24 de maio de 2024
Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #24 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 24ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist

THE HYBRIS – “Keep The Wolves Away” – (Alemanha e Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Antes de mais nada, apresentem-se aos nossos leitores do Além da BR. THE HYBRIS consiste em três membros, viemos da Alemanha e nos conhecemos há muitos, muitos anos. No passado tocamos em diferentes combinações em várias bandas de rock. Depois estávamos espalhados por todo o mundo por motivos profissionais ou familiares, hoje vivemos em Nice, em LA e em Colónia. Cada um de nós montou um estúdio de gravação em casa e cada um de nós toca instrumentos diferentes. Todos contribuem com o que a música atual em que estamos trabalhando precisa. No passado, você tinha que gastar muito dinheiro em estúdios de gravação caros e ser criativo em um período de tempo limitado. Isso é diferente hoje, cada um de nós pode começar quando oo fluxo está lá, isso é incrível.  

 – A letra fala sobre guerra. Como você desenvolveu esse assunto nas letras? Esta questão é o que está nos movendo e muitos outros no mundo agora. Sempre há guerras no mundo, mas neste caso a guerra e as bombas chegaram muito perto de nós. Todos os dias chegam aqui refugiados que perderam tudo. E há um ditador que ameaça abertamente usar armas nucleares. Incluindo as reações apropriadas, isso pode ser o fim de todos nós. Isso é algo que queríamos falar. 

– Como e em que contexto surgiu a música ” Keep The Wolves Away “? Tente, se possível, definir o som do single. Fale sobre o clipe.  ” Keep The Wolves Away “ é uma das nossas músicas mais cruas e, se você quiser, “mais pesadas” até hoje. Em nossa opinião, isso também foi necessário com este tema. Esses elementos punk e metal sempre foram uma das facetas da nossa música. Além disso, criamos um vídeo dark em estilo cômico, que sublinha a letra e, em nossa opinião, transmite muito bem nossa intenção e história. 

Respostas Ringo e Beanie (THE HYBRIS)

Jane McNealy – “Barnaby Finn’s Café” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a sua mensagem?
A vida é contraditória e difícil… estabelecemos metas para nós mesmos que nem sempre são cumpridas… este é o desafio final: Como sobreviver. BFC é sobre escapismo. Tentar se perder em um mundo que quase não é real; onde as esperanças e sonhos que você tem são encapsulados em uma fantasia. Quem vai notar você? Será este o momento pelo qual você esperou ou está apenas tentando ser pego?
– Como você define o som do single? Jazzy blues. Sexy.
-Qual é a ligação de ” Barnaby Finn” com a música norte-americana? Esta canção é influenciada pela música dos anos 1940 e 1950. É mais uma balada clássica de blues na tradição de Ella Fitzgerald, Cole Porter e Duke Ellington.
Por favor, apresente-se. Sou uma compositora/letrista, tendo escrito e lançado mais de 300 canções nas décadas de 1960 e 1970. Atualmente, estou gravando e lançando novo material, bem como digitalizando, atualizando e lançando muitos dos trabalhos de arquivo do meu catálogo através da Lo-Flo Records.

Respostas JANE MCNEALY



The Fair Attempts – “Rose Tattoo” – (Finlândia) – [MINI ENTREVISTA]

– Antes de tudo, apresente-se aos nossos leitores do Além da BR. Ei pessoal! Nós somos as Tentativas Justas. Vindo da Finlândia, somos o “Espelho Negro do Rock Industrial”, explorando temas da sociedade futura que estamos involuntariamente construindo ao nosso redor. Fazemos Electro-Industrial, Darkwave e Synthpop.

– O que você diz na letra da música? E qual é a sua mensagem? A música comenta o absurdo da guerra e também a expressão simbólica da história de fundo de Celeste, personagem central e IA retratada na série de livros “Machine Dreaming” de Starwing. Nosso álbum anterior “Dream Engine” foi escrito junto com o primeiro livro “Dreaming Your Dream“, então eles andam juntos.Acho que, para resumir, nossa mensagem com a música é que um suicídio não é uma fuga.

– É possível estabelecer uma conexão entre ” Rose Tattoo “ e a música e cultura finlandesa? A cultura musical finlandesa é vasta, mas geralmente se inclina para uma expressão mais pesada com rock e metal. ” Rose Tattoo ” sendo um pouco pós-punk e até mesmo industrial é mais como um excêntrico em contraste. Isso é o que gostamos de fazer. Gostamos de fazer arte única e ultrapassar os limites.

Respostas The Fair Attempts

Fr Mark Baumgarten – “A Newborn King” – (Austrália) – [MINI ENTREVISTA]

– O que nos diz a letra da canção? Que o evento de Natal não é apenas uma história doce para as crianças, mas algo que vira tudo de cabeça para baixo.

O que você quer dizer ao mencionar que “é uma canção de Natal sobre a luta antiga e contínua entre o cinismo e a esperança”?  Assim como o rei Herodes rejeitou o menino Jesus, todos nós também estamos inclinados a fazer o mesmo. Mas no fundo todos ansiamos secretamente pela mensagem de esperança que ele nos oferece.

Qual a importância desta música para quem ama o Natal?  É um lembrete de que a mensagem de esperança do Natal ainda é oferecida a todos, mesmo em meio ao sofrimento do nosso mundo.

Qual a ligação de “A Newborn King” com a música e cultura australiana? A Austrália é bastante secular hoje em dia, mas o Natal é a única época do ano em que muitas pessoas estão abertas a temas de fé. Tentei escrever uma música com a qual até pessoas seculares pudessem se identificar.

Respostas Fr Mark Baumgarten

 

Oliver Flanagan – “Lonely and Blue” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– O que a letra da música nos diz – qual é o seu tema? A letra é bem simples e segue o formato padrão desse tipo de música. É sobre um cara que se sente incompreendido e acha difícil explicar como está se sentindo.
– O que te inspirou a compor Lonely and Blue? Escrevi as primeiras linhas há algum tempo, quando tinha vinte e poucos anos, e não consegui desenvolver a música. Suponho que represente como eu estava me sentindo naquele momento da minha vida. Coloquei a música na prateleira e a esqueci até recentemente, quando finalmente consegui finalizá-la ao meu gosto.
– Como você define o som e arranjos? O som é bateria básica, baixo e guitarra elétrica com um arranjo de cordas tocado em um mellotron – um sintetizador antigo usado pelos Beatles e Big Star, do qual gosto muito do som. Eu adicionei um solo de guitarra over drive como uma reflexão tardia que realmente finalizou a faixa muito bem, eu acho.
Oliver é um músico do sudoeste da Inglaterra que escreve e grava músicas inspiradas em seu amor pela música pop baseada na guitarra dos anos 60, bem como r&b e jazz. Seu último álbum, A Spoonful, já está disponível no Bandcamp.

Respostas Oliver Flanagan

Finnish Postcard – “Monuments” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que a letra da música nos diz? Qual é o seu tema? Trey: Leo e eu escrevemos as letras e cantamos para o “Fishnish Postcard“, mas eu escrevi a letra e cantei nessa. Eu tinha acabado de terminar com uma namorada de longa data, e os primeiros versos dessa música foram inspirados nisso. Especificamente, eles foram inspirados pela sensação de acordar na cama de uma nova pessoa pela primeira vez. É uma coisa docemente inquietante. Logo no início, você percebe coisas como o cheiro do quarto deles pode ser um pouco diferente do seu – nunca de um jeito ruim, apenas diferente. As memórias daquelas primeiras experiências em relacionamentos dão o tom para o resto da música – tipo, qual poderia ser o sentido de passar por tudo isso de novo? Qual é realmente o sentido de trabalhar tão duro em qualquer coisa? Esta é uma música triste, mas é honesta com esse sentimento.

– O que te inspirou a compor “Momuments”?Trey: Esta é uma música que escrevemos de forma totalmente espontânea. Estilo Paul e John, sentados um de frente para o outro com guitarras. Quero dizer que era por volta da meia-noite, no antigo apartamento de Leo em Venice. Ele estava tocando aquele riff em loop no começo, e eu fiquei tipo “cara, continue tocando isso”. Esse foi o ponto de partida. Na verdade, temos um memorando de voz de todo o processo de composição dessa música, pense bem. Foi rápido. No final daquela jam, basicamente tínhamos terminado.  Leão: Sim, sinto que essa música realmente capturou o espírito daquele momento. Se eu tentasse sentar e escrever outra música nesse estilo, realmente acho que não conseguiria. Parecia que só poderia ter sido evocado na hora e no local exatos em que estava.

– Como você define o som do single? Leão: Estou tão feliz com o som desta gravação. Parece muito com a sala em que gravamos, o que é uma grande parte do motivo pelo qual há muito soul na maneira como acabou. Estávamos buscando uma abordagem de compositor com alguns elementos eletrônicos e uma bateria eletrônica, e acho que chegamos o mais perto que queríamos. Essa música parece realmente única para mim. Não tenho certeza do que poderia compará-lo sonoramente. Muitas coisas que amo na música, como sintetizadores, violões Lofi, vocais duplos e instrumentos de palheta aparecem nessa música, e acho que é por isso que ela parece singular.

– Por fim, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Trey: Olá leitores! Obrigado por verificar isso. Um pouco sobre nós: somos uma dupla de rock and roll baseada em Los Angeles. Leo e eu nos conhecemos em uma mostra de galeria de arte que fiz no ano passado, e rapidamente nos conectamos e começamos a trabalhar juntos. Hoje em dia, vivemos e fazemos música em uma cervejaria reformada no centro de Los Angeles. Estamos fazendo nosso primeiro álbum agora (com nosso bom amigo e co-produtor Ryan Pollie). Acompanhe nossas redes sociais para saber sobre shows, lançamentos e tudo mais.

Instagram:  @finnish_postcard    Twitter:  @finnishpostcard

Respostas Finnish Postcard

Angélica Jaimes  – “Llanerísima Navidad Vol.2” – (Colômbia) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Em 2017, em Villavicencio (Colômbia) ANGÉLICA JAIMES, inicialmente entrou no mercado colombiano na região das planícies orientais de seu país, que compartilha com a Venezuela, com uma encenação diferenciada. “Nasci em Paz de Aríporo (Casanare) e me destaquei com uma voz doce dentro do folclore colombiano-venezuelano das planícies. Meu posicionamento nas redes sociais como Instagram e TikTok, conta com mais de 70.000 seguidores em todo o mundo e mais de 1,2 milhões de visualizações, me permitindo levar meu folclore para várias partes do mundo…”

– Qual é o tema apresentado no single? Meu quinto single: LLANERÍSIMA NAVIDAD vol.2 (Natal Llanero), acrescenta um som a esta temporada de dezembro e apresenta meu novo EP ‘Llanerísima Navidad Volumen 2’, uma produção que contém canções tradicionais de Natal na Colombia, como ‘Ven, Ven, Ven’, ‘A la Nanita Nana’, ‘Anton Tiru Riru Riru ‘, ‘Tutaina’ e ‘El Burrito Sabanero’.

– Como você pode definir a sonoridade do single? Um som muito natural, onde os arranjos da harpa, das maracas e do baixo exaltam o folclore característico das Planícies Orientais.

‘Llanerísima Navidad Vol. 2’ foi produzido pela própria Angélica Jaimes e por Eduardo García, renomado produtor e engenheiro de som de Totó La Momposina (rainha da cumbia colombiana), que também mixou e masterizou cada um dos singles que fazem parte deste novo trabalho musical.

– Como você trabalha isso na letra? “Nesta ocasião quis liderar o processo de produção do EP, o que me permitiu trazer a minha essência llanera para um tipo de música tão universal e conhecida como as cançôes de Natal. Estou convencida que, desta forma, também estou contribuindo para o folclore llanero e abrindo portas para o gênero, para que mais pessoas, de todos os lugares conheçam nossa cultura e tradição”, afirma Angélica.

– Como você pode definir a sonoridade do single? Llanerísima Navidad, vol. 2, soa como o campo, com cinco dos mais populares cânticos de Natal, é um exemplo de como conseguir fundir as raízes do folclore com as tradiçôes natalinas dos nossos países e os mais belos cânticos de Natal.

– Qual a inspiração para isso? As cinco canções de Natal, apresentadas em formato medley, foram selecionadas tendo em conta: a adaptação que poderiam ter ao gênero; a projeção que podiam dar à doce voz da cantora e à predominância melódica que a harpa daria em cada um dos arranjos.

– Qual a relação de “Llanerísima Navidad Vol.2” com a música e cultura colombiana? ‘Llanerísima Navidad Vol. 2’ espera chegar a todos os cantos onde o espírito natalício está latente, para que as famílias possam desfrutar destas novas versões ao lado da árvore e do presépio. Desta forma, Angélica Jaimes e toda a sua equipa, desejam-lhe um Feliz Natal!

