde estamos indo. 

Respostas Will

Magenta Horizon – “Disintegrated Man” – (Rússia) – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra da música? Qual sua mensagem? As letras são sobre uma pessoa se sentindo muito estressada e ansiosa por causa dos eventos e circunstâncias globais sobre as quais ela não tem controle.

 – Como foi o momento de composição? Vários meses atrás, tive uma vontade de escrever algo assim

 – Falem sobre o clipe. O videoclipe é um vídeo DIY filmado no meu apartamento. Inclui imagens relacionadas às letras geradas por inteligência artificial.

 – Fale sobre a banda. Somos uma banda amadora de São Petersburgo.

               Respostas Magenta Horizon

Mike LaBianca – “Let It Go” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra? Qual é a sua mensagem?  “Let It Go” foi escrito da perspectiva de alguém que passou da infância para a idade adulta e está percebendo o quão estressante pode ser ser um adulto no mundo de hoje. Há tantas coisas para se preocupar: sua saúde, sua carreira, sua família, seu futuro – pode ser extremamente esmagador. A letra começa reconhecendo as pressões de ser um adulto e, em seguida, exorta o ouvinte a tentar relaxar e deixar tudo ir– tentar lembrar como era ser uma criança sem se importar com o mundo, quando o mundo era alegre e cheio de promessas. É muito importante para todos nós encontrarmos tempo para nós mesmos e nossas paixões em meio ao caos. Espero que esta mensagem seja catártica e terapêutica para todos que estão ouvindo!

 – Como foi o momento da composição? Eu escrevi “ Let It Go ” tarde da noite no meu estúdio caseiro no meu violão Taylor GS Mini-e. Eu estava me sentindo estressado com o trabalho e minha família a semana inteira antes de escrever a música e me senti compelido a pegar meu violão e escrever uma música naquela noite de sábado que captasse o que eu estava sentindo. A música inteira saiu, letra e tudo, em apenas alguns minutos – começando com a frase “É preciso muito para reconhecer o que você tem – é muito mais fácil ver o que você não tem”. A partir daí, o resto da música caiu como que por mágica. No final da noite, me senti aliviada e revigorada! 

– Quais são seus pensamentos sobre o som do single? Eu trabalho em todas as minhas músicas com meu amigo e produtor, Pete Rizzo. Quando eu escrevi essa música, ela deu a nós dois uma sensação bem “Rock dos anos 90”, com os vocais lembrando grandes bandas como Toad the Wet Sprocket. Nós dois amamos esse som – algumas de nossas bandas favoritas são daquela época, como Gin Blossoms e REM – então decidimos explorar um som dos anos 90 para o single, completo com um riff de guitarra de abertura e camadas harmonias no refrão. Minha única regra quando se trata de produzir minhas músicas é que elas precisam acabar soando como o tipo de música que eu pessoalmente gosto de ouvir, e acho que “Let It Go” bate muito bem! 

– Apresente-se! Meu nome é Mike LaBianca , e sou um cantor e compositor que escreveu mais de 400 músicas nos últimos 25 anos. Eu sou originalmente de Long Island, Nova York, mas agora estou morando na ensolarada Los Angeles com minha esposa e dois filhos. Enquanto escrevo músicas desde que aprendi a tocar violão no final dos anos 1990, só comecei a gravar e lançar músicas no início de 2020, começando com o lançamento do meu álbum, “Learn to Fly”. Considero-me muito sortudo por ter conhecido meu amigo/produtor Pete Rizzo (nossas filhas se tornaram amigas na pré-escola), pois somos a combinação perfeita – escrevo as músicas, canto todos os vocais principais e harmônicos e toco violão, enquanto Pete produz e toca bateria, baixo, teclado e todos os tipos de outros instrumentos (incluindo guitarra solo em “Let It Go”!) Escrever música é minha paixão e pretendo continuar gravando e lançando músicas enquanto eu for fisicamente capaz! 

