27 de maio de 2024
Lista de Lançamentos (Home Page) Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #58 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 58ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Von Bieker – “If You Want Me To Come Home, I Will” – (Canadá) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o conceito e a mensagem dessa música? Esta é uma música country e ocidental sobre a solidão, cantada por alguém tentando parecer legal. Imagino isso cantado em um telefone público para um parceiro em casa. Não sabemos o que aconteceu ou por que eles se separaram, sabemos apenas que o cantor está pronto para voltar para casa – se for solicitado. Eles não estão prestes a se desculpar e dar o primeiro passo. É um equilíbrio entre desgosto e teimosia que eu acho que permeia muita música country.

– Como e por que foi composto? Se você quiser que eu volte para casa, eu irei, surgiu em uma viagem solitária ao longo de Yellowhead – uma estrada de pradaria que eu estava dirigindo de Edmonton, Alberta, para um show em Saskatchewan a várias horas de distância. Eu estava me sentindo como um “músico de estrada” pela primeira vez, pois este foi um dos meus primeiros shows fora da cidade. Eu estava assistindo a uma série sobre o movimento “outlaw country” dos anos 70 antes de sair, e ao longo da estrada me vi assombrado por artistas como Merle Hagard e George Jones. Um refrão surgiu e eu não queria esquecer, então eu desliguei o rádio do carro para cantarolar sem parar até que pudesse parar na próxima cidade pela qual passei – Mannville, Alberta. Terminei a música sem um violão na sombra da placa do Mannville Motel. O que veio foi uma balada de solidão cantada por alguém que tenta desesperadamente fingir que não está sozinho.

– Como você pode definir o som do single? Este single é um retrocesso country honky-tonk e se tornou um dos favoritos para cantar junto em meus shows ao vivo. Estou canalizando artistas como Merle Haggard e George Jones, bem como artistas americanos contemporâneos como Hiss Golden Messenger. Esta música tem uma batida motriz adequada para uma estrada solitária. Parece muito mais feliz do que é, o que acho que adiciona uma camada de humor à música. É para colocar um sorriso em seu rosto, mesmo que parta seu coração.

– Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? Gravei esta faixa há cinco anos com minha antiga banda Soft March no Edmonton’s Velveteen Music. A banda se separou, deixando o futuro da gravação em questão antes mesmo de uma pandemia global mudar os planos de todos. Eventualmente, a gravação foi ressuscitada e entregue ao artista de Alberta Americana, Leeroy Stagger, mas antes que ele pudesse terminar de mixá-la, o estúdio de Stagger foi inundado. Essa música foi feita para desgosto, ao que parece. Agora, cinco anos depois daquela viagem solitária na estrada, estou muito feliz por finalmente ter essa música lançada.

Respostas de Von Bieker

blondfire – “Heaven Knows I’m Miserable Now (The Smiths Cover)” – (Estados Unidos)

A cantora e compositora norte-americana blondfire une sonoridades brasileira e britânica em seu novo single, “Heaven Knows I’m Miserable Now”, que é uma versão desta música de the Smiths. A canção mistura a bossa nova de nomes como Tom Jobim, Stan Getz e Astrud Gilberto, e bandas britânicas dos anos 1980. Uma ótima salada de ritmos. Confira!

Lotta Wenglén – “Everybody Knows” – (Suécia) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é o conceito e a mensagem dessa música? Nas letras, estou lidando com o fato de que muitos jovens hoje estão lutando com problemas de saúde mental. Eu tento descrever uma pessoa presa em seu quarto tendo problemas para se mover no mundo.

– Como e por que foi composto? Conheço muitas crianças que se sentem mal e lutam com a escola e os amigos. Eu queria colocar a letra em uma música que não fosse muito pesada, mas com esperança de recuperação. Portanto, o grande arranjo de cordas e o refrão aberto, como se dissessem musicalmente; tenha fé!

– Como você define o som do single? O som é um pouco Josh Rouse com um arranjo de cordas completo no estilo Burt Bacharach. Deixei-me ser habilidoso e produzi a música com piano suave e backing vocals ricos. Convidei o velho amigo Magnus Sveningsson do The Cardigans para tocar baixo (já que ele é o rei do country bass) e também grandes amigos músicos que admiro.

– Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento? Eu escrevo quase todas as minhas músicas em um pequeno violão de náilon para crianças. Comprei-o quando tinha nove anos e pode ser ouvido em muitas das minhas gravações no meu estúdio (Margit Music Studio, em homenagem à minha avó) no sul da Suécia. “Everybody Knows” foi lançado pela minha própria gravadora e é o segundo single do próximo EP Stardust & Debris (lançado em 4 de agosto).E finalmente. Uma citação da música:
Você tem se escondido em seu quarto e em sua cabeça
Tendo problemas para tirar os sonhos da cama
Procurando em vão pela verdade e significado
A vida que você vive não é a sua

Respostas Lotta Wenglén

Dan Whitehouse –Ten Steps” – (Reino Unido/Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que os versos da canção dizem? Qual sua mensagem?