Respostas Angélica Jaimes

Hein – “Stay” – (África do Sul) – [MINI ENTREVISTA]

Apresentação aos leitores: Meu nome é Hein – sou um cantor clássico e multi-instrumentista (guitarra, bateria, baixo, teclado) da Cidade do Cabo, África do Sul. Canto desde que me lembro e aprendi a tocar meu primeiro instrumento (guitarra) aos 10 anos. Também toquei em muitas bandas, incluindo My Japon Skree Vryheid e The New York Robbers.
– Qual é o tema apresentado no single? Qual é a mensagem da letra? Eu escrevi “Fique” como uma forma de processar as emoções conflitantes que estava sentindo após uma separação complicada em agosto de 2022. Ele explora o dilema de não estar mais em um relacionamento romântico, mas optar por permanecer amigo, embora no fundo ainda deseje ser mais do que este. A música também faz alusão ao desafio de ser solteiro e sozinho com seus próprios pensamentos, o que pode ser muito difícil depois de perder alguém. As letras são agridoces e contêm muitas justaposições, por exemplo, feliz/nublado, ensolarado/ventoso. As coisas nem sempre são preto e branco, então devemos aprender a navegar pelas áreas cinzentas da vida.
– Como você pode definir o som do single? Qual é a inspiração para isso? “Fique” pode ser definido como rock acústico. Foi gravado ao vivo e em uma única tomada, porque eu queria capturar a emoção e a energia cruas da música. Além disso, acredito na musicalidade autêntica, em vez de sons auto ajustados e super produzidos. Escolhi propositadamente não preencher a mixagem com várias camadas, para que eu possa dar ao ouvinte a sensação de estar sozinho – apenas eu e minha guitarra (ou apenas você e seus pensamentos). Ao escrever “Stay“, mantive o público moderno em mente (a música tem pouco mais de 2 minutos – sem introdução, apenas 2 versos, 2 refrãos e uma ponte de 2 linhas). ” Ficar ” pode parecer enganosamente simples, mas muitas vezes pode haver sofisticação e complexidade na simplicidade.
Respostas Hein

Calista Garcia “Kalamazoo” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiro, apresente-se! – O que a letra de ” Kalamazoo ” nos diz? Qual é a sua mensagem?  Olá! Sou Calista e sou uma cantora/compositora da área de Washington, DC, que agora mora no Brooklyn, NY. O que é interessante sobre Kalamazoo é que, embora seja uma música muito divertida e animada, a letra não é particularmente feliz. É sobre desgosto e, particularmente, a fase descontrolada de querer quebrar as coisas ou fugir. Sempre gostei quando canções sobre infelicidade soavam alegres. É por isso que eu amo rock n’ roll. Acho que há um poder em encarar as coisas que nos machucam com irreverência. Acho que às vezes é mais fácil falar sobre coisas difíceis com a língua nas bochechas. E acho que a alegria e o riso, não uma alegria fingida enquanto reprimimos nossos sentimentos, mas um verdadeiro humor sobre isso, nos fortalece para lidar com as adversidades da vida. 

– Comente o som do single. Sonoramente, é muito divertido e um pouco confuso. Há muitas mudanças importantes, grandes paradas enérgicas, mas um divertido groove dos anos 60 para fundamentar tudo. Uma das minhas partes favoritas no arranjo são as castanholas no refrão. É uma música para se mexer, e a banda a fez parecer um pouco irresistível. Eu me lembro que no estúdio, eu me desafiava a ouvi-la inteira sem bater o dedo do pé, e achava genuinamente difícil. 

– Qual a relação dessa música com a cena musical e cultural dos Estados Unidos? É uma música altamente referencial, com muitas referências ao rock n’ roll de meados do século 20. Há algumas influências do rockabilly, um mod groove muito dos anos 60 e, em seguida, muito do estilo glam rock do tipo Elton John dos anos 70. Meu objetivo era unir várias paisagens sonoras do rock clássico em uma melodia extravagante, com a ideia de trazer um pouco dessa música vintage para os mais jovens que nunca a ouviram antes.

Respostas Calista Garcia

Federico Aubele – “Time Drips on My Bed” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Sou Federico Aubele, um cantor e compositor que mora no Brooklyn, NY. Escrevo canções bastante poéticas e as toco em meu violão em um estilo que tem grande influência do violão clássico.
O que o único nos diz? O single é sobre memórias que nos assombram e não vão embora. Muitas vezes tomamos decisões, principalmente quando se trata de relacionamentos, e mesmo quando sabemos que a decisão foi a certa, o “e se” ainda pode nos perseguir por muito tempo. 
– Qual sua ideia e mensagem ao mundo? Acho que minha ideia geral é que a vida é um processo cheio de grandes momentos e desafios que devemos abraçar e aceitar. É na adversidade que aprendemos e evoluímos.
Como você pode definir a sonoridade do single? O som é muito intimista e quente, com a baixa reverberação da voz de barítono pairando sobre as notas do violão clássico. É sempre meio agridoce.   
– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre o lançamento? Este single é a primeira música de uma série de músicas que sairão nos próximos meses e que fazem parte de um novo álbum que lançarei no outono.
Respostas Federico Aubele


Kate Sycamore – “Merry Go Round” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a sua ideia e mensagem para o mundo? Levei anos para realmente descobrir que mensagem quero enviar ao mundo. Embora eu sempre tenha valorizado a promoção da empatia e do autodesenvolvimento, minha mensagem se tornou mais específica com este álbum e essa música especificamente. A música do meu próximo álbum, In The Fog, concentra-se principalmente na minha batalha contínua contra o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) ao longo dos meus 20 anos. Essas músicas mostram meu progresso de me sentir isolado, assustado e louco para encontrar paz e conforto na incerteza. 

– Como você define o som do single? Qual é a inspiração para isso? Eu escrevi essa música originalmente há cerca de 9 anos – aos 20 anos. Na época, eu ainda não havia sido diagnosticado com TOC. No entanto, eu estava experimentando extrema desrealização e pavor existencial. Lembro-me de sentir que o mundo era como um sonho. Eu estava constantemente tonto e desorientado, e tinha visão de túnel o tempo todo. É como olhar para um vasto céu noturno cheio de estrelas – lindo, mas também avassalador e indutor de ansiedade. Nesta música, tanto o som quanto a letra exploram a Desrealização que experimentei. Escrevi a música em dó# menor usando um banjo para criar um clima estranho e estranho. Para as letras, utilizei imagens que me vieram à mente durante os ataques de pânico – enterrando os dedos dos pés na lama, girando em um playground alegre – go – rounde observação de estrelas. Eu começo a música em desespero, cantando “grite a Deus, tem alguém aí, você ouve seu próprio eco vazio.” Incluo um elemento de auto-zombaria com a frase: “Por que isso te pega de surpresa?” No entanto, conforme a música avança, ela ganha um senso de esperança. Por exemplo, no final da música, noto que “você ouve um coro de ecos“. Isso significa que, embora possamos sentir-nos sozinhos em nosso desespero, podemos realmente encontrar companheirismo e solidariedade nele.

– Há histórias interessantes ou curiosidades sobre o lançamento? Foi interessante revisitar essa música depois de tantos anos. Tive que me reensinar os instrumentais de memória e de ouvido. Também foi fascinante me conectar com as letras antigas. Eu olho para trás em meu eu mais jovem com tanto amor, orgulho e empatia. Eu não sabia que tinha TOC – só pensei que estava ficando louco. Agora que passei por um diagnóstico e terapia, sinto-me muito orgulhoso de tudo o que aprendi e superei. Em meu próximo álbum, In The Fog, mostrarei meu crescimento e o que aprendi desde que escrevi esta música. Na verdade, a última música do álbum, Slow Growth, foi escrita no ano passado como uma espécie de continuação de Merry – Go – Round. Estou ansioso para lançar toda a coleção de músicas neste inverno. Eles realmente contam uma história completa como um todo.

Respostas Katie Barker (Kate Sycamore)

Séa Byrne – “Escape” – (Irlanda) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz na carta de ” Escape “? Qual é a sua mensagem? Eu escrevi * Escape * enquanto estava sentado em uma bela praia em Oaxaca, no México, então não é nenhuma surpresa que a música seja sobre escapar da corrida de ratos do mundo moderno para viver uma vida mais pacífica, significativa e simples. Muitos de nós passamos muito tempo correndo tão rápido que não temos tempo para fazer as coisas que realmente queremos fazer, por isso é importante estar ciente disso – e iniciar o processo de cura. Na música, eu canto sobre as frustrações enfrentadas na vida e sobre algo profundo dentro de nós, nos chamando para começar a fazer as coisas que realmente queremos fazer, nossas paixões – que no meu caso é fazer música!

– Amei o sol e a pegada dançante do single? Com isso em mente, como você define o som e os arranjos do single? – Existe alguma história interessante ou curiosidade sobre este lançamento? Minha música * Escape * tem um som tropical que realmente funciona na praia. Embora eu seja originalmente da Irlanda, moro perto da costa no ensolarado México e sempre amei o frescor do pop latino-americano – é tão bom dançar! Então minha música é sempre ensolarada e boa para se mudar. O processo para esta música começou quando escrevi a música e a letra. Depois, trabalho com meu produtor Ivan da IFO Productiones de Cartagena, que apimenta as coisas adicionando sons e ritmos tropicais. Uma vez que a produção foi concluída, a música foi mixada e masterizada por Thomas Juth na Suécia para dar a ela aquele acabamento claro e nítido. Então * Escape * é uma balada comovente, com teclados arejados, guitarras divertidas e uma batida de reggaeton – uma colaboração global verdadeiramente única! 

– Por fim, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Eu sou Séa Byrne é uma cantora e compositora baseada em Puerto Vallarta, México. Originalmente de Dublin, passei minha juventude atuando e cantando. Quando adulto, acabei trabalhando em multimídia, mas o tempo todo escrevia e gravava músicas em casa prolificamente em meu tempo livre. Em 2019, durante uma visita a Cartagena, finalmente gravei profissionalmente minha primeira música *That’s Why I Love You* com a IFO Productions. 11 músicas depois – minha colaboração com a Colômbia continua até hoje, com meu primeiro álbum programado para ser lançado em fevereiro de 2023. Meu estilo musical se sobrepõe a muitos gêneros, mas tem sido descrito como Pop/Indie – Soul. No momento estou explorando melodias e ritmos tropicais como calypso, reggaeton e pop latino. Eu misturo esses sons saborosos com minhas canções sobre amor, superação de obstáculos e problemas mundiais. Meu último lançamento * Escape * e minhas outras músicas estão disponíveis no SpotifyApple MusicAmazon Music e nas plataformas online de música habituais. Em 2022 me mudei para o México, onde espero iniciar novas colaborações com a rica e diversificada cena musical local e começar a trabalhar no álbum número 2. Obrigado Além da BR por me apresentar. Espero visitar o Brasil em 2023!

Respostas Sea Byrne

Roger D’Arcy – “Alone Again, Napoleon” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nos versos? Aqui está a letra – o primeiro verso está em meu inglês nativo, o segundo em meu francês adotado:

Cancele o sol, não preciso deste dia para começar

Não tenho para onde ir e me sinto como Bonaparte

Preso em Santa Helena, nada resta além de sonhos 

E ninguém lá para conversar como ele poderia com Josephine

Tudo se foi, Napoleão 

Sozinho de novo

Esconda a lua, quero ficar no escuro

Eu não tenho nada a dizer e ninguém que eu queira ver 

Todas as coisas não encontradas, todas as coisas perdidas 

Agora eu fico, espero meu Waterloo

Até, até o fim

J’attend mon Waterloo

É um longo, longo caminho de casa

– Existe uma mensagem central? A mensagem é a da solidão que qualquer um pode sentir em um país onde não nasceu – a canção usa a analogia do exílio de Napoleão Bonaparte na ilha de Santa Helena após a derrota em Waterloo e a separação de seu primeiro verdadeiro grande amor, Josephine.

– Como você define o som e o arranjo? Tentei capturar uma sensação orgânica em um estilo que lembra o trabalho anterior com toque country de meu herói musical, Neil Young. Espero que o clima seja capturado pela gaita – tocada no próprio instrumento que recebi de presente pelo meu avô no início dos anos 70.

– Existem histórias relevantes ou curiosidades sobre este lançamento? A música foi escrita e gravada em Lyon em 2013 embora não tenha sido lançada na época, em Lyon, na França. Completamente por coincidência, em 2014 me mudei 100km para a cidade de Valence onde agora moro no próprio prédio onde Bonaparte viveu quando jovem tenente – uma vez aos 17 anos, voltando novamente aos 21. A capa do meu primeiro álbum solo (Crooked Tales) me mostra na varanda de seu quarto e na placa comemorativa.