Respostas Mike La Bianca

Marína Ósk“Ástarorð í eyra (Bossa Antigua)” – (Islândia)

A islandesa Marina Ósk é uma cantora de jazz que, no meio do caminho, acabou se apaixonado pela Bossa Nova. Assim, conheceu “Ástarorõ Í Eyera War”, uma canção composta pelo saxofonista americano Paul Desmond, que deu ao som o nome de “bossa antígua”. Empolgada, Marina deu uma letra à música e seu próprio fazer artístico a ela.

É o que vemos em seu novo single, lançado neste 4 de novembro de 2022. A faixa, que foi gravada em Estocolmo em 2021, tem a participação do guitarrista conterrâneo Mikael Máni Ásmundsson e do contrabaixista sueco Johan Tengholm. Confira!

Alba James“Light On Your Face” – (Suécia) – [NIMI ENTREVISTA]

– Apresente, de uma maneira geral e condensada, o que é “Light On Your Face”.  Light On Your Face ” é uma música sobre meu relacionamento com meu parceiro, e como todos os dias eles estão aprendendo a expressar seus sentimentos e se libertar de um padrão tóxico de masculinidade. É uma música sobre deixar ir e confiar um no outro. E está cheio de instrumentos, o que é legal. Gravei e produzi no meu home studio.

– Por que a ideia de dar protagonista ao ukulele nesta gravação? O ukulele é meu instrumento favorito. Eu sou muito pequeno, então a maioria das guitarras parece grande demais para mim! Com um uke, posso tocar facilmente, levá-lo para todos os lugares. E o mais importante, eu gosto de sentir as vibrações do instrumento no meu peito, pois você pode tocá-lo bem perto do seu coração.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre o lançamento? Uma pequena citação de um dos meus livros favoritos está escondida em algum lugar da música! Você pode encontrá-lo?

Respostas Alba James

Beige Banquet“Acid Bath” – (Reino Unido)

Recentemente, o som da banda londrina Beige Banquet, expoente do punk rock, foi ouvido por públicos do Reino Unido, França, Alemanha, Bélgica e Holanda, numa turnê especial. Após isto, o grupo retorna às plataformas de streaming neste novembro de 2022 com a chegada do single “Acid Bath”, que, se traduzirmos o título, chegamos em “Banho de Ácido”.

A Beige Banquet está em atividade fonográfica desde 2020, que, apesar do tempo curto, foi suficiente para lançar três singles, um EP e dois álbuns. Todas as canções lançadas até então são agora expandidas com a chegada deste novo single. “Acid Bath” é a primeira gravação de estúdio com banda completa e a primeira amostra do segundo EP do conjunto, homônimo à esta faixa.

Larry & Joe – “Caballo Viejo” – (Venezuela e Estados Unidos)

“Caballo Viejo” é considerada pela opinião pública como uma das músicas venezuelanas mais conhecidas e amadas de todos os tempos. Interpretada, composta e gravada pelo venezuelano Tio Simón Díaz em 1980, a música é sobre um cavalo idoso e cansado condenado a viver num pasto com seus dias contados, mas, sem aviso prévio, é atacado pelo amor e se enche de fervor, fazendo-o novo e selvagem. A história de “Caballo Viejo” pode ser interpretada por vários ângulos, o que a torna metafórica e mais especial.

“Caballo Viejo”, devido ao seu sucesso, já foi relida por outros artistas. Neste 2022, foi a vez do duo Larry & Joe fazerem, ao seu modo, a releitura deste clássico. “Para mim, ‘Caballo Viejo’ é mais que uma canção, uma bandeira da música llanera venezuelana. E agora com este novo arranjo entrelaçado entre as cordas do banjo e da harpa, ele assume uma nova identidade que une dois folclore tornando-o um só.”, diz Larry. Seu parceiro, Joe, também comenta: “‘Caballo Viejo’ marca o início do meu estudo sério da música folclórica venezuelana, minha primeira tentativa de traduzir as línguas lhanera harpa e cuatro para o banjo de 5 cordas. Aprendi muito sobre os conceitos harmônicos, rítmicos e melódicos venezuelanos com essa linda música!”

