26 de fevereiro de 2024
Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #56 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 56ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Michelle Billingsley – “Him and Her and Me” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual o conceito e mensagem desta música? A ideia de “Him and Her and Me” surgiu pensando em como, em situações estressantes, seu corpo lhe dá a opção de congelar ou fugir. Tenho tendência a congelar, então estava interessado em explorar o que isso significaria se levado ao extremo – nunca falar por si mesmo. Tomar decisões sem nunca tomar uma decisão. Essa personagem fica em segundo plano, atrás de seu parceiro, e toda a sua vida é basicamente manter as coisas funcionando, ajudando-o a ter sucesso. Então, um dia ela se depara com uma situação, uma pergunta, e ela congela, o que seu parceiro entende como “vá em frente“, então ele o faz. Depois disso, ela acha ainda mais difícil falar e continua congelando, incapaz de parar de ver sua vida se desenrolar ao seu redor. Ela agora está presa em uma situação que foi totalmente criada por ela, mas o oposto de tudo o que ela pretendia. E como nos relacionamos com isso? O que isso traz à tona em nossa própria vida? Você consegue se ver nela?

– Como e porque ela foi composta? Quando eu era criança, eu trapaceava naqueles livros Escolha sua própria aventura. Eu costumava virar para trás para encontrar o final de que gostava e depois voltar para a primeira grande decisão. Dessa forma, sabia que escolhi o caminho certo para cada situação. Mas com “Ele, ela e eu”, a narradora não consegue tomar uma decisão por si mesma, e agora está no meio de uma situação miserável e impossível. Ela cedeu todo o controle ao parceiro. Ela, como mulher moderna, se ajuda nessa situação? Por que ela se segura? Ela observa todo esse cenário acontecer na frente dela, mas o que está acontecendo em sua cabeça? Isso não a incomoda? Por que ela não faz alguma coisa? Achei que aquele momento – quando o alarme começa a tocar em sua cabeça e você ainda diz “Estou bem!” – valeu a pena olhar através de um microscópio. E é muito mais fácil examinar através de um personagem do que sentar uma década de sessões de terapia!

– Como você pode definir a sonoridade do single? Ultimamente, tenho gravitado em torno do som e da sensação da cena da música country do final dos anos 60. Embora esta música seja moderna no contexto, ela tem um tom vintage. Esta foi a única música do meu novo álbum, Both Sides of Lonely, onde eu queria que soasse como se tivesse sido cantada por Tammy Wynette. Meu baterista, Jordan Snow, o baixista Brian Westfall e o engenheiro de gravação/mixagem Doug Malone trabalharam juntos para ajudar a ajustar o tom da bateria e do baixo para realmente preparar o palco para aquela vibe vintage. E Brian Wilkie no pedal steel (e Telecaster) fez tudo se encaixar. Algumas das outras canções do álbum têm um tom mais moderno – ouça o baixo em “I Love the Way He Says He’s Sorry”; é muito diferente. Eu queria que “Him and Her and Me” fosse quente e nostálgico – familiar. Como talvez você tenha ouvido seus pais ou avós ouvindo música como esta, e isso o lembra de outras memórias, como o cheiro de poeira levantado pela caminhonete de seu pai enquanto você cavalgava com ele em uma tarde de verão. Ou o cheiro de cerveja barata em um boteco, uma loja de doces quando você é criança.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? Esta música é uma reescrita de uma versão anterior, que destacava o aspecto trio da história, mas na outra versão todos eram participantes dispostos: “Sarah o tinha nas segundas, mas ele era meu nas quintas.” Mas eles enfrentaram algumas lutas em sua felicidade. Eles estavam tendo dificuldade em encontrar músicas para cantar junto, e sem sorte em encontrar cartões de felicitaçõesque não implicassem em um relacionamento significava apenas duas pessoas. Essa versão era muito mais leve. Mas quando Eu a reescrevi, comecei com a frase: “Alguns dizem que atrás de todo homem há uma boa mulher“, e queria deixar de lado o que a música tinha sido e, em vez disso, seguir aonde quer que essa linha me levasse. Levantar mais perguntas do que respostas, mas você ainda pode ver os fósseis da primeira versão na versão final – “não consigo me identificar com as músicas do rádio que falam sobre amor”.

Respostas Michelle Billingsley

p bali – “Commons Song” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual o conceito e mensagem desta música? A música é uma celebração do Creative Commons, no qual tenho o privilégio de liberar a maior parte do meu trabalho criativo. Acho que o Creative Commons provavelmente também é uma metáfora para a Mãe Natureza ou algo tão grande assim!

– Como e porque ela foi composta? Como a maioria das minhas músicas, ela começa com a bateria, e eu construo a partir daí! Eu estava pensando em uma canção alegre para a primeira parte, e fui a partir daí. Muita diversão com alguns samples de bateria e um pedal de delay!

– Como você pode definir a sonoridade do single? Talvez um pouco da influência de Beck aqui, ecos de um rock psicodélico. A bateria na segunda seção tem um atraso rápido que os faz soar como grandes guitarras, como Queen ou The Smashing Pumpkins.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? Eu tenho que descobrir como fazer isso ao vivo, agora! Essa segunda parte será complicada, muitos truques de produção.