– Por fim, apresente-se aos leitores do Além da BR. Tenho tocado, escrito e gravado música desde os anos 1970 – mas com uma interrupção prolongada de cerca de 30 anos causada por minha carreira em design de estúdio de gravação com minha empresa, Recording Architecture. Ainda projeto um punhado de estúdios todos os anos para velhos amigos e clientes – e às vezes até consigo gravar neles. Estou emocionado por ter essa chance de ser ouvido no Brasil, obrigado.

Respostas ROGER D ‘ ARCY 

Princexa – “Better Off Alone” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se aos nossos leitores.  Olá, meu nome é Princexa, tenho 19 anos e sou de Portland, Oregon, EUA. Escrevo todas as minhas canções e canto desde que me lembro. Escrevi a música “Better Off Alone” cerca de um ano atrás, durante uma queda de energia.

– O que o single nos diz? Qual sua mensagem? Eu sentei nessa música por um tempo. Eu gravei e depois regravei e reescrevi a maior parte. Eu senti que tinha amadurecido como pessoa e como artista, e que fazia mais sentido para eu escrever letras diferentes. Eu praticamente freestyle a ponte que diz “Se você é um amigo falso, coloque seu isqueiro no céu, todo mundo quer me deixar chapado, você diz que se importa, mas eu sei que é mentira – amigos de verdade podem ser tão difícil de encontrar, eu digo que estou bem, mas você sabe que eu quero morrer, posso dizer que você se foi pelo olhar em seus olhos”. Essa música é essencialmente sobre ser incapaz de entender como você está se sentindo. Eu luto contra a depressão e às vezes tenho momentos em que é muito difícil processar com o que estou lidando. No passado, fumei maconha para tentar sentir algo diferente do que estava sentindo. Essa música também é sobre se sentir profundamente sozinho e sentir que você está melhor assim. Minha música é um retrocesso ao pop punk Y2k. Como uma pessoa de cor (sou meio mexicano), adoraria contribuir para abrir espaço para pessoas de cor na música alternativa. Eu acho que é muito importante para mim ser uma latina fazendo música dominada por homens brancos.

– Comente a respeito da sonoridade da canção. Eu não consegui ver ninguém como eu fazendo o tipo de música que eu gostava enquanto crescia, então eu adoraria ser isso para outras pessoas. Você pode transmitir minha música em qualquer plataforma. Better Off Alone já está disponível. Obrigado por ler. Adeus.

                Respostas de Princexa

New City Temples – “Shut Your Eyes” – (Grécia) – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra de “Shut your Eyes”? SYE é uma música sobre o destino.
Fechar os olhos é uma forma de se livrar da culpa. Às vezes não somos
capazes de mudar o que o destino nos trouxe então fechamos os olhos é a nossa melhor escolha. É baseado em uma história de perda e luto que estava por vir e ninguém poderia fazer nada a respeito.
– O que nossos jovens acharam do som do single? É um single de sonoridade moderna, a produção lembra bandas como musa e kasabian, fresco com muitos teclados, sintetizadores, violinos etc. Em termos de composição é uma música simples com uma estrutura muito utilizada.
Respostas New City Temples

Gio Bermejo – “PAIN” – (Espanha) – [MINI ENTREVISTA]

– O que é retratado na letra? A música fala sobre meu pai e sua morte. Quando ele estava no hospital, ele sentiu muita dor e lá fora estava chovendo, então essa música é uma espécie de oração para ele, se ele finalmente pode sentir a chuva.

-Qual a relação de “PAIN” com a música e cultura espanhola? Nada realmente, eu sou provavelmente o único artista espanhol fazendo esse tipo de música agora.
Respostas Gio Bermejo

Como você pode definir a sonoridade de “PAIN”? O som é inspirado na música que eu mais gosto. doo woo e rock and roll

Respostas Gio Bermejo

Elia Casu – “Dos Lunas” – (Itália) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiro, apresente-se aos nossos leitores. Primeiramente gostaria de cumprimentar os leitores e agradecer por me receberem em seu espaço. Meu nome é Elia Casu e sou um músico italiano. Mais precisamente, venho da Sardenha, uma ilha no meio do mar Mediterrâneo. Moro em uma das cidades mais bonitas do mundo, Istambul, há quase oito anos, onde combino minha carreira artística com uma feliz atividade como professora de música em uma das escolas italianas da cidade. Após vinte anos a ensinar e a tocar música experimental e jazz, senti a necessidade de me dedicar a uma forma musical mais próxima da canção, e assim nasceu a ideia de lançar singles. A partir de 5 de dezembro de 2022, serão lançadas em todos os canais digitais quatro músicas que de alguma forma representam as diferentes almas musicais que coabitam em mim, as almas experimental, eletrônica, pop e jazz. O primeiro desses singles se chama Dos Lunas.

O que o single nos diz? Qual é a sua mensagem? A música de Dos Lunas nasceu após uma longa permanência na América do Sul, mais precisamente no Peru. Na verdade, morei um ano em Lima e lá entrei em contato com a cultura sul-americana, pude descobrir a cordialidade e a gentileza do povo peruano, respirei o ar dos Andes e me perdi nas paisagens do Amazonas. Embora na música predomine o som do meu ukulele (instrumento de origem havaiana), acredito que seja muito forte a influência da música andina e das paisagens peruanas. O texto veio depois, após a leitura do romance 1Q84 de Murakami. A letra da canção transporta-nos para um mundo suspenso entre o sonho e a realidade, onde dois amantes, que ainda não se conhecem, mas que estão indissociavelmente ligados pelo destino, olham pensativos para o céu. Os dois amantes observam duas luas na abóbada estrelada, que, melancólicas e maternais, lhes dão esperança e coragem num momento difícil.

Você diz que “Dos Lunas” é uma síntese de diferentes linguagens musicais. Conte-nos algo mais. Sempre gostei da mistura de linguagens e músicas diferentes, e minha formação é muito heterogênea. Muitas vezes minha música é composta de uma mistura de diferentes elementos. Em primeiro lugar porque gosto de tocar e manipular a matéria musical em todas as suas formas, e ao mesmo tempo porque sou uma pessoa muito curiosa que adora experimentar. Em Dos Lunas você pode ouvir influências andinas no som do meu ukulele, fraseado de jazz no clarinete de Francesco Ganassin, referências ao mundo clássico no violoncelo de Yasemin Minguzzi. Para me fazer companhia no single estão dois outros músicos que vêm da Sardenha, mas que estão ao redor do mundo, Claudio Melis e Andrea Ruggeri.

Existe alguma história ou curiosidade relevante sobre o lançamento? Dos Lunas chega seis anos depois da publicação do meu primeiro trabalho a solo (ELYA – Glaciers), um trabalho que se equilibra entre a música eletrónica e a pura experimentação. Em vez disso, Dos Lunas se distancia da música eletrônica e abraça sons mais quentes, completamente analógicos e espontâneos. Dos Lunas é o primeiro de uma série de quatro singles que serão lançados nos canais digitais nos próximos meses e que se intitulam My Sweet Lover, Lima and Babel. Participam desses lançamentos os amigos músicos que me fizeram companhia ao longo dos anos.

Respostas Elia Casu

Soul Meets Body “Chaotic Energy” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiro, apresente-se aos nossos leitores. Soul Meets Body é uma banda de Washington, DC. A banda é atualmente composta pela vocalista e letrista Genevieve Moore, e pelos multi-instrumentistas Brandon Breazeale (que toca principalmente bateria, teclado e guitarra) e Nathan Scholz (que toca principalmente guitarra e baixo). Brincando, nos referimos a nós mesmos como “três metades de um idiota inteiro”, não nos levando muito a sério e nos certificando de que tudo o que fazemos como banda é divertido.
Dito isso, abordamos muitos tópicos profundos em nossas músicas e, musicalmente, somos influenciados por uma ampla variedade de estilos e sons, desde hardcore a rock clássico, indie e sons pop. Não há um som ou estilo que esteja totalmente fora dos limites para nós como banda, mas a maioria de nossas músicas se enquadram no estilo pop punk em geral, talvez com um pouco de peso às vezes.

– O que o single nos diz? Qual é a sua mensagem? Genevieve: Chaotic Energy reflete a luta no mundo como uma pessoa neurodivergente e percebendo que nem todos serão capazes de seguir os mesmos caminhos na vida. Agradar as pessoas é uma luta comum entre pessoas com TDAH e autismo, mas muitas vezes é prejudicial para sua própria saúde mental.
Essa música ecoa a percepção de que nem todo mundo vai gostar de você, além de se sentir confortável em seguir a própria intuição, tudo embalado em um hino explosivo que, sem dúvida, fará você gritar quando chegar ao fim.

– Comente sobre o som da música. Nathan: Acho que a força motriz é que deve soar como um hino e épico. Claro, cobre um tópico bastante pesado, mas também é sobre ter orgulho de quem você é, e acho que a música realmente reflete isso.

– Existe alguma história ou curiosidade relevante sobre o lançamento? Nathan: Esta é a nossa primeira incursão real na promoção e lançamento da música de nossa banda em uma escala tão ampla quanto possível, e estamos muito animados em compartilhá-la em todo o mundo. Estamos super honrados com todo o apoio que recebemos antes deste lançamento e estamos muito animados para compartilhar essa música com todos. Esperamos que isso ressoe com as pessoas e que possamos continuar a crescer nossa banda daqui em diante.

                 Respostas em conjunto da Soul Meets Body

Samuel Ferraz-Leite – “Humans” – (Austria)

Com uma gravação caseira, em seu próprio e não muito equipado estúdio, o cantor e compositor austríaco Samuel Ferraz-Leite gravou uma canção boa e de ser respeitada em termos de intensidade, verdade e qualidade em tantos sentidos. Emocionante, a letra de “Humans” surgiu a partir de um período turbulento da vida de Samuel e, portanto, ele mesmo a considera bastante pessoal. No entanto, a mensagem de “perdão a si mesmo e aos outros” nos soa universal. O cara diz que “Afinal, somos todos apenas humanos“, como uma forma de mostrar o quanto precisamos do que esta canção oferece, sem que ninguém esteja realmente liberto das dores da vida.

Eu gostaria de poder aumentar muito mais minha produção – mas isso é o melhor que posso fazer no meu estúdio caseiro.”, essa é a humilde frase dita pelo artista no comunicado de imprensa, e minha resposta é: “Você conseguiu o mais importante Samuel, que é alcançar o meu coração”.

Confira!

Sheldon Gava – “Poor Mr Brown” – (Jamaica) – [MINI ENTREVISTA]

– APRESENTAÇÃO DO ARTISTA: Sou Sheldon Gava, um poeta/artista independente nascido na Jamaica e residente nos Estados Unidos. Desde 2008, lancei 4 álbuns, 3 EP’s e alguns álbuns de mixagem. Apresentando faixas que variam em gênero de Reggae, Hip Hop, Dancehall, AfroBeats, Soul, Blues, Spoken Word, EDM etc. Strictly Roots Reality Music de uma forma Rastafari crua, com um coração de amor.

– O QUE A LETRA DE ” Poor Mr Brown ” NOS DIZ? ” Poor Mr Brown ” é uma história verdadeira sobre o Sr. Brown, o proprietário do prédio onde cresci no Brooklyn, NY. O Sr. Brown e sua esposa eram trabalhadores rurais jamaicanos migrantes na Inglaterra. O casal economizou seu suado salário e comprou um prédio de apartamentos em Nova York na década de 1970. Embora os vizinhos, ou mesmo meus próprios pais, vissem o Sr. Brown como um velho malvado. Lembro -me do Sr. Brown como a única figura do Avô que já conheci, visto que ambos os sangues do Avô trilharam com os ancestrais antes de eu nascer.

– QUAL É A MENSAGEM? Brooklyn hoje viu um declínio de proprietários de edifícios independentes, como o Sr. Brown, devido ao aumento dos preços dos impostos. Deixando poucas opções além de ser comprado por grandes corporações. Corporações famintas por dinheiro precificando residentes de longa data longe das únicas casas que muitos já conheceram. Infelizmente, não apenas o Brooklyn, a gentrificação assola os moradores pobres da classe trabalhadora de cidades em crescimento em todo o mundo. ” Pobre MR Brown ” traz consciência para a falta de classe do classismo.