Atualmente sediado no Triângulo da Carolina do Norte, o duo de multi-instrumentistas e cantores-compositores Larry & Joe faz com sua versão de “Caballo Viejo” a sua estreia nas plataformas de streaming. A releitura nos diz muito das propostas musicais da dupla. Devemos, sem dúvidas, acompanhar de perto a evolução deles.

Kelsi Creek – “How Long” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Kelsi, primeiro, apresente-se aos nossos leitores! Meu nome é Kelsi, sou uma cantora e compositora originária da Louisiana, mas atualmente baseada em Austin, Texas. Comecei tocando música profissionalmente viajando pelo país no meu Honda CRV, tocando em mais de 200 microfones abertos no processo. Faço parte da cena musical de Austin desde 2019 e desde que cheguei tenho me apresentado pela cidade, colaborando com artistas locais. Quando não estou tocando música, gosto de pintar, passear com cães, experimentar novos restaurantes e assistir a apresentações de meus amigos pela cidade. As raízes da minha música apresentam um casamento não convencional de estrutura pop, vocais soul e música com influências de rock e hip-hop. Eu tenho um estilo rítmico de tocar com vocais poderosos e emotivos, e adoro escrever músicas cativantes que imploram para você cantar junto. Minha música é vulnerável e sincera enquanto ainda evoca uma vibração divertida e otimista. Recentemente, lancei meu EP, “Becoming”, em todas as plataformas de streaming e estou ansioso pelo que vem a seguir!

O que “quanto tempo ” nos diz? Qual é a sua mensagem? Essa música vem de um lugar suave no meu coração porque fala sobre minhas lutas pessoais com minha saúde mental. Parece poderoso porque envia uma mensagem de que você não está sozinho.

Que ansiedades fizeram você escrever a música? Em que contexto surgiu? Escrevi essa música durante a pandemia, quando estava lutando contra longos períodos de depressão. Havia dias em que sair da cama parecia uma tarefa monumental demais, e raramente me sentia eu mesma. Durante esses momentos, muitas vezes senti uma sensação de desesperança e me perguntei quanto tempo levaria para voltar ao normal e se algum dia me encontraria novamente.

Quais são seus comentários sobre o som e os arranjos da música? Escolhi um estilo acústico para “How Long” porque parecia gentil da maneira que a profundidade das minhas emoções exigia. Na música, você ouvirá um som em que eu uso parte da minha mão no violão para imitar uma batida leve. A batida suave ecoa um batimento cardíaco, e os vocais ofegantes evocam o silêncio de estar deitado na cama, ouvindo os sons lembrando que você ainda está vivo.  Apesar da natureza triste e saudosa das letras, sinto que o som e o arranjo dos instrumentos são mais otimistas. O som mais brilhante da música é sombreado pelas palavras, que refletem a maneira como a depressão pode impedir que a esperança brilhe na escuridão. 