Respostas de Paulo Bali

Marcus Lowry – “Hold You Tight” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– O que diz a letra da música? Para mim, essa música foi concebida como um conforto para a solidão e basicamente diz: “Estou aqui para você se precisar de mim”.

– Comente o som do single. Eu realmente amo o som embaçado das vogais e rimas repetidas nas letras e como elas se sobrepõem a essa parte oscilante e delicada da guitarra. Acho que esses dois elementos combinados definem o som dessa música. Junto com a repetição, acho o resultado bastante calmante e reconfortante, como uma canção de ninar para adultos.

– Existe alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? A melodia de abertura e a letra desta vieram de uma só vez, enquanto eu tocava guitarra casualmente. Eu rapidamente amei o som dela e então tentei desenvolver isso em uma música curta. Era uma daquelas músicas que eu sabia que “funcionaria” imediatamente. Joe Grass, que produziu este álbum, me deu um empurrão extra para finalizar a letra e, em seguida, adicionou lindamente este cobertor quente de sintetizadores e pedal steel para amarrar tudo junto.

              Respostas Marcus Lowry

Jules Daud – “Bar Porteño” – (Argentina) – [MINI ENTREVISTA]

– Em resumo, o que é esta música? Jules Daud é um artista argentino que mora em Nova York. Gravado no Wild Sounds Recording Studio, Minneapolis e mixado e masterizado no The Harlem Punk, Nova York, NY.

– O que a letra nos diz? A letra fala sobre a boemia noturna de Buenos Aires. Porteño é uma palavra que se refere a Buenos Aires)

– Como você pode definir a sonoridade da música? Rock & Roll old school & Blues. Música de festa para beber e dançar

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? O vídeo foi filmado no bairro de San Telmo em Buenos Aires durante março/abril de 23. Um dos bairros mais emblemáticos e históricos da cidade

Respostas Jules Daud

Szymon Justyński – “Mekambe” – (Polônia) – [MINI ENTREVISTA]

– Em resumo, o que é essa faixa?Mekambe” é uma música cativante que serve como uma homenagem sincera à essência do verão. Foi criada no final de agosto de 2022. Elaborada com cuidado e paixão, esta obra-prima melódica captura o espírito da estação ensolarada, evocando memórias de dias despreocupados e noites quentes. Com suas melodias contagiantes e ganchos cativantes, “Mekambe” é uma verdadeira celebração do fascínio único da estação. Tornando impossível resistir a bater os pés ou balançar junto

– O que a letra nos diz? A letra dessa música desafia a linguagem convencional, entrelaçando fonética sem sentido com melodias encantadoras. É uma fusão caprichosa de sons e emoções que transcende o significado tradicional, encorajando os ouvintes a abraçar a beleza da abstração e as infinitas possibilidades de expressão. as palavras tornam-se notas musicais, carregando uma ressonância emocional que ultrapassa os limites de suas definições literais.

– Como você pode definir o som da música? É uma música dinâmica e vibrante que combina perfeitamente os gêneros energéticos do funk de fusão, ritmos latinos, batidas brasileiras e toques de música africana. Esta fusão hipnotizante cria um som cativante que transcende as fronteiras culturais, convidando os ouvintes a uma viagem rítmica ao redor do mundo. A partir do momento em que a música começa, você será saudado com tambores de conga que preparam o palco para a energia contagiante que está por vir. Os elementos de funk de fusão infundem a música com um ritmo enérgico e sincopado, levando a música adiante com um impulso irresistível. As batidas contagiantes e a linha de baixo criam uma pulsação irresistível que convida os ouvintes a mover seus corpos ao som da música. O resultado geral é um caleidoscópio de som, onde cada gênero contribui com seu próprio sabor único, entrelaçando-se perfeitamente para criar uma experiência musical contagiante e dinâmica. Esta mistura harmoniosa de fusion funk, ritmos latinos, batidas brasileiras e influências africanas cria um groove irresistível que vai fazer você querer mexer os pés e celebrar a alegria da linguagem universal da música.

– Qual é a relação dessa música com a música e a cultura polonesa? Para ser honesto, não há muita conexão com a música ou cultura polonesa. Mas o fato é que o nome “Mekambe” veio seriamente de um meme polonês. Nesse caso, o meme apresenta um vídeo de um torcedor de futebol polonês que pronuncia errado o nome de um famoso jogador de futebol, enquanto é entrevistado por um repórter. O clipe rapidamente se tornou viral na Polônia e se tornou um fenômeno cultural. A outra conexão vem com o final da música. Quando a música chega ao fim, você pode me ouvir cumprimentando meu amigo em polonês. Ao gravar a saudação como um filme, amplifico ainda mais a qualidade cinematográfica da música e adiciono um senso de narrativa à música. Também proporciona ao ouvinte uma sensação de “bastidores” ou acesso exclusivo ao mundo do artista, criando uma relação mais íntima entre o artista,

Respostas Szymon Justyński

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.