– COMENTA SOBRE O SOM DO SINGLE: Em ” Poor Mr Brown “, Sheldon Gava combina um Reggae Sing-Jay Vocal Delivery com um Emo Hip-Hop Lo-Fi Instrumental contando uma história melancólica e otimista do Brooklyn

– COMO ESTA MÚSICA SE RELACIONA COM A CENA MUSICAL E CULTURAL DA JAMAICA? ” Pobre Mr Brown ” mostra musicalmente a rica história da revolução da Jamaica por meio de uma melodia descolada. A cultura Rastafari na Jamaica, representada por Sheldon Gava, trouxe o Righteous Word Sound no passado, ajudando a acabar com o Apartheid, reformando as leis globais sobre a maconha e promovendo uma mensagem de paz e amor em todo o mundo. Esperançosamente, ” Pobre Sr. Brown ” alcançará os corações dessas corporações gananciosas, perversamente abandonadas, trabalhadores duros nesta era de gentrificação. “Humanidade acima da Vaidade” Gava diz.

Respostas Sheldon Gava

Mountain Town – “Galway Girl” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Apresente-se aos leitores do Além da BR. Mountain Town é um grupo americano com sede em Park City, Utah, nos Estados Unidos. Seu som é orgânico e influenciado pela música country tradicional.

– Comente sobre a sonoridade do single. Qual a narrativa contada na letra da música? Qual a relação de “Galway Girl” com a música norte americana: ‘Galway Girl’ apresenta um ritmo e batida que os ouvintes reconhecerão como de origem e influência hispânica e a história de um cowboy americano e o amor de uma mulher – essas são partes centrais da música americana.

– Apresente a banda aos leitores do Além da BR. Mountain Town não é uma banda mainstream – é uma banda de sucesso regional do que é chamado de ‘The Intermountain West’. Um lugar de sol, altas montanhas e gente boa que gosta de dançar!

             Respostas do intregrante Jonathan Kolon

Fabien Gravillon“Bonita” – (França) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você canta na letra da canção? Há alguma mensagem central? Na música, faço uma verdadeira declaração de amor à mulher que sempre sonhei em conquistar. Digo a ela que mesmo que um dia eu tenha que partir, ela sempre estará em meu coração. Eu o faço entender que não quero o amor dela por pouco tempo, quero o amor dela para a vida toda, é quase um pedido de casamento.
– Comentem sobre a sonoridade e arranjos do single. A música é uma mistura de zouk, kizomba e pop O ritmo é bastante lento e muito dançante. O baixo e as guitarras combinam muito bem com a minha voz e com a linda voz dos coros femininos.
– O que este single diz sobre você, sua carreira musical e artística? Como autor e co-compositor deste single, posso dizer-vos que me traz muito a nível pessoal, porque quando escrevi a letra pensei numa aventura que já tinha vivido com alguém que amava muito. No meu percurso musical e artístico, este single tem para mim uma importância muito especial porque é a primeira vez que canto em duas línguas diferentes no mesmo título e, sobretudo, é a primeira vez que canto em português, uma língua que adoro, mas que não é a minha língua materna. Cantar em várias línguas abre-me portas para mais mercados a nível internacional. E fico muito feliz de ter minha música descoberta no Brasil.
– Por fim, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Meu nome é Fabien Gravillon, sou um cantor francês e tenho o prazer de apresentar meu novo single “Bonita” que me diverti muito cantando em francês e português para vocês.

Respostas de Fabien Gravillon

Kevin Kennedy iii – “Second Guessing (feat. Paper Animals)” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a narrativa contada na letra da música? Second Guessing é sobre adivinhar a si mesmo. É a ideia por trás de se perguntar “e se” ou “o que poderia ter sido” em qualquer situação social. No entanto, em nossas letras, reduzimos a ideia do relacionamento que poderia ter sido se o personagem principal tivesse acabado de conversar com a garota por quem ele tinha uma queda. Muitas vezes na vida, escolhemos o caminho mais fácil e não enfrentamos nosso medo em ambientes sociais. A pior parte é que nos culpamos mais tarde por nossas escolhas, quando na realidade enfrentar nosso medo teria sido a opção mais fácil e rápida. A segunda adivinhação levanta a questão: como as coisas poderiam ter sido diferentes?

– Como você define o som dessa música? Acho que nossa música soa como surf country combinada com punk rock. The Paper Animals traz aquele som indie cru da Sérvia e Kevin combina suas raízes country dos EUA para criar algo único, rock e nostálgico.

– Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? A parte interessante dessa música é que ela foi gravada durante a cobiça na Sérvia. A Sérvia foi um dos únicos países que permaneceu aberto e permitiu a chegada de viagens.  Kevin mudou-se para Belgrado para trabalhar com os Paper Animals nesta música. É muito legal ver bandas e músicos compondo de todos os cantos do globo e combinando seus sons.

Respostas Kevin Kennedy III

JNO “Trance (feat. Brandi Desiree)” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que a letra da música nos diz? Qual é a sua mensagem? A música é sobre amor e romance. É uma música disco que fala sobre como você pode se apaixonar por alguém só de olhar para ela. Nossa mensagem para esta música é dar uma chance ao amor e se você se sentir atraído por alguém, atire. 

– Como você pode definir o som de “Trance”? O som do Trance é definitivamente uma vibe R&B disco. Usamos um piano retrô, guitarra elétrica, vocais, bateria e baixo cústico. Queríamos criar uma música que qualquer um pudesse dançar.

– Comente sobre essa parceria entre JNO e Brandi Desiree? Brandi e eu trabalhamos há mais de um ano. Temos várias colaborações abrangendo esse período de tempo. Meu próprio catálogo de música original consiste em mais de 70 projetos musicais neste momento. 

MYEPK: Joshua Nathan Ortañez (nascido em 20 de março de 2000), conhecido profissionalmente como ” JNO “, é um cantor filipino-americano de 22 anos criado no norte da Califórnia que embarca em uma jornada musical de todos os gêneros para contar histórias envolventes ao mundo por meio de sua música. Estabelecido com uma marca contagiante e uma motivação implacável e apaixonada, a música corre em suas veias e vem de sua família por gerações. Através da construção de melodias complexas, acordes, ritmos e harmonizações por uma ampla variedade de instrumentos distintos, juntamente com muitos artistas talentosos, ” JNO ” o leva a uma montanha-russa emocional de sentimentos e humores. Atualmente residindo em San Francisco, Califórnia. Com um home studio profissional, ” JNO “ lançou 71 Faixas, 6 EPs, 10 Recursos + 1 Álbum a partir de 2014. jno .one | © 2022 JNO Records

Respostas JNO

The Quiet Project – “diamond mind” – (Antártica) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Olá, sou Jane (compositora) do The Quiet Project.

– O que o single nos diz? Diamond Mind é uma música que venho elaborando há muitos anos de diferentes maneiras, buscando a alma, e organizando partes enigmáticas da orquestra. 

– Qual é a sua ideia e mensagem para o mundo? A mente de diamante compartilha a ideia de que quando dois objetos colidem, objetos sem valor podem se tornar extremamente valiosos. A violência da mudança pode quebrar coisas, mas a mente de diamante é uma das substâncias mais resistentes da terra. Ele sobrevive à destruição da criação.

– Qual é a inspiração para isso? As letras são minha poesia, aqui estão elas, “Sempre chego atrasado, por que não pude salvá-lo? Maneira de me decepcionar devagar, seu corpo quebrou minha queda. Eu não te conhecia.

– Como você pode definir o som do single? Uma coleção suave de interações de cordas de guitarra. Minha voz. Nesse sentido, desenvolvi shows ao vivo com guitarra camadas empilhadas com um pedal de loop ao adicionar piano clássico. Em outras palavras, a existência de colisão dos detalhes entrelaçados.

Respostas The Quiet Project

Cynthia Hamar – “Where Your Love Lives” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra da canção? Qual sua mensagem? Recentemente, tive um pequeno colapso quando minha sobrinha me enviou algumas fotos antigas de meus filhos (eles têm 24, 23 e 21 anos agora) e instantaneamente tive esse desejo por uma casa que era há muito tempo. Ainda tenho uma casa, parece diferente agora e o ninho vazio é muito bom. O ninho vazio também é uma espécie de redescoberta do lar. Então essa música se tornou uma canção de amor para meu marido; “Lar é onde mora o seu amor”. Isso pode significar muitas coisas e não se aplica apenas a um relacionamento íntimo. Acho que foi esse conceito que mexeu com as saudades de casa, o nosso amor vivido ali, naqueles momentos do tempo e foi isso que nos trouxe de volta para casa.

– Descreva para nós os momentos de composição. Esta música foi escrita originalmente para um concurso de composição da Bent River Records, o selo da MacEwan University em Edmonton, e demorei um pouco para escrevê-la. Originalmente, comecei a brincar com a ideia de como seria encontrar o caminho de casa; o que é casa mesmo. Os acordes vieram apenas tocando em Dmin usando seu relativo Maior para levantar o refrão. A batida é puxada de uma ideia simples de apenas andar (com um pouco de salto) como o segundo verso se refere; “Um pé na frente do outro e as sementes começam a crescer”.

– Como você pode definir a sonoridade do single? Um pouco de inspiração de Nick Cave neste. 

– O que representa o clipe? O videoclipe expande a letra; “Lar é onde mora o seu amor “. Filmamos minha guitarra e eu na frente de uma tela verde e, em seguida, adicionamos filmagens antigas de família em VHS para atrair o público para as memórias envolvidas na composição da música. Esses são meus filhos quando pequenos. Eu amo tanto o vídeo, mas sou um pouco tendenciosa 🙂

Respostas Cynthia Hamar

Feedbag – “Kiss Me (Sixpence None The Richer Cover)” – (MINI ENTREVISTA]

– Por que a decisão de gravar um cover desta música? Eu estava assistindo Dawson’s Creek quando Kiss Me começou e me lembrei que é um sucesso absoluto! Eu sabia que precisava fazer algo com isso. Eu estava mergulhado na era do drama adolescente dos anos 90 e parecia adequado trabalhar em uma música como essa.

– Faça uma reflexão sobre a letra e a sonoridade do single. A letra me parece muito adolescente, fantasia e jovem amor. Como se eu estivesse no ensino médio sonhando acordada com minha paixão. O som da capa é meio sonolento e um pouco mais triste e sombrio que o original. É meio que uma maneira perfeita de finalmente aceitar e mostrar o lado brega e romântico do meu cérebro enquanto incorporo a parte profundamente triste de mim de uma forma menos vulnerável do que o normal.

– Há alguma curiosidade ou história interessante sobre o lançamento? Durante a maior parte de 2020, quando gravei isso (mas também na maior parte do resto do tempo), dependia fortemente da TV como escapismo do mundo real. Os dramas adolescentes dos anos 90 que eu estava assistindo realmente tomaram conta de mim e saiu essa capa!

– Agora peço que se apresentem aos leitores do Além da BR. Meu nome é Kiana Endres e sou Feedbag! Sou multi-instrumentista e artista e trabalho em uma loja de discos. Minha coisa favorita para fazer no meu tempo livre é andar de patins. Flesh Freaks é meu primeiro lançamento em uma gravadora e estou muito feliz com isso!

               Respostas de Kiana Endres (Feedbag)

Lunatic High “#DAFTP” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se! Nós (Rob, Daniel, Ryan e Nati) somos Lunatic High: Uma banda de Hard Rock de Baltimore (EUA), e Campo Grande, Brasil. Fomos concebidos em um mundo pós apocalíptico (também conhecido como “pós Covid quarentena”) e nos especializamos em riffs pesados, melodias contagiantes e vibes frenéticas, capazes de derreter o seu cérebro com um refrão de apenas 15 segundos. Também nos identificamos com o rótulo de “aquela banda da sua cidade que todo mundo conhece, mas que é muito ruim e aceita fazer qualquer gig em troca de catubreja e churrasquinho de gato”. 

– O que a letra de “#DAFTP” nos diz? Qual sua mensagem? – Comente sobre a sonoridade do single. #DAFTP chama a atenção às instituições de poder nos Estados Unidos – especificamente o modo em que elas, sorrateiramente, mantem as rédeas curtas em sua população. O refrão descreve o conceito de tomar tudo de alguém e não devolver nada em troca, sob a justificativa de que “tudo vale a pena, pelo Sonho Americano”. Quando se trata da qualidade sonora do single, optamos por versos mais serenos que contrastam a bateria e guitarra pesadas dominando o refrão, uma melodia vocal que invoca tristeza e raiva de um indivíduo para com seu sistema, e um mix que amarra todos esses elementos juntos e os entrega de uma maneira explosiva, bem na sua cara. Pelo menos foi o que tentamos fazer! Grande parte da linguagem que usamos na letra de #DAFTP se parece com termos de Adoração usados em igrejas protestantes, no Brasil e nos Estados Unidos. Esse é um paralelo muito interessante entre vários países das Américas… As instituições que pregam o “valor” do trabalho duro e da meritocracia, ignorando completamente os problemas sistemáticos que encontram, se alinham muito bem com a filosofia cristã protestante do ocidente. Ambas dizem que, independentemente do seu contexto histórico, social, familiar e financeiro; qualquer um consegue atingir um status de elite e respeito, se dedicarem todo seu tempo e energia ao trabalho, e confiarem em um poder superior. E essa idealização do Sonho Americano é a maior armadilha que nos mantém alienados às verdadeiras reformas que precisam acontecer. 