Respostas Kelsi

Bret Nybo – “Deja Vu” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, peço que se apresente! Olá Além BR. Meu nome é Bret Nybo. Sou um novo compositor/produtor, mas ao mesmo tempo não sou exatamente jovem. Sempre gostei de música, e desde que cheguei a um ponto da minha vida em que tenho um pouco de tempo extra… entrei no estúdio. Meu novo álbum, “Life Revisited”, é na verdade um remake do meu primeiro álbum, “Life and Other Twisted Tales”. Como aprendi muito sobre o processo musical entre meu primeiro álbum e este, decidi que “Twisted Tales” precisava de uma reformulação completa antes de passar para outros projetos. Eu sempre amei álbuns que contam histórias. Eu também amo Old Time Radio, e como tal… eu coloquei um pouco disso neste álbum. Eu também gosto muito de colaborar com outros artistas da música. A combinação de todas essas coisas é o que inspirou “Life Revisited”.
– O QUE O SINGLE NOS DIZ?
Em primeiro lugar, a razão para o título, “Déjà vu” é que esta música aparece no álbum duas vezes. A primeira vez é o single “Hit and Miss” onde trabalhei com “The Misanthropes”. E depois “Déjà vu”, onde trabalhei com Natalia Nekare. Gostei tanto das duas versões que ambas fizeram o álbum. O single tem a ver com lutas constantes na vida. Às vezes atingimos a marca e outras vezes erramos, mas independentemente… sempre aprendemos algo novo ao longo do caminho.
– QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE O SOM E OS ARRANJOS DA MÚSICA?
Eu sou um grande fã de diferentes culturas. Acontece que eu sei que há muito espanglês por aí (incluindo português e inglês). Descobri que a cultura latino-americana tem uma capacidade única de se conectar com o meu som, então ao reproduzir o álbum, o criei com esse conceito em mente. Tanto a música quanto os arranjos são projetados para alcançar e agarrá-lo de uma maneira divertida e interessante. O órgão no início é projetado para começar quente e suave, e então a música chama sua atenção quando o resto começa.
– O QUE ESSA FAIXA DIZ SOBRE VOCÊ? Só posso escrever o que sei. Mas também estou sempre ansioso para aprender mais. A música e o álbum são pensados ​​para deixar o ouvinte pensando na vida em geral. Espero que eles ouçam algumas coisas com as quais se identificam pessoalmente. E espero que isso os ajude a entender que eles não estão sozinhos neste mundo. Na verdade, há muitos de nós girando na mesma saladeira, e podemos lutar contra isso ou aprender com isso. Na realidade, talvez todos nós façamos um pouco dos dois.
Respostas Bret Nybo

LITTER – “Everything Is Fine” – (Austrália) – [MINI ENTREVISTA]

– O que a letra de ” Everything Is Fine ” diz? As letras são sobre a ascensão e queda da raça humana. Das nossas maiores conquistas às nossas mais ridículas discussões e divergências. Não existe uma espécie com tanto potencial casada com a mesma quantidade de autodestruição.

 – Comente sobre o som e os arranjos do single. Assim como em todo o álbum, os tons, as escolhas de efeitos e a influência foi uma surpresa planejada para mim. Este som de guitarra (gravado pelo co-escritor, Damien Stofka) foi o resultado da gravação em nível de linha diretamente em um laptop. É único nesse sentido, sem nenhum outro ef aplicado. Quanto à mixagem e produção, tudo depende de Jay Whalley e Clem Bennett da The Pet Food Factory.

 – Há alguma história ou curiosidade sobre o lançamento? O projeto sempre foi pensado para viver uma vida curta como banda ao vivo, então o mais interessante do lançamento é que também será o último show da banda. Agridoce.

Respostas Matt Downey – cantor/compositor do LITTER

Nemos – “Emigracja”(Itália) – [MINI ENTREVISTA]

– O que os versos da canção nos dizem? – Qual sua mensagem, afinal? Emigracja é uma homenagem a todas as pessoas do mundo que deixaram seu país de origem em busca de uma vida melhor ou simplesmente para descobrir, aprender e experimentar. Às vezes é fácil, às vezes é muito difícil e doloroso, mas acredito que todo tipo de imigração é uma enorme riqueza que une culturas e cria um poderoso caldeirão, sou imigrante e aprendi muito com essa experiência. 

– Fale sobre a sonoridade e arranjos do single. O som do Emigracja é uma mistura de teclados sintetizados facilmente visíveis na superfície e guitarras que talvez sejam menos imediatas, mas contribuem no fundo para criar o efeito final. É certamente inspirado no som dos anos 80 e 90, a ideia é criar uma atmosfera sonhadora e ao mesmo tempo poderosa. Todas as partes são tocadas ou programadas por mim – esta música faz parte do meu último álbum ”Europa Hotel”.

