30 de maio de 2024
Listas de lançamentos Lupa na Canção

Playlist “Além da BR” #26 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 26ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Durkmoose“Neurilemma” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que nos diz a música “Durkmoose”? Há alguma mensagem?  A trivialidade e a mensagem estão relacionadas. Essa é uma música na qual começamos a trabalhar nos anos 90, quando na verdade era o nome da nossa banda. Nossas vidas seguiram rumos separados e longe da música por vários anos, mas mantivemos contato e finalmente terminamos essa música algumas décadas depois.

– Como vocês definem a música em termos de musicalidade? A música começa com uma acústica cansada ou melancólica, mas se torna mais agressiva e determinada conforme a música avança.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? Na neurobiologia, quando uma parte do corpo é gravemente ferida e suas células nervosas perdem a conexão com a coluna vertebral, o “Neurilemma” é o que guia as células nervosas de volta à sua conexão. De certa forma, espelha a nossa determinação em continuar a fazer música apesar dos frequentes obstáculos, contratempos e distâncias. A música termina com força e otimismo, o que representa nosso triunfo em fazer a própria música.

– Há em “Durkmoose” um rastro da terra de vocês, o Novo México, ou até mesmo os Estados Unidos? No que diz respeito à influência da região, meu parceiro e eu vivemos por vários anos no deserto. Somente as coisas que são robustas, resilientes e estáveis podem resistir nesse ambiente e sobreviver.

Respostas de Durkmoose

Sonder City“Love Song” – (Estados Unidos)

“Love Song” é uma canção original da banda 311, que, em 2011, depois de alguns anos após o lançamento original, chegou na versão melancólica e simplista de Adele, no disco “21”. As duas versões apaixonaram o norte-americano Sonder City. A releitura de Sonder se diferencia da de Adele e da 311, dando-a outros ares. É recomendável ouvir esse som. Confira!

Stefan Lovin“The eyes of Paco de Lucia” – (Romênia)

A estreia da carreira discográfica digital do pianista romeno Stefan Lovin aconteceu em 2022 com “The Poet of the Sea”, um álbum solo de jazz, mas também de muitas impressões, texturas e identidades. Afinal, estamos falando de um músico experiente, de títulos e, como mostram as nove faixas de “The Poet of the Sea”, de demasiada sensibilidade, expressa em cores, brilhos e mágicas. Stefan Lovin, apelidado de “O poeta do mar”, tem a nossa indicação aos amantes do piano, do jazz moderno e da boa música!

Luca di Luzio“Fishing in Paradise” – (Itália)

O guitarrista italiano Luca di Luzio dá o próximo passo em sua carreira discográfica com chegada do seu segundo álbum, “Never Give Up”, sucessor de “Globetrotter”. O disco é composto por nove composições autorais, gravadas ao lado dos instrumentistas Randy Brecker, Alain Caron, Rodney Holmes, George Whitty e Steve Thornton. Juntos, estes artistas entusiasmados e talentosos exaltam o fusion/jazz a patamares de pérolas. Um trabalho que merece estar no Lupa.

Kate McGill –Roadkill” – (Reino Unido)

Kate McGill é uma cantora e compositora de Bristol, cidade localizada na Inglaterra. Em paralelo à sua dupla Meadowlark, em sua carreira solo, a artista já é experiente no mercado fonográfico. Seu primeiro lançamento aconteceu em 2011 com o álbum “Replaced” e, depois, lançou várias canções em formato de singles. Neste 2023, Kate faz seu primeiro lançamento com o single “Roadkill”.

A sonoridade desta novidade é bastante simples, tal simplicidade a torna profunda. Mais profunda ainda é a letra, que foge um tanto do comum, apesar de ser “mais uma canção de amor”. Em síntese, “Roadkill” é sobre ser um ex que serve de lições de amor para o outro seguir seu próprio caminho e ser feliz com a próxima companheira.

Veja o que Kate diz sobre. “Eu vi meu ex seguir em frente para ter um relacionamento feliz e saudável e depois me agradecer por ser a pessoa que o ajudou a aprender como se comunicar abertamente e ser vulnerável. É um tipo especial de picada saber que você era o relacionamento em que eles descobriram as coisas, antes de entrar naquele que eles veem como sendo para toda a vida – especialmente quando você ainda tem tanto amor por essa pessoa. Parece que você é descartável; apenas algo que veio e se foi ao longo de sua jornada, e sem muito significado.”