– Qual a relação desta música com a cena musical e cultural dos Estados Unidos? Aquele abraço do Brasil! O clima político aqui nos Estados Unidos está ficando cada vez mais tenso… Novas gerações estão exigindo que seu governo realmente as represente, através de várias reformas, como saúde e educação públicas, taxação de grandes fortunas, redução das emissões de carbono e muito mais. Já é hora de coletivamente refletirmos sobre quanto mais nós vamos aguentar e qual será a nossa resposta a esse governo que não nos representa. Musicalmente falando, gêneros como hardcore e pop punk estão voltando para o mainstream, e muitas dessas bandas novas americanas (e brasileiras) estão usando sua arte como plataformas de protesto para criticar as falhas do sistema. Embora nós sejamos hard rock, esse foi um tema muito natural para cada um de nós abordarmos… Nós só tínhamos de fazer questão de atingir esse mesmo nível sonoramente. Por isso, focamos em um som mais pesado com uma atmosfera mais dramática. 

Tomara que vocês gostem! 

Respostas Lunatic High

Tom Morgan – “The Other Side” – (Estdos Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se! Meu nome é Tom Morgan. Sou um cantor, compositor e produtor de Los Angeles, Califórnia. Eu tenho tocado e escrito músicas durante a maior parte da minha vida. Eu lidero uma banda chamada The Black Pine Fire, onde desenvolvi o conceito original desta música. Meu álbum completo Red Wine Diaries foi lançado em 2018; no momento, estou lançando músicas para o álbum seguinte, que estou chamando de Angel City Nights.

– O que a letra de “The Other Side” nos diz? Qual sua mensagem? Este single atual, “The Other Side”, é uma música sobre saudade, sobre desejo, de querer estar tão perto de alguém que você cruzaria as profundezas da noite para estar com essa pessoa. Foi um grampo dos shows ao vivo da minha banda ao longo dos anos. E suponho que a mensagem continue: existe alguém lá fora que te completa, e você deve fazer de tudo para estar com essa pessoa; eles estão do outro lado de tudo que você conhece agora, e chegar lá é o objetivo, o motivador. Afinal, romance e paixão são a razão de vivermos, certo?

– Comente sobre a sonoridade do single. O som do single é rápido e positivo. É empolgante e comovente, complementando totalmente a letra. Enquanto trabalhávamos nisso, insisti que os violões não deveriam ser enterrados na mixagem, que deveriam ficar em cima dos outros instrumentos. Da mesma forma, eu queria que isso soasse o mais orgânico possível, pelo menos para dar aos ouvintes uma experiência “o mais viva” possível.

– Qual a relação desta música com a cena musical e cultural dos Estados Unidos? Culturalmente falando, “The Other Side” é um aceno para as grandes canções de rock de raiz do catálogo americano, mas apresso-me a acrescentar que rotulo meu som como ocidental americano, visto que moro no oeste americano (Califórnia) e tendo a preferir um som orgânico e acústico (com um pouco de eletricidade para garantir). É um gênero musical identificável; todo mundo adora guitarras barulhentas de vez em quando, e acredito que essa música oferece exatamente isso. Minha meta é ser gigante em Brasília, então vamos nessa!

Respostas de Tom Morgan

Penthouse Punks – “I Got My Own Apartment” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nos versos? Os versos contam a história de um jovem saindo da casa de seus pais e conseguindo sua própria casa para morar. A princípio expressando uma atitude de durão dizendo que não sente falta da família ou do cachorro de estimação. Exclamando em vez de um cachorro expressando ainda mais no segundo verso toda a diversão e bons momentos que ele espera ter ” vou me sentir livre pela primeira vez “. O tom começa a mudar um pouco no terceiro verso, mostrando algumas das duras realidades da festa excessiva.“ele tem um gato”.

 ” Acabei de acordar no chão”

Então, em um intervalo mais calmo, o personagem da música começa a mostrar dúvidas e tristeza.

“Dizem que se eu ficar triste e sozinho, sempre posso voltar para casa”

Mas então instantaneamente luta contra a melancolia com uma auto-afirmação“Esta é a minha casa agora”

Em seguida, de volta ao refrão e à celebração de cantar em voz alta ” EU TENHO MEU PRÓPRIO APARTAMENTO ” 

– Existe uma mensagem central?   Os cursos transmitem a mensagem central. Com um canto comemorativo repetitivo ” I Got MY Own Apartment “. Expressar esse sentimento de estar feliz por finalmente ter um lugar próprio para morar, independentemente do quão pobre ele seja, ou das más condições de vida.

– Comente o som do single. Afinal, que referências há nele? O som do single é baseado nas primeiras bandas de Punk Rock, como Ramones e Sex Pistols. Eu pensei que seus sons e atitudes realmente combinavam com o tema da música.

– Existe alguma história relevante ou curiosidade sobre este lançamento? Sim, esta história é baseada em uma fantasia real! Na verdade, quando saí da casa dos meus pais, fui morar com minha namorada, então foi uma experiência completamente diferente.

– Por fim, apresente-se aos leitores do Além da BR.  Meu nome é João Belmonte. Compositor e vocalista do Penthouse Punks. Trabalhei no arranjo dessa música com os membros da banda – Robert Kucera, Bob Anderson, Claude Callissini. Também tenho outra banda/projeto chamada Penthouse Plants, e atuo como artista solo JOHN X BELMONTE.

Respostas John Belmonte

Ryan Langdon – “Friends Don’t Let Friends” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

O que você está tentando transmitir nas letras? A música é sobre pegar seu amigo em um lugar escuro. É uma história sobre tentar convencer seu amigo a superar seu desgosto e ajudá-lo a seguir em frente. Meu objetivo é motivar outras pessoas que se encontram na mesma situação.

– Como você define o som do single? O som da música é um cruzamento entre o country clássico e o moderno. Eu acredito que essa música vai além da música e da cultura canadense. É uma música que eu sinto que não está limitada a um gênero. Embora tenha uma vibe country, é compreensível para muitas pessoas e fácil de ouvir, não importa qual seja o seu gênero favorito.

Como ” Friends Don’t Let Friends ” se relaciona com a música e a cultura canadense? Ryan Langdon é um grande cara com uma grande voz e um grande sonho. O canadense de Niagara Falls, ON, canta desde criança. Ele foi inspirado pela música country por meio de seu pai, que jogava futebol americano para os voluntários do Tennessee. Ryan jogou beisebol universitário nos Estados Unidos e, quando voltou, começou sua carreira musical. Ryan teve 3 top 40 e 1 top 30 nos outdoors do país canadense, e espera continuar quebrando seus próprios recordes.

Existem histórias relevantes ou curiosidades sobre este lançamento? Eu acredito que essa música é algo com o qual todos podem se relacionar. Todo mundo já passou por uma separação em algum momento de sua vida, ou teve um amigo que passou. Se um amigo estava lutando, você gostaria de ajudá-lo a sair desse funk e seguir em frente.

Respostas Ryan Langdon

Trevena“Drift Away”

– O que diz a letra da música? “Drift Away” é uma música muito especial para mim, então estou muito feliz por você ter perguntado sobre ela. Foi a primeira música que escrevi para o álbum e o título do álbum “Distant Lights” foi tirado da primeira linha da música. Escrevi a música após a morte prematura de meu irmão mais novo, Ian, e ela conta a história de uma alma perdida que não quer ser salva. A história é contada através da imagem do afogamento.

A ideia das palavras de abertura “Distant Lights” é representar as pessoas que procuram (tentam salvar) a alma perdida. As vozes abafadas são o som de vozes através da água, mas então elas estão indo na direção errada – a luz fica preta. A solidão da música é capturada na linha “Pegue minha mão agora, me segure de novo”.

– Quais são suas considerações sobre a sonoridade e arranjo do single? “Drift Away” é o som de marca registrada Trevena de violão misturado com guitarras elétricas. Originalmente, a música não tinha refrão e eu estava um pouco relutante em escrever um, pois queria ficar o mais próximo possível da composição original da música. Eu realmente gosto da introdução de guitarra assustadora e do longo final da música, especialmente a forma como a bateria se torna cada vez mais proeminente.

Respostas de Trevena

Jimmy D. Scott“Enough Is Enough” – (Estados Unidos)

“Já é suficiente”, é uma possível tradução do título do novo single do cantor e compositor estadunidense Jimmy D. Scott. O som, que sequencia o bem recebido álbum “Evening Wigh You” (2017), é uma resposta ácida, musical e poética à um problema clássico dos Estados Unidos da América: os famosos tiroteios em massa que assolam instituições como escolas, assim como todo confronto armado. Os 4 minutos de “Enough is Enough” falam sobre isso, com uma mensagem para desencorajar os atiradores e encorajar o público a se unir contra esta epidemia de balas de fogo e almas adoentadas.

“Basta” (outra possível tradução do título) está disponível também em videoclipe. Digamos amém para a paz com Jimmy D. Scott!

Daley Road“All I Ever Wanted” – (Austrália)

“All I Ever Wanted” é uma música experimental. Tal experimento, uma criação do cantautor James Kelly e do multi-instrumentista/produtor Hugo Lee, nos coloca diante de um universo musical de inspiração, de brisa, de vento no rosto, e de sensação de chegar ao céu. Apenas ouvir a canção, sem entender a letra devido às barreiras linguísticas, já nos dá essa identificação. Ter acesso a tradução, então, é intensificar tudo isso. Por este motivo, deixamos aqui a tradução.

Venha navegar seus navios

entre meus ossos

Venha navegar seus navios

entre meus ossos

Você era tudo que eu sempre quis

Você era tudo que eu sempre quis

Wick fica sem vela

Eu não sei as respostas para o seu amor

Wick fica sem vela

Eu não sei as respostas para o seu amor

Você era tudo que eu sempre quis

Você era tudo que eu sempre quis

É de surpreender que “Tudo que eu sempre quis” (tradução do título) seja apenas o primeiro lançamento deste duo. Se bem aventurado o duo australiano Daley Road foi logo no ponto de partida de sua carreira fonográfica, a expectativas é que o futuro seja promissor. Palmas, muitas palmas!

Sandra Bullet – “Longe (2022 Version)” – (Portugal) – [MINI ENTREVISTA]

– O que “Longe” diz? Qual sua mensagem? Esta música fala sobre a procura de sentido na vida, enquanto celebra a natureza humana eternamente insatisfeita. Temos de aceitar o facto de estarmos perdid@s, de que temos vindo a caminhar para o lado errado, antes de procurarmos o caminho certo. E neste sentido, percebermos que temos andado perdid@s ou longe do que realmente queremos não é de todo negativo; é apenas o começo de um novo capítulo.

– Como esta canção surgiu? Esta canção surgiu numa altura de muita incerteza, em que me encontrava a recuperar do final de uma relação amorosa de 10 anos, me encontrava dividida entre a minha cidade de residência (Coimbra) e a minha cidade natal (Setúbal), entre uma incerta carreira musical e um emprego garantido como Engenheira Mecânica, e entre a sanidade e a depressão. Depois de um período muito negro, comecei a ver com mais clareza e a perceber que no fundo tudo foi necessário para a minha evolução como ser humano. Daí ser uma música tão alegre. Foi como começar a ver a luz ao fundo do túnel.

– Comente sobre a sonoridade do single. Esta canção foi, como todas as minhas composições originais, composta, gravada e produzida integralmente no meu estúdio, e o processo foi muito pessoal do início ao fim. A bateria foi tocada pelo meu ex-colega de banda Ricardo Gaspar, o baixo, guitarras e voz foram tocados por mim, e todo o trabalho de tratamento de som que se seguiu foi também feito por mim.
Todo este processo faz com que a sonoridade fique também muito pessoal. Não quis nada muito complexo, nem com muitos instrumentos; quis muito que ficasse fiel à canção que compus quando apenas tinha uma guitarra clássica para me acompanhar. Daí ser uma canção intencionalmente simples, apesar de ter uma mensagem muito forte.