 – Deixo este último espaço para você se apresentar. Meu nome é Nemos , sou um cantor e compositor italiano que vive no exterior há muitos anos, crio minha música com poucos recursos, mas muita motivação e comprometimento. Escolhi me comunicar apenas pela música, então não mostro fotos minhas. Eu lancei 4 álbuns até agora, o mais novo ”Europa Hotel” foi lançado no dia 3 de novembro. Gostaria de agradecer a atenção de seus leitores brasileiros e internacionais e convidá-los a ouvir ”Europa Hotel” no Spotify. Você também pode visitar meu site nemosmusic.com . Vejo você em breve !

 Respostas Nemos

Jeremy Mage – “By Our Side” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

 – Sobre o que é a letra da música? Essa música saiu de mim após a morte de Jack Hardy, um dos meus mentores de composição mais fortes. Jack era irlandês, então, isso meio que foi nessa direção. Acho difícil falar sobre morte com meu filho. Continuo traindo o que realmente sinto, de uma forma ou de outra. A primeira vez que conversamos sobre isso, ele tinha três anos. Ele me viu chorando depois que McCoy Tyner morreu.
“Porque voce esta chorando?”
“Porque ele se foi.”
“Ele se foi???”
“Sim. Mas uma parte dele ainda está aqui (tocando meu coração), em todos que ele tocou.”
 Mais tarde na cama, Elio apontou para o meu coração,
“Há pedacinhos de McCoy Tyner dentro de você”, e percebi que ele estava imaginando peças físicas!
Ok, vamos tentar de novo… Mas sim, eles ainda estão ao nosso lado .

 Quando foi lançado? Na semana passada, 2 de novembro de 2022 no dia dos mortos, como parte do meu novo disco “Pretty Songs About Death”

– Quais eram suas ansiedades? É um pouco entre os gêneros. Algures entre o folk tradicional (com um som irlandês) e o folk psicodélico/indie. Às vezes, com coisas de gêneros cruzados, eu me preocupo que ambos os lados sintam falta.

– Comente sobre o som e arranjos do single. Gravar essa parte de guitarra foi o maior desafio do disco. Tudo finalmente se encaixou quando eu coloquei tudo através de um eco de fita real… realmente como a atmosfera onírica que ele criou.

Respostas Jeremy Mage

NEXM – “Lu” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Do que se trata a letra da canção? Com a letra de “Lu” tentei incorporar o sentimento de redenção. dirigindo-me a mim mesmo e também às pessoas que eu senti que tinha feito errado ou sido injustiçado. esse sentimento de arrependimento por ações passadas levou a noites sem dormir e me perguntando por que não fiz as coisas de forma diferente.
foi um processo de aprendizado que eu não conseguiria mudar o passado, e assim é a vida.
então dizer eu te amo ou “Lu” era aquela rendição à aceitação e esperança de redenção.

– Em qual momento ela surgiu? Quais eram suas angústias? A letra de “Lu” veio a mim em um ponto baixo da minha vida. eu estava desenvolvendo hábitos e mantendo relacionamentos que poderiam prejudicar e alterar minha vida para pior. a música apareceu como uma tentativa de responder, processar e lidar com as decisões que eu tomei e outras pessoas que me afetaram. deixando essas pessoas saberem mesmo que elas não estejam mais na minha vida – eu aprendi e ainda tenho amor por elas.

– Comente sobre a sonoridade e arranjos do single. As ansiedades vinham de reviver o passado e de entender que eu estava me colocando em cenários semelhantes. parecia que eu estava em um loop e a única maneira de sair desse loop era perdoar e dizer eu te amo. quando sinto que quebrei esse loop, estava escrevendo a música e indo para o estúdio. e continuando, quando a música foi gravada e eu toquei no caminho para casa as ansiedades se dissiparam e eu encontrei alívio em deixar as coisas acontecerem. foi como se um peso fosse levantado.