É certo que esta canção tem o poder de identificação com muitos de nós. Uma letra sobre uma triste realidade.

December Friend – “Slow Smiles” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nos versos de “Slow Smiles”? Os versos: O primeiro verso começa em um lugar de frustração sobre todo o barulho e ego que há no mundo (os gritos ficaram tão altos) e anseia por um tempo em que apreciamos a beleza da vida (não posso deixar de relembrar). O segundo verso é sobre um momento em que aquela beleza foi reconhecida, um lugar especial no tempo em St. Germaine, Paris (aliás, onde foi tirada a foto da arte da capa). O terceiro verso é olhar para a frente, tentando ver o positivo (o esplendor que nunca dorme) e afastar o negativo (o nevoeiro).

– Como surgiu a música? A música surgiu de um sentimento de ansiedade em grande parte devido ao clima político dividido nos Estados Unidos e é um lembrete para ver a beleza sutil (sorrisos lentos) no mundo, apesar de todos os gritos. É também um apreço pelas pessoas que conseguem ver a beleza sutil que muitos não percebem.

– Qual era o contexto? Como você definiria o som do single? O som é indie rock com produção moderna, principalmente no início. O primeiro verso é intencionalmente feito para soar ligeiramente distorcido e distante, e então a música começa no segundo verso (uma analogia musical para romper a névoa).

– Agora deixo este espaço para vocês se apresentarem! Aquele abraço do Brasil! Obrigado por ouvir! December Friend é uma nova banda de Minneapolis. Apresenta o compositor da banda anterior de Minneapolis, Circus of the West.  Slow Smiles foi produzido por John Wlaysewski do Late Cambrian. O LP completo, Splendor Never Dies, será lançado em 17 de fevereiro.

Respostas December Friend

Johan skoog “Given By God” – a donation to Ukraine – (Suécia) – [MINI ENTREVISTA]

– Apresente, de uma maneira geral, a música “Given By God”. Não tome a vida como certa. Aproveite cada segundo. Mesmo que doa às vezes, há algo bom esperando. Você nunca está perdido, apenas espere e veja, há um plano e amor para todos.

– Em qual contexto ela surgiu e qual finalidade? Essa é uma música que surgiu quando eu estudava para ser produtor musical. Começou com um riff e pensei que seria uma balada de amor para minha esposa. Mas a música deu uma guinada e fui incumbido de cantar na igreja ao mesmo tempo. Era um tema diferente na igreja e era sobre o padre debatendo com um descrente e defendendo sua fé em uma discussão questionadora. Então surgiu o próximo pensamento sobre a música e eu queria contar uma história minha neste debate sem atrapalhar a discussão deles, então escolhi transmiti-la em minha música. Foi muito bem atendido e a congregação até aplaudiu na igreja. Agora ganhou vida e significado, então decidi fazer a última coisa no estúdio e agora estava praticamente pronto.

– Por que resolveu apoiar a Ucrânia com esta música? Muitos refugiados vieram para a Suécia de barco no início e eu decidi ir de carro até a balsa, que fica a cerca de 2 horas daqui. Esperei lá e ofereci minha ajuda. Foi muito triste ver todas essas pessoas completamente perdidas e expulsas de suas casas. As organizações estiveram presentes e distribuíram alimentos, roupas e alguns doces às crianças. Havia tantas lágrimas no ar. Então decidi doar minha música para a Ucrânia. Eles não pediram isso. É um país muito amoroso e se eu puder fazer alguma coisa, eu farei. O resultado foi esse presente com esperanças de ser muito grande! Mas preciso de ajuda para divulgar a música. Cante em coros. Toque-o nas igrejas. Peça aos políticos de seus países que mencionem a música. Peça às empresas para incluí-lo na publicidade. Traga para o cinema. Jogue na rua. Os artistas usam a música e fazem sua própria versão. Estas são apenas algumas ideias. Por favor, traga mais. Apoie a Ucrânia e use a música em todos os tipos de contextos.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? Geralmente há coisas que dão errado quando você grava. Tudo, desde travamentos de computador até desaparecimento de arquivos. Distúrbios no melhor tiro. Mas neste caso correu bem. Quase como se a música quisesse se tornar realidade.

Respostas de Johan Skoog

Warvet Da Rappa – “Save da planet produced by CreatewithOhyeah” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz na letra da música?