Max: Essa música foi escrita entre a cidade de Nova York, onde moro, e Tóquio, onde Dan estava morando em 2021, depois que nos conectamos por meio do esquema internacional Global Music Match, premiado pela Womex. Dois anos depois, estamos prestes a lançar nosso primeiro álbum e fazer uma turnê no Reino Unido em outubro de 2023.

Dan: Meu filho mora no Japão e estamos acostumados com nosso relacionamento se estendendo por terras, mas a pandemia nos presenteou com 18 meses juntos. Uma vez que as restrições foram suspensas, era hora de eu voltar ao Reino Unido para fazer shows e foi quando escrevi Ten Steps. Ten Steps é uma música sobre reunir força interior e coragem para dar um grande passo quando necessário. Fiquei na beira do píer olhando para o mar – Meu próximo movimento parecia tão impossível quanto caminhar na água na minha frente

– Por que e como esta música surgiu? Max e eu recebemos uma nova música em que ele estava trabalhando e isso em meus fones de ouvido enquanto eu estava na baía, reuni minhas forças e escrevi esta carta para meu filho. Eu vejo uma dança solo esparsa e bonita e sinto o ritmo

– É possível definir, de uma maneira geral, a sonoridade do single?

Max : É um ritmo armênio chamado Jurjuna em 10/8 e, de acordo com a lenda, era originalmente em 9/8, mas é um ritmo para dançar, e frequentemente os dançarinos bebiam… muito, e tropeçavam aos poucos e lentamente ao longo da história, os músicos começaram a adicionar uma batida no final da frase para compensar o pequeno tropeço.

Respostas de Katie Whitehouse

Appice Perdomo Project – “Drum City” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– Que música é essa?

Carmine Appice: A música é “Drum City”. É intitulado assim porque começou com a bateria e a bateria é apresentada nessa música. É um groove de bateria acelerado com um trabalho de tom selva no final.

Fernando Perdomo: “Drum City” é muito divertido. É tudo sobre o ritmo e o groove. Carmine me enviou uma faixa de bateria e o loop. Cada nota que escrevi para a música está em perfeita harmonia com sua bateria. Não sei onde fica Drum City, mas quero me mudar para lá.

– Qual é a sua mensagem por trás do instrumental?

CA: A mensagem é um bom momento, música de alta energia para o ouvinte apreciar, com batidas legais e sons de bateria e melodias de guitarra memoráveis. Como é instrumental, é claro que não há mensagem lírica.

– Comente o som do single.

CA: Há grandes sons de bateria ambiente com grandes sons de guitarra melódicos.

FP: Nem todo baterista tem seu próprio som. Há algo na maneira como Carmine ataca seu kit que é inconfundível. Além disso, sua afinação não é algo que você ouve todos os dias hoje em dia. Sua bateria tem muito timbre. Eu nunca uso amplificadores falsos. Adoro o som de um alto-falante, fazendo barulho em um microfone! Eu uso a combinação do meu Magnatone, TwiLiter e meu Carlos Santana Yamaha Sg para esta música. Jeff Beck também usou o mesmo amplificador, e fiquei muito animado por ser mencionado junto com ele nos anúncios da Magnatone.

– Fale sobre o clipe.

CA: Este clipe e o título “Drum City” vieram de uma obra de arte que criei com meu amigo Ed Heck. Achei que com o título poderíamos usar a arte como pano de fundo para o vídeo. Ao fazer a edição, meu editor Robert Neilson disse que pode animar a arte por um pouco mais de dinheiro, pois levaria mais tempo. Claro, eu disse a ele para fazer isso. Agora, é a arte de “Drum City

FP: Este vídeo é pura diversão. Zak Bordeaux fez milagres combinando nossas apresentações com a arte de Ed Heck e efeitos legais. Um casamento perfeito de som e visão.

– Tem alguma história ou curiosidade interessante sobre esse lançamento?

CA: Meu cara que filmou minha performance, Zak Bordeaux, sugeriu que eu colocasse fita verde no meu peito. Ao gravar minha performance com uma tela verde e colocar fita verde em meu Chevy, meu editor conseguiu colocar efeitos em minha camisa. Há um X e um triângulo nas minhas camisas. Em diferentes momentos do vídeo, você vê diferentes efeitos aparecendo no meu peito, o que deu um efeito que você pode ver através do meu peito. Efeito bacana!! Todo o vídeo dá a impressão de que estamos na animada Cidade do Tambor.

FP: Estou usando uma camiseta Gong no vídeo. Tive a sorte de trabalhar com Steve Hillage e Didier Malherbe. Eu amo tanto gong e adoraria produzi-los. Também estou usando uma jaqueta Star de uma empresa chamada Oppo Suits. Ringo Starr está usando a mesma jaqueta! Eu me pergunto se ele está me copiando. Isso está ok; eu tenho copiado ele na minha bateria toda a minha vida.

Respostas Appice Perdomo Project

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.