Respostas Nexm

Jaime Travezán – “Chamber Salsa” – (Peru) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você pode pontuar sobre a sonoridade e arranjos do single? ‘Chamber Salsa’ é uma mistura pouco ortodoxa de salsa, com batidas de hip-hop, misturadas com música do século XVIII com uma sensação geral eletrônica. Sempre tive um fascínio pelo inclassificável, pelo extravagante, pela fusão de gostos entre géneros, épocas e tudo o que naturalmente não podia ser unido. Eu nunca gostei de salsa, então propus isso como um desafio. Eu tive que vesti-lo de tal maneira que o tornasse meu e assim me reconciliasse com esse gênero musical. Sou fotógrafa e minha abordagem do mundo é visual, mesmo com música. Quando compus a música, gostava de imaginar que ‘ Chamber Salsa ‘ era tocada na corte de Luís XIV, rei da França no século XVIII, por um grupo trazido das Américas (mas no caminho eles tiveram que parar no XXI), um pouco no estilo do filme ‘Marie Antoinette’ de Sophia Coppola ou ‘Moulin Rouge’ de Baz Luhrmann, e seria dançado pela atriz Giuletta Massina, como fez em Noites de Cabiria. 

– Você consegue posicionar, até que ponto, esta música e suas outras no meio musical do Peru? Quando produzo algo, seja música ou fotografia ou qualquer outra coisa, vejo o mundo como um único lugar. Nunca me limitei a fronteiras ou bandeiras. Eu vivi a maior parte da minha vida em diferentes países da Europa. Nasci no Peru e fico feliz em voltar regularmente, mas a realidade é que não conheço o mundo da música peruana da mesma forma que o mundo da música peruana não me conhece (suponho). Acho que não vou posicionar nenhuma das faixas que compus em nenhum lugar do ambiente musical peruano, porém sou muito grato a quem me ouve tanto no Peru quanto no resto do globo.

– O que diz a letra? Há alguma mensagem central? A letra é simples e supérflua. Tente que toda a organização para a festa que acontecerá depois esteja em perfeita ordem. Assim acontece e todos ficam felizes.

– Agora, deixo este último espaço para você se apresentar. Eu sou Jaime Travezán, peruano e de todos os lugares. Fotógrafo de profissão, no entanto nos últimos anos comecei a alternar o meu trabalho com a música. Quanto a isso, gosto muito de música eletrônica: House, EDM, Techno, Drum & Bass, e depois da minha faixa, ‘ Chamber Salsa ‘, salsa também. 

Respostas JAIME TRAVEZÁN

Crawling Vines – “Falling off the Monkey Bars” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

 – Primeiro, apresente-se aos nossos leitores! Olá! Meu nome é Jack, sou da cidade de Chicago, IL, e faço música sozinho sob o pseudônimo de ‘ Crawling Vines .’ Meu som é pesado, escuro e psicodélico, e eu consigo essa vibe usando uma variedade de instrumentos analógicos vintage. Acabei de lançar um novo single chamado ‘ Falling off the Monkey Bars ‘ em todas as plataformas, e estou animado para compartilhar seu enorme som shoegaze com todos!

– O que a letra deste single nos diz? A letra deste single é principalmente sobre as dores de crescer, e é por isso que eu escolhi o nome da música ‘ Falling off the Monkey Bars ‘. A maioria de nós conhece a dor de cair das barras de macaco quando criança, e essa música bate forte assim. A letra de abertura é “Crescer não é o mesmo…” O que alude à mudança dos tempos e ao sentimento geral de insatisfação. Outra letra – “Olhando para os dividendos…” nos lembra que, como adultos, devemos focar muito nossa atenção nas finanças. É uma merda, e pode nos fazer sentir vontade de desistir, e é por isso que mais tarde na música eu digo: “A privação é infinita. Posso queimar um cigarro?” O som dessa música é pesado, melancólico,

– Qual é a sua mensagem? Essa música é uma mensagem para a cena alternativa underground – Nossas vidas não são fáceis como eram quando éramos crianças, e isso pode ser uma droga, mas vamos agitar e seguir em frente.

– Quais são seus comentários sobre o som e os arranjos da música? Eu amo o quão pesada e desagradável essa faixa soa. As guitarras são altas, a bateria é contundente, e os vocais ajudam a trazê-lo à superfície entre o alt underground retorcido para um hino acessível, quase rock de estádio. Além disso, as mudanças de ritmo na música são um toque agradável. A instrumentação é totalmente analógica e rastreada ao vivo. Além disso, a música foi masterizada para fita, então há um belo toque de saturação natural no timbre da faixa. É uma reminiscência de algum rock alternativo dos anos 90. 