Devemos fazer o que podemos

Para salvar este planeta

não estou dizendo pânico

O planeta mudando rapidamente 

 e terraforma 

Desistir do luxo 

Is terror for em

Você sabe que as coisas vão escurecer

Como fóruns de terror 

Também se foi ser difícil

como maratonas

O que fazemos a esta Rocha

 é terrível 

Como os humanos permanecem vivos 

Um milagre

Você pensando que estamos bem, 

histérico 

Eu conheço essa música não é isso 

Lírico

não o que queremos ver

Como códigos de erro

Não espere até que isso afete seu código de área

Temos que salvar esta terra 

América 2x

 (Gancho)

 Devemos 

Salve este planeta

Este mundo está ficando louco manicômio 

O planeta está morrendo rápido, não vou ficar calado  

Nós vamos ter que ficar duros

 Tudo bem na minha lista

Pode ter que forçar suas mãos   

Eu estou bem com a violência

Se as coisas não mudarem logo 

Vou ficar desequilibrado

Temos que votar em cabines

tem que ficar inspirado 

vamos pegar o presidente

 e o prefeito nisso

(Cantar)

Chame suas divindades 

Tenho que orar sobre isso

Antes que fique muito profundo

tenho que dizer este aviso.

Já ficou muito quente

Vou ficar uma sauna

Temos que sacrificar 

Tenho que salvar este planeta

Qual é a sua mensagem central? Minha mensagem principal é conscientizar as pessoas de que salvar o planeta deve ser uma urgência, não tanto que devamos entrar em pânico, mas o mais próximo possível disso e uma pessoa não pode fazer isso sozinha, todos temos que fazer nossa parte.

Qual é a origem do single, como surgiu e qual é o seu contexto? O single surgiu de eu assistir a documentários sobre o estado do Ártico e ver como o ecossistema está mudando por causa dos humanos e sua falta de compreensão, bem como sua incapacidade de coexistir com outros animais e a falta de urgência que percebi em tentar para corrigir isso.

– Comente sobre o som da música. A música foi criada com uma batida de trap hiphop. Usamos teclado sintético e outros instrumentos de sopro para criar um medley cativante e memorável. A faixa foi produzida por um novo produtor chamado Eman com a empresa “CREATEWITH.OHYEAH”.

– Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? Sim. Na verdade, lancei essa música por engano. Essa música deveria ser lançada no verão. Além disso, o título deveria ser Save this planet, mas como meu nome de rap é Da em vez de the, pensei, por que não. Espero que seja interessante o suficiente.

– Por fim, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Olá a todos, sou warvet da Rappa, sou um veterano do exército dos Estados Unidos de Providence, RI e um super-herói secreto. Eu tento fazer música que faça as pessoas rirem, dançarem e esquecerem como a vida pode ser difícil às vezes. Se quiser saber mais sobre mim, visite meu site www.warvetdarappa.com ou Reverbnation.com/warvetdarappa. Você também pode ouvir minhas outras músicas em todas as principais plataformas.

Respostas Warvet Da Rappa

Bad Flamingo“Devil and the Deep Blue” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz na letra dessa música? Qual é a sua mensagem central?
Devil and the Deep Blue” é o cabelo arrepiado enquanto o trovão rola.

– Como você define o som de “Devil and the Deep Blue”?
Tremolo estremece em uma noite cintilante de Mojave. E uma clava.

– Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento?
Esta música foi escrita sobre uma garrafa de vidro gelada de cola.

– Deixe uma mensagem final.
Dê uma máscara a um homem e ele lhe dirá a verdade” — Oscar Wilde

Respostas de Bad Flamingo

Terry Blade – “Won’t Be Around” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a narrativa contada na letra da música? A música é sobre mim dizendo a um antigo ente querido que estou farto e seguindo em frente. Ao longo da música, faço uma série de perguntas como “Para quem você vai correr?” “Para quem você vai mentir?” “Quem você vai resgatar?” Lembro ao meu antigo ente querido que ” não estarei com você”, “não vou nem ouvir você ” e “nem vou precisar de você” porque ” não estarei por perto “.

– Existe uma mensagem por trás disso? Sim. Não tome ninguém como garantido.

– Qual é a relação entre ” Wo n’t Be Around ” e a música norte-americana? ” Wo n’t Be Around ” é um amálgama de vários gêneros da música de raiz americana da primeira metade do século 20 – principalmente blues, folk e country clássico.