– Apresentação aos leitores do Além da BR. O meu nome artístico é Sandra Bullet, nome verdadeiro Sandra Lourenço. Fui vocalista e compositora de uma banda Rock de garagem por 12 anos chamada Silver Bullet; quando decidi continuar o meu percurso a solo mantive o sobrenome Bullet. Comecei apenas por cantar e compor (sempre de forma auto-didata), mas mais tarde aprendi também a tocar guitarra, baixo, também um pouco de piano e bateria. Depois comecei também a explorar a parte de gravação e mistura sonora. Durante um longo período da minha vida (até há 5 anos atrás) não acreditei na possibilidade de poder ser artista profissional, e então estudei e tirei um mestrado em Engenharia Mecânica. Trabalhei como engenheira por 3 anos e em 3 sítios diferentes, mas nunca fui feliz. Entretanto, juntei-me a comunidades internacionais de músicos online, e descobri formas de viver da música de uma forma profissional. Comecei a trabalhar como cantora contratada e desde aí nunca mais parei. Assim que me foi possível desisti da minha carreira como engenheira para viver da música.

– São cinco anos de carreira. Faça, resumidamente, uma leitura do que aconteceu nesse meio tempo em sua carreira. Desde que decidi seguir profissionalmente a música já tive várias etapas e aprendizagens. A primeira, que ocupa o primeiro ano, passou-se gravando e compondo quase de forma integral para outros artistas, e também com o lançamento do meu primeiro EP de originais, intitulado Longe, que incluía uma versão mais rudimentar deste single. Logo depois disso, no início de 2018, fui contratada por uma empresa americana que estava criando uma plataforma digital para streamers músicos. Durante os próximos dois anos, realizei concertos online para esta plataforma, e desta forma fui criando uma base de fãs e seguidores do meu trabalho como artista a solo. Continuei com os trabalhos para outros artistas, mas comecei a perceber que o que eu realmente queria era partilhar a minha música e a minha paixão pela música com o mundo. Lancei dois singles, Time Stood Still e Holdin’ On. Finalmente, em 2021 a plataforma de streaming cessou todos os contratos com músicos, e eu decidi apostar no meu trabalho a solo. Lancei o meu primeiro álbum intitulado Somewhere In The Crowd, criei uma linha de merchandise, e continuei os meus concertos online no YouTube e Twitch. Tem sido um desafio imenso, mas não podia estar mais feliz. A música permitiu-me fazer o que adoro, conhecer pessoas por todo o mundo, e a internet foi o veículo de tudo isto. Cada dia aprendo algo novo, e sinto-me muito grata por poder partilhar isso com os meus fãs; e por ter fãs com os quais o possa partilhar, claro!

Respostas Sandra Bullet

Jim Jacobs – “Over For Good” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, peço que se apresente. Olá, meu nome é Jim Jacobs e obrigado por seu interesse em “Over For Good”! 

– O que você diz na letra de ” Over For Good “? Qual é a sua mensagem? Escrevi sobre uma história real da minha vida, coisas pelas quais passei em um relacionamento anterior. Eu não sabia quantos outros homens haviam passado por esse tipo de coisa antes. Eu sabia que muitas mulheres passavam por essas coisas, pois ouvi muitas histórias e vi sobre o homem sempre no bar todas as noites e a mulher esperando em casa com as crianças. Eu nunca quis ser esse homem. Eu sempre voltava para casa todos os dias depois do trabalho para minha família onde você deveria. Mal sabia eu que as mulheres também faziam essas coisas. Eu pensei que eu era o único. Eu não descobri que muitos homens poderiam se relacionar até depois que eu escrevi e lancei a música e o vídeo. 

Aqui está a letra,

Ela costumava correr para casa à noite quando seu turno terminava Fazia
tudo exatamente como ela havia prometido
Mas as coisas pareciam mudar quando ela se voltava para o vinho
Oh, parece que eu perdi todo esse meu mundo
Refrão:
Eu tenho um mau pressentimento de que acabou para sempre
Eu simplesmente não consigo acreditar em você, não sei como pude
Depois de todas as suas mentiras, estão me dizendo a verdade
Eu tenho um mau pressentimento de que é acabou para sempre
Como eu gostaria que pudéssemos voltar a ser como éramos
desde o dia em que te conheci, você tem sido meu melhor amigo
Oh senhor, por favor me ajude, tive tudo o que posso suportar
Não sei como continuar sendo seu homem
Bridge:
Seu orgulho é tão forte, mais forte do que eu
E eu tentei o meu melhor, para fazer você ver
Apenas o que você tem feito comigo
E a dor é tão forte, que está me matando.
Eu tenho um mau pressentimento, que acabou de vez
Eu simplesmente não consigo acreditar em você, não sei como poderia
Depois de todas as suas mentiras, estão me dizendo a verdade
Estou com um mau pressentimento ruim, acabou de vez

– O que o vídeo representa, qual é a sua ideia?  Então eu acho que você poderia dizer que o vídeo representa algumas das principais coisas que aconteceram no relacionamento que se destacam em minha mente. Provavelmente há muito mais coisas que poderíamos ter incluído no vídeo, mas isso o tornaria muito ocupado e confuso. Fico feliz que as partes principais que foram capturadas e colocadas na história unam tudo e me dá grande conforto saber que outras pessoas se identificam com isso e se as palavras e o vídeo ajudarem alguém de alguma forma, fico feliz ter sido capaz de ajudar aquela pessoa

Respostas Jim Jacobs

Vital Humor – “Can you hear it?” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se aos nossos leitores. Meu nome é Joey Chmura. Eu sou originalmente de Atlanta, Georgia nos estados e agora resido em Nashville, Tennessee (Music City USA). A música me encontrou desde cedo. Como uma criança epiléptica nascida com função auditiva limitada, os milagres da medicina moderna me permitiram fazer duas das coisas que mais gosto, ir a shows (luzes) e ouvir música (som). Aos 8 anos, eu tinha tubos nos ouvidos e superei minha epilepsia mortal e olhava para a música com gratidão como algo que eu nunca deveria ser capaz de apreciar.

– O que o single “Can you hear it?” nos diz? Qual sua mensagem? “Você consegue ouvir?” é a segunda faixa do meu EP de estreia “Happy Accidents” A introdução que começa com uma mensagem de voz do meu amigo brasileiro (vá Brasil!) preparando o palco para uma história de mudança e redenção que se desenrola ao longo do álbum. A música em si é sobre estar apaixonado por alguém que está se apaixonando por outra pessoa. É uma percepção de que, embora superficialmente tal cenário pareça uma traição flagrante, há um bem inerente em desacordo com a traição… O verdadeiro amor que o ex-parceiro compartilha com seu novo amante.
No contexto da história dos próximos EPs… Depois de algum tempo e reflexão, o protagonista pensa em um relacionamento passado e como ele se desfez. Lamentando que seu “coração de veludo” seja “pintado de azul”. e como ele acredita que ambas as partes foram contaminadas pelo amor não correspondido. Os vocais de chamada e resposta no refrão pretendem retratar as conversas com seu ex-amante em sua memória. Mais tarde no EP, esta música culmina em uma grande percepção de que embora “as boas intenções deixem uma contusão“, ao recontextualizar a situação, o protagonista é capaz de superar suas próprias reservas com amor. Ele é capaz de confiar novamente e acreditar que as coisas funcionam da melhor maneira … mesmo que no momento ele não seja capaz de ver isso.

– Quais são suas considerações sobre a sonoridade do single? Toda a faixa é construída na bateria tocada por Daniel Sousa (Bones of JR Jones). Ao gravar com Cameron Neal (Shakey Graves/Elle King), inicialmente gravamos a música com guitarras pesadas no estilo Jimi Hendrix. Sabíamos que queríamos que a batida fosse uma reminiscência do baterista do The Bands, LeVon Helm, e continuamos com isso. Mas conforme eu passava um tempo com a faixa, troquei as guitarras em favor de uma guitarra de refrão mais descontraída que homenageia o som da “música indie“. Adicionei alguns delays reversos legais e uma linha de baixo bacana de Haden McKay e acabei com a música que você ouve hoje.

         Respostas de Vital Humor

Eleanor“Make Sense” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– O que a letra da música tenta transmitir? A letra fala sobre a frustração de não alcançar os marcos da vida em tempo hábil. Essa música é um encorajamento para os desapontados, ou pelo menos um reconhecimento de que esses sentimentos são reais e dolorosos. Eu tentei terminar a música com uma nota esperançosa. Há tempo de lamentar, mas também quero me curar e ter um final feliz.

– De que contexto surgiu a música? De certa forma, é uma música pandêmica. A música é enquadrada como uma conversa entre minha mãe e eu. Eu enquadrei essa música como uma chamada e resposta entre minha mãe e eu para que eu pudesse articular as idas e vindas pelas quais nos colocamos internamente quando nos sentimos inseguros.

– Quais são seus pensamentos sobre o som e arranjo do single? Na verdade, fui muito inspirado por Tierra Whack. Percebi uma liberdade de expressão na forma como ela aborda a produção, ouvir Whack World me ajudou a ser um pouco estranho e arriscar com o meu som. Na verdade, alguns de meus amigos contorceram suas vozes para cantar vocais de gangue na faixa.

– Deixo este último espaço para você se apresentar. Meu nome é Eleanor, sou irmã, cantora e estudiosa. Minha música é pessoal e contemplativa, e minha maior esperança é que minha música ajude as pessoas a se sentirem vistas.

Respostas de Eleanor

Sorg & Napoleon Maddox – “History’s Page” – (França) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nos versos de “Página da História”? Existe uma mensagem central? Em “Página da História” estamos perguntando, aos ouvintes e a nós mesmos, “quão melhor faríamos se pegássemos os detalhes mais feios da história e colocássemos essas situações em nossas mãos para administrar? leu nas páginas da história?”
– Como você define o som e o arranjo? Definimos o som e o arranjo como uma balada de Blues reflexiva
– Qual a ligação dessa música com a cena musical e cultural da França?
A ligação com a música e a cultura francesa é que o guitarrista/compositor (Sorg) é francês e o vocalista/poeta (Napoleon Maddox) é dos Estados Unidos, mas mora na França. Napoleão também está estudando e fazendo arte sobre o líder revolucionário haitiano, Toussaint Louverture, que lutou contra os franceses pela independência do Haiti para acabar com o domínio colonial e a escravidão em 1800.
– Por fim, apresente-se aos leitores do Além da BR. Somos Sorg & Napoleon Maddox. Essa música “History’s Page” é a 12ª faixa do nosso novo álbum “LOUVERTURE“. Este é o nosso 5º lançamento. Temos 3 EPs e 2 álbuns. Sorg compõe a música e Napoleon Maddox escreve as canções e os arranjos vocais.

Respostas Sorg & Napoleon Maddox



Gus Walker – “Come Find Me” – (Holanda) – [MINI ENTREVISTA

– O que você diz nos versos de ” Come Find Me “? Existe uma mensagem centralCome Find Me é uma música sobre união, amor e conexão. A principal mensagem da faixa é que nós, as pessoas do mundo, devemos nos unir. Nossas diferenças são o que nos torna bonitos e devem ser o motivo para conectar, não para dividir. O refrão diz tudo. ” Venha me encontrar, juntos, onde quer que você esteja, eu confio em você, precisamos de você, não precisa se apressar” 
Como você define o som e o arranjo? Come Find Me é produzido pelo meu colaborador e querido amigo Boudewijn Pleij. Ele é um músico, produtor e compositor muito talentoso e estou muito feliz por ele ser tão capaz de traduzir minha visão em som. Eu faço música com o coração e às vezes pode ser difícil explicar o que quero dizer, mas ele sempre entende porque estamos muito bem conectados, tanto no palco quanto no estúdio. Em termos de som, nós dois amamos muito o reggae e o hip-hop e queríamos combinar esses gêneros nessa faixa (e no meu próximo álbum). A cereja do bolo é a trompa comandada por Lauran Neerincx, outro querido amigo e talentoso músico. Eu amo o som e a alma dos instrumentos de sopro, especialmente na música reggae. Estou muito feliz que funcionou dessa maneira.

– Qual é a conexão dessa música com a cena musical e cultural holandesa? Essa é uma pergunta difícil de responder, porque eu cresci na Holanda e, inconscientemente, provavelmente existe uma ligação com a cultura holandesa – mas não estou ciente disso. Nunca ouvi música holandesa, minhas principais fontes de inspiração são os artistas clássicos do reggae, a música africana e os rappers americanos. Meu som e ideias são formados principalmente com base nesses sons. Além disso, sinto-me em casa em todos os lugares, por isso não tenho certeza de qual é realmente o vínculo com meu país. A Terra é o lar.