Respostas Jack Holston aka Crawling Vines

Camilo EG – “Triunfo” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– “Triunfo” é uma música sobre renascimento, escapismo e resiliência geral, é o que diz seu perfil. O que isso quer dizer? Triunfo é sobre encontrar sua força interior. Quando a escrevi, senti uma grande onda de energia criativa. Procurei comunicar um sentimento de fé e esperança. Embora eu tenha escrito originalmente em inglês, sua contraparte em espanhol ressoa mais fortemente comigo. Para mim foi muito importante que a música tivesse um tom alegre e inspirador. A música também está relacionada à conexão espiritual que, em momentos cruciais, pode surgir em cada um de nós. 

O que você pode dizer sobre a sonoridade/arranjos da música? Eu escrevi a música inteira no meu violão Washburn. Mais tarde, colaborei com Gregg Montante, que criou os arranjos de guitarra elétrica. Gravei a música no Capricorn Studios com Kris Towne, um conhecido produtor de San Diego, que também tocou baixo durante a produção. Damon DeLaPaz tocou bateria e seu papel foi fundamental para definir a batida. A experiência foi incrível e imprevisível! A certa altura, todo o estúdio perdeu energia e tivemos que nos reagrupar mais tarde. Assim que terminei de fazer minhas partes vocais, Kris mixou e masterizou a música. Em suma, estou incrivelmente feliz com o produto final. Minha visão foi cumprida. 

Respostas Camilo EG

Astralux – “Livewire” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Do que se trata a canção “Livewire”? É sobre um sentimento bom, mau, feliz ou triste, é sobre aquela emoção primordial que todos nós já tivemos quando estamos sobrecarregados por um sentimento, e todos os lugares loucos que ele pode nos levar.

– Com relação ao som/arranjos, você tentou trazer algo novo a este single? Musicalmente, “Livewire” é uma canção de dança. Nós queríamos escrever algo que fizesse a multidão se mover em nossos shows. Algo com uma batida contagiante.

– Há alguma história ou trivialidade interessante sobre este lançamento? Nós mudamos a melodia do refrão na metade da gravação. Como compositor, às vezes você tem a sensação de que algo não é bom o suficiente, e eu tive a sensação de que ainda podíamos fazer a música melhor do que imaginávamos. Acho que conseguimos.

Respostas Astralux

Abby K – “Carry the Weight” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual foi o momento em que você sentiu a necessidade de compor esta canção? Quando acontece algo que carrega um impacto emocional, geralmente escrevo para ajudar a processar o que estou sentindo. A guerra na Ucrânia me atingiu imediatamente. Depois de alguns meses carregando seu peso sobre meus ombros, finalmente consegui escrever uma canção necessária retratando a magnitude a longo prazo do que realmente está acontecendo.

– O que, em última análise, dizem os versos de “Carry the Weight”? “Carry the Weight” conta a história a partir de três perspectivas diferentes vivendo na Ucrânia enquanto sob ataque: uma mãe com seu filho, um homem velho que é um sobrevivente do Holocausto, e um jovem soldado ucraniano. A única coisa que todos eles têm em comum, é a crença em suas liberdades e em sua força para defendê-la. “Mas, como nos tempos passados, o ódio sempre volta, mas cai apesar de seu peso. Vidas serão perdidas, em vão custos sem sentido, mas a esperança carregará o peso”.

– É uma canção dedicada a quem e a quê? Esta canção é dedicada aos milhares de civis e crianças mortos, aos forçados a deixar seu país e aos corajosos homens e mulheres que lutam para proteger suas liberdades.

– Como o clipe nos ajuda a entender a canção e sua mensagem? O vídeo musical é uma montagem que funde o presente do passado e a esperança desesperada para o futuro.