Respostas Terry Blade

Daniel Benisty – “Musicians Are My Brothers” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o tema dessa música? A música surgiu da ideia de que os músicos são irmãos (talvez as cantoras sejam irmãs!).
– O que há nos versos? Os versos descrevem a jornada percorrida pelos músicos para praticar, atuar, viajar e compartilhar sangue, uísque, água e honra quando dividem o palco.
Como surgiu a música? Esta música foi escrita em dedicação ao meu melhor amigo e produtor por ocasião do seu 30º aniversário.
– Qual era o contexto? No seu 30º aniversário, estando ele no Canadá, e eu em Londres, quis escrever-lhe algo que me lembrasse, em particular a primeira vez que o ouvi tocar, e de onde emana aquele som.
Como você define o som e os arranjos do single?  A música começou com um riff de piano, depois o título “Musicians are my Brothers” e gradualmente adicionamos elementos de jazz para torná-la uma espécie de jazz-hip-hop ou jazz falado.
– Existe alguma história ou curiosidade relevante sobre esse lançamento?
Esta é uma canção de homenagem do artista, Daniel Benisty, a seu amigo e produtor, Harrison Cole, em um grande ponto de virada na vida de ambos. Daniel está finalmente produzindo suas canções, com a ajuda de Harrison, que está realizando suas ambições de produção ajudando um amigo e colaborador de longa data, com suas canções.

Respostas Daniel Benisty

Sargeant X Comrade – “Call You Back” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o tema de ” Call You Back “? O que há nas verdades? – Qual é a mensagem da música? Call You Back é sobre reservar um tempo para si mesmo e se livrar de qualquer distração. É sobre como às vezes você tem que colocar as pessoas no gelo e dizer a elas para relaxar enquanto você faz suas próprias coisas. Todos nós precisamos de um tempo para nós mesmos e você não precisa ter pressa para atender as ligações ou retornar às pessoas. Concentre-se em você primeiro. 

– Como você define o som e os arranjos do single? A música tem um som Neo Soul muito proeminente. Vocais suaves e amanteigados e acordes de piano descontraídos. A batida que começa no final tem uma vibe de hip hop da costa oeste.

– Comente o clipe e qual a ideia do vídeo. O vídeo pretende ter uma aparência profissional limpa, com uma bela paleta de cores vermelhas. O estilo e o sabor da pista ficam muito bons no visual.

Respostas Sargeant X Comrade

Cabela and Schmitt“A Dreamer– (Estados Unidos)

Apoiada na ideia certeira da musicoterapia, a banda Cabela and Schmitt oferece um gole profundo de coragem em seu novo single, o encantador “Um Sonhador” (tradução do título). O single, que é 55º lançamento do grupo, é uma balada cujo intuito principal é que o ouvinte tome coragem de acreditar em si mesmo o suficiente para ter fé no futuro ao ponto de deixar o passado de dores para trás.

É bem provável que esta música mexa com seu coração e, por isso, estamos recomendando!

Eldad – “Whispering eyes” – (Israel) – [MINI ENTREVISTA]

– O que representa esta música? A música representa o namoro feminino gentil e poderoso. Quando nenhuma palavra é dita ainda, são apenas olhares, olhos sussurrantes.

– Há alguma mensagem? Minha mensagem não é pensar muito, mas fluir na onda comum de emoções.

– Em relação ao arranjo, o que você traz nela? Oarranjo, claro que de acordo com os clássicos do jazz brasileiro, é delicado, calmo e emocionante.

– Há alguma curiosidade relevante sobre este lançamento? todo o EP “For Lovers” foi criado a partir de um lugar que deu a mulheres e homens uma trilha sonora musical. Voe para a emoção do namoro e um jogo fascinante, imaginação, é claro.

– Por fim, peço que se apresente e relacione esta música à sua personalidade artística. Meu nome é Eldad ben Naim e sou de Israel, Eilat que fica no Mar Vermelho. Sou compositor, instrumentista e produtor.

A sensibilidade é o poder do amor, da tolerância, da doação e da compreensão da diferença sempre necessária estar em nossos corações como alegria ou como uma doce melodia que toca em uma manhã brilhante.

Respostas de Eldad

It’s Right Here – “Olé” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Existe alguma mensagem nessa música além do instrumental? A mensagem principal da música é um aumento visceral de energia. É uma expressão do sentimento de emoção, drama e paixão.