 Por fim, apresente-se aos leitores do Além da BR. Olá, leitores do Além da BR – meu nome é Gus Walker. Sinto-me honrado pelo caloroso apoio e apreço do outro lado do mundo. Estou muito feliz por você sentir minha música e adoraria tocar em seu país e me conectar com você. Caminhe comigo. 

Respostas Gus Walker

Mollie Rainwater “Winter Wonderland” – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se aos nossos leitores do Além da BR. Eu sou Mollie Rainwater. Uma cantora e compositora americana. Eu escrevo a maior parte da minha própria música, mas faço covers de vez em quando!

– O que você canta na letra da canção? Winter Wonderland é uma canção clássica de Natal. Eu queria quase reinventar a música para que fosse uma música de Natal, mas também pudesse ser tocada em qualquer época do ano. 

– Comente sobre a sonoridade e arranjos do single. Eu escrevi a música para que parecesse uma versão mágica da música. Criei uma sensação lenta, suave e pacífica em torno da música. 

 Essa música é perfeita para as férias! Ouça!

Respostas Mollie Rainwater

Benjamin Lynnerup – “My Heart’s a Square” – (Dinamarca) – [MINI ENTREVISTA]

– Apresente-se. O que você diz na letra da música? E qual é a sua mensagem?  Sou Benjamin Lynnerup, cantor/compositor do norte da Dinamarca. Anteriormente, formei e liderei a banda de Ska/Rock-Fusion Well Done Coyote, mas agora me voltei para empreendimentos solo no reino Folk/Indie acústico. Juntei-me ao estimado produtor Mads Brinch, de Copenhague, para gravar alguns singles crus e autênticos, indo direto ao cerne de cada música. O primeiro lançamento desta cooperativa foi Transition Type Deal? lançado em 19 de agosto deste ano. Meu coração é um quadrado é uma canção de resignação gentil, quando os amantes aceitam o fato de que seu tempo juntos acabou e não há ninguém ou nada para culpar além das circunstâncias. É a história de um adeus agridoce estendido com resignação e perdão. Muitas vezes, as coisas não saem como planejado, e tudo o que você pode fazer é aceitar isso. Algumas coisas não são para acontecer.
Acho que minha mensagem é que, por mais sombrias que histórias diferentes de desgosto nos deixem, isso também passará. Em termos de produção, nós realmente tocamos muito, sem realmente ter um som final ou objetivo em mente. Adicionamos as diferentes camadas pouco a pouco, brincando no estúdio tarde da noite e brincando com isso até que tivéssemos um
Comentem sobre o som e os arranjos do single. paisagem sonora que parecia comunicar a música e seu conteúdo lírico. O único objetivo era tentar manter uma plataforma crua e acusticamente dirigida.
É possível estabelecer uma ligação entre ” My Heart’s a Square ” e a música e cultura dinamarquesa? Em termos de estabelecer uma conexão entre My Heart’s a Square e a vibração nórdica em geral, eu diria que a estética sônica realmente fala a linguagem e a vibração nórdicas. Acústico, melancólico, sombrio. mas sempre esperançoso e com um toque de promessa, tal como o solo nórdico em que nasci e cresci. Benjamin Lynnerup
Respostas Benjamin Lynnerup

Remilekun – “Magnify” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se aos nossos leitores do Além da BR.   – Remilekun é um artista de música cristã contemporânea baseado no Reino Unido com uma mensagem para inspirá-lo a mudar seu mundo com a inspiração de Deus através de Suas palavras. Com lançamentos populares como “Live”, “You are Great”, “Revelations”, “Mama’s Song” e “Rising High“, ela oferece interpretações convincentes que levam você à luz.

– Você diz que a música reflete sobre a jornada de sua vida. O que isso significa? Existe alguma história interessante ou curiosidade sobre o lançamento? Eu vi Deus intervir, nos momentos mais sombrios, abrindo caminhos e dando avanços que não consigo entender ou descrever. ” Magnify ” foi elaborado a partir dessas experiências. Espero que ao ouvir ” Magnify “, você possa se conectar com ela e realmente apreciar o amor e a presença de Deus.

Afinal, o que a letra nos diz? A letra expressa a profundidade da minha gratidão que estendo a todos enquanto adoramos juntos e a humildade em saber que se não fosse pelo Senhor do nosso lado, então as águas teriam nos submergido.

Comente o videoclipe.  O vídeo foi cuidadosamente criado para combinar com o tema ” Magnify ” e permitir que todos que ouvem a música se conectem uns com os outros e também com Deus. Por favor, compartilhe com familiares e amigos e espalhe esse amor. Curta, deixe seus comentários e se inscreva. Há mais para vir!

Respostas Remilekun

Herald K – “Circe” – (Noruega) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a narrativa contada nas letras de Circe? Nesta canção procuro descrever e evocar mais do que narrar. Evoque aquela ilha onde essa mulher viveu. Transmita algumas imagens do reino desta antiga femme fatale. Eu também tento aplicar uma expressão idiomática que tem algo em comum com a linguagem da Odisseia. Muita aliteração e certos motivos como a tecelagem, a festa, o vinho etc… Espero ter conseguido preservar um pouco desse homérico. espírito e humor…

– Existe uma mensagem por trás disso? Eu tentei evitar qualquer tipo de didática. Apenas pretendia descrever. Isso também é o que Homero tende a fazer por sinal. O engraçado que acontece quando você lê a Odisseia, é que aquela narrativa nua então começa a trabalhar em sua mente e seu inconsciente, e você acaba levando para casa mensagens dele. Eu acho que um dos efeitos colaterais que notei da minha versão desta história (depois de tê-la escrito) foi que havia parecia ser alguma ressonância pós-moderna de algum tipo. Poder-se-ia talvez le-lo também alegoricamente, aplicando-o à nossa sociedade moderna?

– Comentário sobre o som do single, em particular, nos vocais e diferenciados Arranjos. Existe alguma história interessante ou curiosidade sobre este lançamento?
Esta versão final masterizada é o resultado de MUITO trabalho duro. Jessica Slavik, que canta todos as partes femininas, foi dado um monte de desafios difíceis por mim. Pedi-lhe que fosse teatral, barulhenta, vulgar, sedutor e assim por diante. E menino ela entregou! Tão feliz que eu pude trabalhar com ela! Os outros dois os músicos também receberam desafios difíceis. Pedi a Stephan Steiner (acordeão e nyckelharpa) para ser assustador e feio e interessante, e ele entregou exatamente isso! Então Navid Djawadi (baixo) recebeu a tarefa de fazer seu baixo ereto soar como tambores tribais da selva, o que ele devidamente passou a fazer! E finalmente nós tivemos uma espécie de sessão de mixagem quase interminável (com a ajuda do produtor Robin Gillard) onde tentou misturar todos esses sons estranhos, aplicando, por exemplo, uma variedade de reverbs diferentes em ordem para trazer muitas camadas de profundidade para a mistura.

                    Respostas de Herald K

Sean King – “Tasmania” – (Austrália) – [MINI ENTREVISTA]

– O que é retratado nas letras? Minhas letras expressam a beleza do estado da Tasmânia, abaixo da Austrália.  É o estado mais bonito do nosso país, paisagístico e vívido, incomparável a qualquer lugar do mundo.

– O que te inspirou?  A Tasmânia está atualmente tentando ter seu próprio time de futebol na competição nacional, achei que era um bom momento para escrever uma música sobre a ilha, pois me apaixonei pela Tasmânia há cerca de 7 anos.

– Como você pode definir o som de “Tasmania”? É uma música de estilo country crua com um solo de guitarra slide-weissenborn.

– Qual é a relação dessa música com a cultura e a música australiana?  A Tasmânia é e sempre será o estado mais intocado do nosso país devido à área de patrimônio mundial no sudoeste da Tasmânia. É vasto, acidentado e também intocado por humanos, ao contrário do resto da Austrália. Também é amado por muitos australianos do continente. Minha música retrata esse sentimento para aqueles que a ouvem.

– Por fim, peço que se apresentem aos leitores do Além da BR. Eu sou um cantor, compositor e músico australiano de Melbourne. Recentemente, tornei-me pai e comecei a escrever música novamente após um hiato de 15 anos! Até agora estou gostando imensamente de voltar à música e compor.

Respostas Sean

 

Klintmoor“The Coolest Time” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se! Por trás da música de Klintmoor está o produtor e compositor Carlo Thurau, também conhecido como Kid Charlemagne. Formado em 2021, Klintmoor colabora com músicos da Europa, América do Norte e do Sul e toca com gêneros e sons pop alternativos.
– O que a música no diz? Há alguma mensagem? O título “The Coolest Time” é sobre manter a esperança em tempos difíceis e sombrios e não perder de vista seus sonhos. Algumas coisas levam tempo e nunca é tarde para buscar a felicidade e conhecer outras pessoas com alegria.
– Quais são suas considerações sobre os arranjos? O arranjo é deliberadamente escolhido com o raramente ouvido flugelhorn e dá à música uma atmosfera especial de leveza.
Gergo Bille da Hungria toca o maravilhoso flugelhorn;
Zamm Kenoby da França toca bateria;
Carlo Thurau da Alemanha toca guitarra, teclado e canta.
– Comente sobre o clipe. Como ele nos ajuda a entender sua música? O videoclipe transmite um mundo de sonho separado do mundo real, o mundo da dança e do balé, e serve como um símbolo para a realização de seus objetivos, porque só sonhar não leva ninguém a lugar nenhum, temos que trabalhar em nós mesmos e fazer algo para que ela se aproxime de nossos objetivos e desejos.
– Há alguma história ou curiosidade sobre este lançamento? Após a estreia suingante de Klintmoor, “Tonight I Drink Alone”, a faixa “The Coolest Time” é outro lançamento que vale a pena ouvir a caminho do álbum de estreia “Klintmoor 1”, planejado para 2023.

Respostas de Klintmoor

ARME RIDDERE – “La Stå (Hæ)” – (Noruega) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresentem-se! Oi! Nós somos ARME RIDDERE! Nós absorvemos décadas de tradição do rock, arranjos pop e tudo mais que pudemos encontrar na rua ontem à noite – estamos tentando, ao nosso melhor, fundir o sarcástico do pub rock, a paixão do rock & roll, grandes gestos e nossos piores hábitos na melhor banda possível. Esta é o nosso novo disco/rock música: La Stå (Hæ).

O que vocês dizem na letra da canção? – Qual a mensagem? “La stå (Hæ)” foi inicialmente concebida como uma música de término de relação e a letra reflete isso. Cada linha é baseada em breves vislumbres de alguns relacionamentos que não saíram como se esperava. Tudo gira em torno da incerteza, da dúvida e da eterna busca por clareza na bagunça que foi criada por aqueles dois. Se há uma mensagem nisso tudo, é que ninguém pode ter certeza do que é genuíno, mas todos ficariam felizes em descobrir.

– Como vocês definiriam a sonoridade e arranjos do single? Depois de alguns ensaios da banda, todos concordamos que a música precisava de mudanças. Sendo fãs de arranjos alegres com letras tristes, descobrimos que esta era uma oportunidade de ouro para mudar as coisas, aceleramos o tempo da música inteira e introduzimos alguns ritmos de discoteca nos versos. Todos os instrumentos são gravados com a maior clareza possível, mas os vocais são mantidos um pouco mais distorcidos para realmente trazer para casa a dissonância entre a música e a letra. O resultado é uma música alegre na superfície, mas com algo escondido por baixo. 
Respostas Marius Hytten

nodisco. – “Break My Fall” – (Canadá)

Bem sucedido em ser múltiplo enquanto artista, o cantor e compositor canadense nodisco segue sua saga de lançamentos depois do álbum “Who Knew I’d Write Songs About You?”, de 2021. A novidade é o EP chamado “A Long Talk at Taylors“, trabalho que tem vários gêneros musicais envolvidos, como o indie rock e o Hyperpop. O primeiro aperitivo deste EP foi “The Sintomas of Vanity” e o segundo foi “Break My Fall”, a música que estamos indicando agora.

O artista comenta sobre este recente single: “surgiu em uma festa quando esta pessoa e eu discutimos o amor perdido e os sinais confusos dados por cada um de nossos interesses amorosos complexos e confusos. Na época da gravação, eu ouvia quase exclusivamente ‘Room for Squares’ de John Mayer na época da produção, o que influenciou a crueza e o funk da música.”

Essas novidades fazem e farão parte de uma discografia iniciada em 2019 com o single “Thoughts From Your Car”. É certeiro dizer que o trabalho de nodisco é intenso e validado. Um artista para se prestar atenção.