– Deixo este último espaço para que você se apresente. Abby K aproveita muitas influências em sua música de sua infância no Kentucky e convenientemente encurta sua música como “Heart-Rock”. Após duas décadas na Cidade Ventosa, onde foi exposta aos extremos do tempo e às influências musicais, ela mudou sua atuação para Seattle, onde se apresenta regularmente, incluindo o NW Folk Life Festival de Seattle em 2017 e 2019. Então, quando tudo se reúne, o que você ganha? Honestidade. Clareza. Harmonia. Beleza. O som de Abby é tão verde, exuberante e dramático quanto o Noroeste do Pacífico. Suas melodias são instantaneamente húmeis e iminentemente memoráveis, e suas histórias vão bater no seu coração.

Respostas Abby K

Sammie King, Fribble e Braelee“Thank God” – (Estados Unidos)

“Thanks God” é o segundo single de Sammie King neste 2022. O cara, que é do Brooklyn (Nova York), faz desta música um local de agradecimento à Deus. Um dos versos, inclusive, diz que “Se não fosse por Deus, eu estaria nas ruas”, o que podemos encarar como uma metáfora. No entanto, ao conhecermos um tiquinho da história de Sammie, entendemos que esta frase é literal. O artista foi desabrigado duas vezes antes de completar os 18 anos de idade, mas, neste período, não abandonou a crença de que Deus olhou por ele o tempo todo. Esta temática e este jeito de conduzir as ideias é característicos de King, um rapper/poeta já conhecido por disseminar positividade e, assim, inspirar quem o ouve.

Aproveitando o caminho, também indicamos os demais lançamentos do músico. Até o momento, ele arremessou 9 singles e o EP “All 4 God”. Confira!

Nina Luna“new blood, new money” – (Estados Unidos)

Este novo single da cantora e compositora norte americana Nina Luna vai na contramão dos seus lançamentos anteriores, quando observamos a sonoridade simples e acústica. Segundo ela, a ideia surgiu para acomodar melhor a letra, que trata-se de “deixar para trás uma dinâmica de relacionamento doloroso e começar de novo com novas pessoas, novas oportunidades, novas experiências, etc”, como ela mesmo diz.

Esta emocionante e desafiadora canção agora faz parte de uma discografia que vem sendo alimentada desde 2017. Seria bizarro indicar “Traga sangue novo, dinheiro novo ” (tradução do título) sem também mencionar a importância do acervo de canções da artista. Fica a dica!

Melissa Marchese“Sirens” – (Canadá)

Dentre as faixas do novo álbum da cantora e compositora Melissa Marchese, está “Sirens”, que é considerada a mais intensa do disco. Ambientada numa sonoridade que une blues e rock, a canção reflete sobre a emergente questão das mudanças climáticas e como muitas vezes essa ameaça parece não ser prioridade para os políticos e civis. A mensagem de Melissa é de que devemos cuidar de nossa única casa. “A ira que já estamos começando a sentir com a destruição do planeta pelos humanos não discrimina, e devemos acordar e fazer algo enquanto ainda podemos.”, diz ela.

“MAD LOVE”, o álbum mencionado, é definido por Melissa como aquilo que “Significa tudo pensar que posso ajudar alguém a lembrar que não está sozinho e que todos estamos passando por alguma coisa”, em referência às temáticas das faixas.

STEFANO“All I Ask” – (Estados Unidos)

A música “All I Ask” foi lançada originalmente por Adele em 2015 como peça importante do álbum “25”. O Spotify nos diz que, até o momento, quase meio bilhão de reproduções a faixa teve. Anos depois, o cantor e compositor norte americano Stefano faz sua versão com vocal masculino desta obra tão aclamada. A brilhante releitura agora faz parte de uma discografia que começou a ser desenhada em 2016 quando ele lançou o EP “Obsession”.

Verificamos que o poder da versão de Adele não se resume a isso. Os outros oito lançamentos do cara também são estrelas que devemos prestar atenção. Confira o que este artista tem a nos dizer!

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.