Qual é a origem do single, como surgiu e qual é o seu contexto? A música surgiu sentando em um jardim de verão sob o sol da manhã com meu lindo violão clássico. Tomar um café e me empolgar com o que esse dia vai trazer e sentir o cansaço da noite se esvair como possibilidades se formam na minha imaginação.

– Que referências podemos encontrar nos arranjos de “Olé”? Adoro ouvir a guitarra e a música de José González, Rodrigo e Gabriela e músicas mais experimentais como Radiohead.

Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? Esta guitarra foi construída pelo meu amigo e utiliza o padrão fibonacci em sua construção. É única e nunca vi outra guitarra como ela.

Respostas Giles Woolley

Gabe Chase – “Toxic Fear” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a sua mensagem principal? Minha mensagem principal é que acho que nossos principais meios de comunicação e mídias sociais lucram ao nos manter ansiosos, polarizados e divididos sobre coisas como política. Minha música é sobre como eu não quero viver dessa maneira e não quero ser manipulado pela mídia.

O que te inspirou a escrever a letra de Toxic Fear? Fui inspirado a escrever a letra de Toxic Fear em 2020 durante o Covid 19, quando vi o quanto nossa mídia e redes sociais estavam deixando as pessoas com raiva umas das outras e politicamente divididas sobre como lidar com o Covid. Veio da percepção de que senti que precisávamos nos unir e não focar nas coisas que nos dividem.

– Como você define o som? Eu defino o som como hard rock, semelhante a bandas como Alter Bridge ou Tool, mas com um riff de guitarra que tem suas raízes no Blues e no Southern rock.

Respostas Gabe Chase

Drea Lake“Dreaming Peacefully” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual a abordagem temática em “Dreaming Peacefully”? O tema principal de “Dreaming Peacefully” é a ideia de que a amizade e a memória podem nos ajudar a recuperar nossa inocência, mesmo que ela tenha sido perdida. Como resultado, era importante para mim que a guitarra transmitisse um suporte poderoso e saltitante para a música com aquela sensação de “se libertar”. Eu queria que a letra fosse um tanto rápida e divertida, lembrando como nos comunicamos quando adolescentes com amigos próximos. Os vocais de fundo serviram para comunicar uma sensação de novidade, esperança e inocência.

– Como a música surgiu? Essa música surgiu depois de uma conversa com um velho amigo do colégio que me contou notícias sobre outro amigo em comum nosso que havia passado por uma série de momentos difíceis. Comecei a escrever sobre isso logo depois, primeiro em publicações gratuitas e diários.

– Quais foram suas referências na construção dos arranjos/sonoridade? Em termos de arranjo, olhei para Paul Simon e Ani Difranco, bem como para canções de Dodie. Músicas específicas que eu olhei com antecedência foram “Hell Yeah” de Ani Difranco, “Graceland” de Paul Simon e “A Friday in the Life of Richard and Betty” de dodie. Eu amo a alegria que Difranco e Simon trazem para letras faladas mais rápidas e a abordagem moderna e limpa dos vocais de fundo fornecidos por dodie.

Respostas de Drea Lake

Karl Baudoin – “If Trouble Was…” – (Nova Caledônia) – [MINI ENTREVISTA]

– Existe uma mensagem por trás dessa música? Na verdade, não há nenhuma mensagem realmente forte por trás dessa música, pois ela não deve ser levada a sério. Ele apenas toca com os mesmos velhos temas do blues sobre problemas, amor, uísque e dinheiro, etc., mas de uma forma engraçada, tocando consistentemente com as mesmas rimas. É mais sobre a música e o sentimento descontraído da música.

Como você pode definir o som do single?  Eu queria uma espécie de old school, som de big band com uma grande seção de sopro e composição. Eu queria que os vocais fossem legais e quase descuidados com um swing funky de jazz. Eu queria um groove descontraído simples, mas eficiente, e contratei um grande baterista americano para essa música. O excelente som das trompas deve-se a “The New York Brass” com quem trabalhei durante vários anos nos meus singles e álbuns.

Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? Bem, há apenas uma guitarra simples durante toda a música, o que é incomum para mim (muitas vezes gosto de equilibrar duas guitarras à la Rolling Stones). Além disso, as pessoas costumam se surpreender com o fato de não haver solo de guitarra, algo que você esperaria em uma música de blues. Mas eu queria que essa música fosse simples, direta, curta e despretensiosa. 