Perfect Strangers – “A Song For You” – (Canadá)

Tendo lançado um EP bem aventurada no início deste 2022, a banda de hard rock Perfetc Strangers chega ao seu novo single, “A Song For You”, encerrando seus lançamentos do ano. A canção é frenética em sua introdução, bem arranjada e criativa, e flerta com as tendências do indie e da rock alternativo.

Na letra, uma inspiração do relacionamento do compositor Anthony Vitanza com sua namorada. Apesar disso, o gruo diz que deseja que os ouvintes se conectem com a mensagem como se fosse suas próprias histórias de amor. A capa, que é um céu bonito que contracena com nuvens claras, parece traduzir um tanto da sensação que temos ao ouvir a canção. Confira!

Veteran Avenue – “I’m A Lie” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– A música “I’m A Lie” é sobre a síndrome do impostor. Como você desenvolve esse assunto na letra? “I’m A Lie” é sobre a síndrome do impostor. Liricamente, eu não apenas saí de minhas próprias batalhas com essa ocorrência psicológica, mas também da realização, por meio do meu podcast de artes baseado no meio do Atlântico, Mouthful of Graffiti, que muitos artistas lidam com esse fenômeno. Eu não fazia ideia. De certa forma, pensei que estava em uma ilha. Mas, longe, longe disso. Não era algo que eu realmente considerasse até escrever meu primeiro romance. Saber o quanto esses livros significavam para mim e o quanto eu realmente trabalhei neles fez com que a desvalorização deles fosse uma coisa muito territorial. Em certo sentido, a síndrome do impostor é um TOC misturado com uma imaginação hiperativa e muita ansiedade. Somos artistas, criamos e queremos ser valorizados pelas obras; é tudo o que somos. Acho que o maior medo é algo ou alguém tentar tirar algo de nós [no qual trabalhamos duro] desafiando nossa integridade. Na música, eu aceito essa realidade como o pior cenário possível e tiro a força do medo ao abordar o pior cenário.

– Como surgiu a ideia desta música? Musicalmente, escrevi 24 álbuns/EPs sob os nomes das bandas Skitzo Calypso, We Love the Underground, Niki Thunders, Veteran Avenue e Brad William Cox. A música está em todo o mapa, mas normalmente, seja funk, folk ou metal, eu escrevo no violão e construo a música em torno de uma estrutura de acordes acústicos simples. Nesse caso, construí a música no piano para dar mais espaço para a letra e ultrapassar meus próprios limites. Incluí letras de ovos de Páscoa que fazem referência a algumas das outras músicas. Para a arte, decidi usar inteligência artificial de forma bastante irônica. Alimentei-o com imagens minhas e fiz com que reproduzisse minha semelhança em sua imagem; algo que, aparentemente, não era ‘real‘, mas trabalhava com o tema da música.

– Comente sobre a sonoridade e arranjos do single. O arranjo é essencialmente, piano, vocais, sintetizadores e algumas guitarras principais para construir a intensidade. Cada verso aumenta com intensidade, mas cada refrão chega ao fundo, muito parecido com a sensação que a síndrome do impostor pode deixar; sempre alcançando novos picos, mas sempre se sentindo vazio e exposto depois de fazer isso.

– Há alguma história ou curiosidade relevante sobre o lançamento? Uma das primeiras canções que escrevi foi uma piada chamada “I’m Better Than You”. Eu faço referência a essa música no segundo verso com uma letra muito direta: “Não sou melhor que você”. A intenção é mostrar aos meus ouvintes meu nível de crescimento e autoconsciência e também aceitar que talvez eu não seja tão especial quanto os outros me fazem parecer e, tudo bem!

                            Respostas de Veteran Avenue

Tobias Wonderdog – “Strike” – (Austrália) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz na letra da canção? E qual sua mensagem? Bem-vindos irmãos e irmãs do Brasil. Nossa nova música ‘Strike” faz parte de uma série de vídeos em quatro partes. A música fala de momentos simbólicos e mensagens na busca pela sobrevivência. Nosso single de estreia ‘Not Bliss” teve uma grande resposta das pessoas no Brasil. Temos orgulho de compartilhar e nos conectar com os amantes da música em um país orgulhoso.

– Comente sobre a sonoridade e arranjos do single. A música tem dois movimentos. Eu gosto de criar músicas únicas que são difíceis de prever. Estamos entusiasmados para começar a lançar uma série única de lançamentos em quatro partes com grandes sons ousados ​​e incríveis artistas da Austrália. Almejamos um novo e excitante espaço na vibe do rock alternativo e sabemos o quanto nosso povo brasileiro ama guitarras de bom som e um toque de rock dos anos 90.

– Há alguma história ou curiosidade relevante sobre o lançamento?
A história por trás da nossa série ‘Death Of Intimate Listening’ é encontrada em uma joint venture entre Tobias Wonderdog e meu querido amigo Emile M Smith. Juntos, criando alguns dos nossos melhores trabalhos. Nossos fãs agora podem participar de nossos projetos e obter recompensas ao coletar nossos lançamentos no mercado OFM Ocean Floor Music. Esperamos que isso inspire conectividade com nossos seguidores e que possamos continuar a produzir arte atemporal. Temos mais 3 lançamentos emocionantes em breve para completar a série.

                 Respostas de Tobias Wonderdog

Dasha Murashko – “Bye-Bye” – (Cazaquistão) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual a narrativa contada na letra da música?  Essa música é sobre aquele período em que você se cansa de jogar. Você está cansado de intrigas, está cansado de olhar para o telefone, se perguntando “quando ele vai me ligar?”. Na verdade, é uma coisa muito pessoal, sobre quando você tem 26 anos, vive sua vida independente e escolhe ser feliz só porque está pronto, você cresceu o suficiente. Sim, é bonito sobre crescer

– O que você quer dizer ao mencionar que “Bye-Bye” é um “pop rock energético para a geração jovem”? A frase “BYE – BYE” é sobre deixar ir facilmente. Eu posso dizer, é definitivamente para a geração mais jovem. Principalmente quando você não sabe exatamente o que sente por uma pessoa, e tudo bem, porque “Sentimentos”, você sabe que é uma coisa muito perigosa e difícil. Se seus próprios sentimentos não estão claros para você, então é uma má ideia confiar na pessoa, “afogando-se” nisso, caso contrário, você pode acabar com “cicatrizes” em seu coração. Então… É melhor você desligar o telefone e dizer a ele “BYE – BYE”

– Qual a relação de “Won’t Be Around” com a música e cultura do Cazaquistão? Nenhuma relação entre o Cazaquistão e esta música 🙂

Respostas Dasha Murashko

Freysteinn“Lokun sem varð að byrjun” – (Islândia) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, apresente-se! Olá, meu nome é Freysteinn, sou contrabaixista e compositor da Islândia. Esta é uma música minha.

– O que a música, com esta banda e versão, nos diz? Há alguma mensagem por trás? O nome da música é “Lokun sem varð að byrjun” que significa O fim que foi o começo. Eu estava em um período difícil da minha vida, onde eu sentia que estava preso ali, como se pudesse ir para qualquer lugar daqui como se fosse o meu fim. Mas o fim foi o início de um novo período.

Eu tomei uma decisão de mudar minha vida e essa música é sobre isso. Talvez a história seja que você está sempre a uma decisão de mudar sua vida.

– Quais são suas considerações sobre os arranjos? A ideia da música é que ela comece com uma bela melodia e daí tudo vá para esse groove que também é uma melodia, como se tudo fosse legal, mas depois tudo desmorona. Aí acontece a mesma coisa de novo.

Mas como em todo bom conto de fadas há um final de algo lindo.

– Há alguma história ou curiosidade sobre este lançamento? Acho que a história disso tudo é “faça isso”. Sempre quis lançar minha música, mas tinha muito medo do que as pessoas diriam sobre isso. E este álbum e esta música são apenas o começo de algo.

Respostas de Freysteinn

Nylon Club“Animal Glue” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra da música? 

[ELES ANEXARAM A LETRA NA ÍNTEGRA COMO FORMA DE RESPOSTA]

“eu não aguento mais

Eu dou tudo e fico entediado

eu sou um vagabundo, eu sou uma prostituta

Um globo de neve no seu painel

(No chão)

Eu tento tanto, mas eu simplesmente não consigo parar

(Me dê mais)

Eu tento tanto, mas simplesmente não consigo parar

(No chão)

Você quer ir embora, mas você simplesmente não consegue o suficiente

(Me dê mais)

Manchou o jeans que você usava

Eu sou apenas um carimbo no seu passaporte

Deixamos nossas marcas, mas nada mais

Contando a mudança, mas falhando

(No chão)

Eu tento tanto, mas eu simplesmente não consigo parar

(Me dê mais)

Eu tento tanto, mas simplesmente não consigo parar

(No chão)

Você quer ir embora, mas você simplesmente não consegue o suficiente

(Me dê mais)”

– Qual é a mensagem da música? [Valentina Alexander]: “Animal Glue” é sobre ser um hedonista inquieto, algo com o qual ambos nos identificamos muito bem.

[Drake Elliott]: “Animal Glue” cola para mim é uma música sobre apenas seguir um desejo ou um impulso. Acho que estava querendo escrever algo simples, cativante e divertido.

Como isso aconteceu? – Qual sua opinião sobre o som e os arranjos do single? [Valentina Alexander]: A música foi a primeira que escrevemos juntos pessoalmente depois de muitos anos separados. No momento em que finalmente nos vimos e nos sentamos para brincar juntos novamente pela primeira vez desde que éramos vizinhos adolescentes, foi como se todas essas ideias reprimidas, conversas que tivemos por telefone e a energia criativa finalmente tivessem saído. Acredito que isso resultou no som de condução hino que conseguimos conjurar para esta música. 

[Drake Elliott]: Eu toco música nos Estados Unidos há anos, e desde criança com Valentina sempre quis fazer uma banda com ela, então depois de muito tempo trocando coisas, anos até, eu vim para Berlim onde fui tomado pela energia da cidade. Acho que isso transparece na natureza frenética da pista. Isso me sugou e começamos a trabalhar juntos. Tudo aconteceu rápido e naturalmente. Acho que ter sido amigos por toda a vida emprestou isso. Nós dois realmente queríamos fazer algo que incorporasse melodias pop e sons meio dos anos 80, 90, new wave, mas torná-lo cru e um pouco mordaz também.  

– O que este single diz sobre o novo EP de vocês? [Drake Elliott]: Essa música foi a primeira que escrevemos juntos quando cheguei em Berlim. nós tivemos uma noite muito louca na noite anterior ou algo assim, e estávamos meio que tentando escrever algo divertido e temático para o sentimento geral de diversão que tivemos, reconectando e saindo depois de anos sem poder sair. Nós meio que sentamos e tudo saiu super rápido, e acho que definiu o padrão para o resto do EP, pelo menos em instrumentação e estilo. 

[Valentina Alexander]: Escrevemos em cerca de uma hora e instantaneamente soubemos que estávamos no caminho certo. “Animal Glue” realmente definiu o estado para todo esse projeto musical.

Respostas dos dois integrantes da Nylon Club

Mistah Godeh“Vuelve” – (Espanha)

Mistah Godeh é um artista de reggae que vem, desde sua estreia fonográfica em 2015, despontando como referência no gênero na Comunidade Valenciana. Ele já lançou parcerias de renomes com Fyahbwoy, Skarra Mucci, Los Chicos del Maíz, Gordo Master e outros cantores. Sua discografia digital é extensa e bem aventurada: tem 25 lançamentos, incluindo 4 discos.

Neste novembro de 2022, o cara chegou com “Vuelve”, sua nova canção e o terceiro e último aperitivo do seu próximo álbum, o “Player Z”, que será lançado no dia 9 de dezembro deste ano pelo selo Guspira Records. O single tem a participação do rapper Ambkor, um MC de Barcelona ativo há 15 anos. “Vuelve”, que foi criada e produzida por Alann Ulises, transita entre o reggae e o trap, e tem inspiração nas baladas latinas.

A música está também disponível em videoclipe. Confira!

Luke H. Reynolds“Broken As It Is” – (Estados Unidos)

O cantor e compositor estadunidense Luke H Reynolds fez sua estreia fonográfica este ano, com o single “The Perfect Song”. Agora, ele dá a sequência com a canção “Broken As It Is”. Simples, singela e positiva, a música é um abraço apertado às pessoas que sentem suas vidas sem rumos, sem sentido, perdida, desconcertada. “A mensagem é que o tempo é precioso e você tem que permanecer firme no momento, continuar lutando e seguir em frente.”, diz o artista afirmando o caráter otimista de “Broken As It Is”.

Nada mais justo, portanto, que indicar uma canção tão importante como esta, importante para nos ajudar a seguir em frente.

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.