– Qual é a relação dessa música com a cultura e a música da Nova Caledônia? Mmmm… Receio que tenha pouca ou nenhuma relação com a Nova Caledônia, esta ilha do Pacífico em que estou morando. Não há elementos tropicais ou reggae que são as tendências aqui na Nova Caledônia. Mas definitivamente há um público para o Blues, pois organizei e produzi com sucesso 5 festivais de Blues consecutivos aqui chamados “Les Nuits du Blues” de 2015 a 2020. Eu costumava liderar duas bandas de Blues de bastante sucesso aqui desde 1990 chamadas “Blues Staff” e “King Biscuit Time” para que as pessoas me conheçam por minhas raízes no Blues.

Respostas Karl Baudoin

Lil America – “Express Entry” – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra da música? As letras do “Express Entry” falam sobre minha experiência como imigrante e como vivi minha vida em Havana, Hamilton e San Salvador.

– Qual a mensagem? A mensagem é para que as pessoas saibam o quanto é difícil emigrar deixando a família e as memórias, mas ao mesmo tempo tirar o melhor de si para seguir em frente com a família.

– Comente sobre a sonoridade do single. O som do single é uma fusão de reggae com ritmos latinos. O single tenta expressar de forma simples como é complicado o fenômeno da migração.

– Qual a relação desta música com a cena musical canadense? A relação da música com a cena musical canadense é muito boa. Refletido no Express Entry. O Canadá é uma nação de imigrantes (exceto a população indígena) ASSIM como a música é variada em eclética na fusão de ritmos ASSIM é o Canadá. Expressar diferentes culturas, ritmos e sabores. A música fala sobre migração, resiliência, família e a coragem necessária para começar em um novo país.

Respostas de Lil America

Micky Paap – “Wild and Beautiful” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que a letra da música nos diz? A letra é sobre os sonhos que as pessoas têm de ir para uma ilha exótica e encontrar tudo o que procuram- Um lugar para festejar com todo tipo de gente em praias maravilhosas. Infelizmente, geralmente é um sonho e não é real.

– Qual é o seu tema? É apenas uma música divertida. O tema decorre do fato de que a maioria dos homens precisa de uma companheira para compartilhar a vida. Encontrar uma mulher selvagem e bonita em uma ilha é uma fantasia que a maioria dos homens teria.
– O que te inspirou a compor ” Wild and Beautiful “?  Minha esposa. Sua cidade natal é uma cidade turística no Vietnã, cercada principalmente por belas praias. Estávamos de férias lá e a inspiração me atingiu quando sentei na praia bebendo rum e cola. Surpreendentemente, os vietnamitas adoram a batida da salsa, calypso (qualquer batida hispânica). Mesmo que eu faça principalmente Reggae, decidi criar essa música nessa veia.

– Como você define o som do single? Eu defino esse som como um híbrido Reggae/Soca/Calypso

– Por fim, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Sou originalmente de Gana. Mamãe é ganense e pai da Alemanha. Eu vivi na Inglaterra tocando guitarra para alguns dos grupos de Reggae em Londres. Eu vim para os Estados Unidos em 1988, mas não comecei a gravar seriamente até agora. Agora estou gravando cerca de 5 a 6 músicas por ano, geralmente na veia do reggae. Eu tenho um site Mickypaap.com onde mais informações podem ser encontradas sobre minha música. Eu também amo futebol e torço pelo Brasil há muitos anos.


Respostas  Micky Paap

Gergely Kalapis – “Rough and Wild” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Primeiramente, peço que se apresente aos leitores do Além da BR. Olá, meu nome é Gergely Kalapis, sou um cantor, compositor e produtor baseado em Londres, Reino Unido. Escrevo e produzo música desde os 16 anos, mas só comecei a lançar em 2020, então acho justo dizer que tenho muito chão pela frente!

– Qual é o assunto abordado na música? A música é sobre gostar de alguém que talvez não seja sua paixão típica, mas há algo profundamente excitante em seus modos rudes que imediatamente o colocam sob um feitiço.

– Qual é a sua mensagem para o mundo? Com a intenção de ser uma verdadeira música rockabilly, não tenho certeza se alguma vez teve algum significado mais profundo para ela, suponho que o principal objetivo da existência seja fazer você sorrir e querer cantar e dançar junto – como um sentimento- boa música, você sabe o que quero dizer?

– Como você pode definir o som do single? Rockabilly sempre esteve muito perto do meu coração, e todos os meus discos anteriores tinham pelo menos uma música construída sobre as fundações do rock and roll clássico, mas desta vez eu queria alcançar um som rockabilly o mais autêntico possível, eu até comprei uma guitarra combinando de um amigo meu para isso!

Há alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? Na verdade, esta é a primeira música que apresenta uma performance de convidado, todas as minhas músicas anteriores eu mesmo gravei todos os instrumentais e vocais e também fiz a mixagem e produção. Essa pessoa também é aquele amigo meu cuja guitarra eu comprei, e ele contribui para aqueles elementos vocais rockabilly obrigatórios (gritos) durante o solo. Mas como moramos a cerca de 2.000 milhas de distância, ele teve que gravar suas partes em sua garagem – imagine o que seus vizinhos devem ter pensado haha

Respostas Gergely Kalapis

Johnny Dioxide“Amelis” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o tema da música? Amelis é uma poltergeist que empunha uma faca e rabisca poesia que periodicamente se envolve em nosso plano físico. Um dia ela vai longe demais e se vê em uma perseguição de carro altamente televisionada, sujeitando-a às duras leis do mundo mortal. Sua carne emprestada morre em um acidente de carro ardente com guitarra nas dunas do deserto. Agora ela planeja sua vingança…

– O que há nos versículos? Cada verso carrega a história um pouco mais longe, o primeiro verso descreve seu passado, pregando peças na velha marinha britânica. O segundo verso fala de sua poesia. E o verso final descreve sua interação com Abraham (o narrador da primeira faixa do álbum) e sua trama para se vingar.

– Como você descreve o som e arranjo do single? O som é definitivamente psicodélico, possui guitarra, sintetizador, baixo, bateria, lap steel e até uma corrente de bicicleta para adicionar um pouco de arrepio a ele. Há um grande solo de guitarra após a ponte que representa o espírito volumoso deixando o corpo.

– Existe alguma história ou curiosidade relevante sobre este lançamento? Como um álbum conceitual, “Ghost Rock Radio” aborda a morte, decepção, vidas passadas, amores passados ​​e também oferece um vislumbre mórbido de um futuro humano pós-apocalíptico e pós-terrestre. Tudo isso articulado através da apresentação via programa de rádio, e com personagens recorrentes como Abraham, Amelis e Mister Disco. Amelis é o nome de uma mulher que costumava hospedar minha banda em sua churrascaria. Achei o nome tão bonito e assustador, então escrevi essa música a partir dele. Se você ouvir com atenção, poderá ouvir uma corrente de bicicleta clicando ao longo da pista.

Respostas Johnny Dioxide

Big Bad Shakin’ – “Elvis Glasses” – (Alemanha) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o tema de “Elvis Glasses”? É sobre um imitador de Elvis que acredita ser o verdadeiro Elvis Presley e reivindica seus óculos de Elvis de volta em todas as oportunidades.

– O que há nos versos? O primeiro verso visa descrever a maneira absurda de pensar do protagonista. A letra “I’m the King in a crazy rockin’ band” faz alusão ao fato de que também poderia ser a banda BIG BAD SHAKIN’. Ao final de cada verso, é feita a exigência obrigatória de devolução dos óculos de Elvis .

– Como surgiu a música? Um dia, assistimos a vários vídeos de imitadores de Elvis no YouTube. Houve um que não tínhamos certeza se ele não achava que era a reencarnação de Elvis.

– Como você define o som e os arranjos do single? É uma música rockabilly moderna que se transforma em uma música de garagem com o passar do tempo.

– Existem histórias ou ninharias relevantes relacionadas a este lançamento? Sempre quisemos escrever uma música para começar a letra com “Eu me sinto tão bem que poderia vomitar embaixo da sua árvore de Natal”. Finalmente conseguimos.

Respostas: Sören Heinze (cantor e letrista)

鈴ノ森守_mamoru_suzunomori – ”魂”- (Japão) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você canta na letra desta música? A alma inflama-se gradualmente e depois resplandece! Libertem os sentimentos que todos nós temos no coração! Escrevi uma canção sobre estes sentimentos.
– Há alguma mensagem? O que se faz diligentemente pouco a pouco conduzirá um dia a bons resultados. Portanto, a mensagem é que mesmo que seja difícil, acredite em si mesmo e continue a tentar.
– Como você pode definir a sonoridade do single? BPM75 Mid-tempo guitarra rock e pop-punk com tranquilidade e ternura, mas também potência e intensidade.
Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? Com esta canção, tornei-me bom a misturar e a dominar, o que não era bom para mim. Quero fazer muitas canções com bom som a partir de agora.
– Qual a relação desta canção com a cultura e música japonesa? Costumava ouvir canções de desenhos animados como parte da minha vida desde que era criança. A partir de agora gostaria de fazer canções que combinem canções de banda desenhada, rock e punk.


Respostas 鈴ノ森守_mamoru_suzunomori

 

Moonchy & Tobias – “Shangri La” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual a temática de “Shangri La”? Qual a mensagem da música? Shangri La é um poema musical sobre tropeçar no vale da iluminação e felicidade eternas (da história ‘Lost Horizon’), apenas para ter sua memória dele rapidamente apagada, porque os habitantes daquele lugar não querem sua bela visão para arruinar sua vida no mundo cotidiano. Algo semelhante acontece no livro O Vento nos Salgueiros, quando o flautista às portas da aurora hipnotiza os animais com sua música e uma visão de felicidade eterna, e então os faz esquecer completamente porque não quer que eles abandonem sua existência terrena.

– Como você define a sonoridade e arranjos do single? O tema que descrevi informou a música – primeiro com um senso de movimento moderado usando um ritmo insistente e um vocal suave e sem palavras, sugerindo uma busca. Em vez de usar as guitarras, baixo e teclado habituais nesta música, usamos amostras caseiras. Então a visão de Shangri La (o lugar) de repente explode à vista. A ideia é ouvir trompas ecoando nas montanhas e grandes toques de percussão como pratos de orquestra. A voz se expande para corresponder à grandeza da visão. Então a visão se dissipa e desaparece, e voltamos à busca árdua e ao ritmo suave, que continua indefinidamente. Como um poema musical, tentamos transmitir essas coisas usando apenas sons e sem palavras.

– Por fim, apresente-se! Aquele abraço do Brasil! Somos a dupla Moonchy & Tobias. Nossos estilos musicais variam do melancólico e misterioso ao impetuoso pós-rock. O vocalista Pat Moonchy é da Itália. O músico Todd Tobias é dos EUA. Formamos em 2018 com nosso primeiro álbum autointitulado. A música Shangri La faz parte do nosso álbum  WILD EYE . Este é o nosso sexto álbum, lançado pela Tiny Room Records na Holanda. 

Respostas Todd Tobias

Dozee“Currents” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o tema da música? “Currents” é sobre cometer grandes erros, especificamente em um relacionamento, e pensar em todas as maneiras pelas quais você poderia ter feito melhor. Você se arrepende até um ponto de ruptura em que precisa se forçar a deixar ir e seguir em frente. Muitas pessoas são muito duras consigo mesmas e não se dão nenhuma graça. Essa música reflete sobre essas ideias e usa o poder do oceano como catalisador para ajudar a aliviar o arrependimento. O oceano é ótimo porque suas forças incríveis podem preencher seus sentidos e ajudá-lo a permanecer presente, em vez de ficar remoendo o passado.

 – Como surgiu a música? Meu parceiro e eu fizemos uma viagem espontânea de fim de semana para Miami no auge do inverno para escapar da depressão sazonal por alguns dias. Isso foi antes de nos mudarmos de Nashville, Tennessee, para San Francisco, Califórnia. O clima era muito quente durante o dia, mas a brisa tornava mais fresco à noite. Acabamos escrevendo este poema juntos sentados na praia vazia depois de tomar café tarde da noite. Eventualmente, se transformou na música ” Currents “. A escala do oceano junto com o vento implacável e a água nos levaram a um processo de pensamento existencial. Foi uma noite mal-humorada, mas nos divertimos muito fazendo algo criativo na água.

 – Como você define o som e os arranjos do single? O arranjo é muito conciso – dois versos com um grande gancho no meio, e então você se refresca com um outro solo. Ao escrever um novo material, sinto-me mais criativamente impulsionado com uma guitarra em minhas mãos. É minha principal ferramenta. Essa música começou com uma sequência de acordes simples que eu elaborei. Eu tinha o poema do oceano de Miami guardado há alguns anos e descobri que ele se encaixava perfeitamente na nova sequência de acordes. É assim que escrevo a maior parte do material, embora haja algumas exceções em que começo com um conjunto de letras que definem as bases de uma nova música. 

Respostas Dozee (Michael Turko)

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.