21 de fevereiro de 2024
Além da BR Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #76 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 76ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

Louisa Rowley “Love Me For All My Flaws” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual é a mensagem dessa música? A música é um hino de autoconsciência; reconheço-me abertamente como um indivíduo imperfeito; sofro de muita ansiedade e recentemente descobri que tenho autismo, além de já ter sofrido outros problemas de saúde mental. Eu queria que a mensagem da música fosse para meus amigos e familiares, pedindo-lhes que me amassem, apesar da forma como meus comportamentos e escolhas são afetados por meus próprios problemas de saúde mental.

– Como e por que essa música nasceu? A música foi escrita há 5 anos, quando comecei a escrever blues. Foi escrito durante um período de intensa ansiedade social. Eu tinha acabado de terminar a escola aos 18 anos, não tinha ideia do que queria fazer (tudo que sabia era que queria fazer música) e tinha acabado de entrar no mercado de trabalho pela primeira vez, o que me aterrorizou. Isso me tornou uma pessoa diferente, eu estava irritado, constantemente chateado e passava todos os dias sentindo pavor e terror, provavelmente não era tão agradável estar perto de mim. Mas, curiosamente, eu estava completamente ciente disso e não gostei de ver essas mudanças e falhas virem à tona. A partir daí, o desejo de ser aceito apesar das minhas muitas falhas tornou-se um tema abrangente para as letras.

– Comente sobre o som do single. A música foi uma das primeiras músicas de blues que escrevi, originalmente escrita no estilo folk blues (embora eu sempre tenha tido interesse em expandir esse som para instrumentos mais elétricos/influências do soul). O apoio otimista da faixa deu-lhe uma justaposição com as letras mais profundas e pensativas (e na época, eu não conhecia muitos padrões de dedilhar no ukulele!) E, finalmente, o dedilhar cativante do ukulele apelou para os temas esperançosos ocultos por trás da música. Quando quis expandir a música como um lançamento, eu queria expandir para uma mistura de influências de blues/soul, e assim, as principais referências musicais tornaram-se Elvis, Suspicious Minds, Amy Winehouse, Rehab e Joy Crookes , _Mãe, posso dormir com o perigo, todas faixas influenciadas pelo soul ou pelo blues que combinam melodias cativantes e rápidas com letras mais observacionais ou introspectivas.

– Existe alguma história interessante ou curiosidade sobre este lançamento. O que é interessante sobre este lançamento é como ele ainda é tão relevante para mim agora como era há 5 anos, mas não inteiramente pelas mesmas razões. Eu escrevi a música quando estava lutando contra uma forte ansiedade social, eu era uma pessoa muito nervosa, que tinha dificuldade para viajar para fora da minha região e que definitivamente não conseguia se apresentar na frente de outras pessoas. Cortado para 5 anos depois, terapia, medicação e diagnóstico de autismo, ainda luto muito contra a ansiedade e isso ainda muda e afeta meu comportamento de maneiras com as quais nem sempre me sinto confortável. Mas não sofro mais de ansiedade social severa, adoro subir no palco para me apresentar e, recentemente, apesar da minha própria ansiedade em relação a viagens, fui ao exterior pela primeira vez em 6 anos! Esta faixa atrai tanto o pessimista quanto o otimista que há em mim.

Respostas Louisa Rowley

Gaba Groove – “FiRE” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que essa música traz em sua letra? A música é sobre engano e como a mídia e o governo mentiram para o público sobre o que é bom e ruim para eles, tudo por dinheiro.

Muitos fizeram coisas que nos disseram para fazer, porque foi exatamente isso que nos disseram para fazer, e agora acontece que essas coisas estavam erradas e estavam erradas.

– Qual a origem conceitual desta música, sua base, seu contexto? Por exemplo, a cannabis foi ilegalizada todos estes anos, não porque nos fizesse mal, mas por causa do dinheiro. E acontece que é realmente bom para algumas pessoas e realmente benéfico para muitas pessoas do ponto de vista médico. É uma pena que essas pessoas tenham sofrido.

Outro exemplo, ao contrário, é um comercial veiculado por uma empresa farmacêutica que dizia que o oxycontin era 100% seguro e que o vício não era possível. Mais uma vez, muitas vidas foram destruídas devido ao vício em opiáceos. Tudo porque queriam ganhar dinheiro.

– Que elementos você trouxe para o som? Nosso som começou como Reggae e se transformou em mais pop punk com elementos de reggae.

Também venho incorporando mais ska e rock nas músicas, como pode ser visto nesta nova música “FiRE”. E claro, eu tenho que colocar os órgãos do reggae com sutileza.

– É possível comparar essa música com alguma coisa? Disseram-nos que nosso som é uma mistura de Blink182 e Sublime. Não sei. Eu adoro escrever e tocar músicas que surgem na minha cabeça como uma ideia.

Respostas de Rudy Gaba (compositor, guitarrista e cantor)

The Niños Chaos“Cruel Honest Soul” – (Finlândia) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual a mensagem desta música? Este single de estreia, ‘Cruel Honest Soul’, é uma história sombria de amor e romance que se transforma no choro daqueles que ficaram para trás. Com coragem e respeito, a música retrata a história de quem se perde na tentativa desesperada de reconquistar um relacionamento mórbido. Esta realidade raramente discutida de mulheres vítimas de abuso que escolhem a morte como meio de fuga é colocada no centro das atenções por The Niños Chaos e Josephine Chujor Churemi com os seus vocais assombrosos que dão voz à dor de milhões de pessoas em todo o mundo e no seu país, a Nigéria.

– O que esta música diz sobre sua carreira? The Niños Chaos é uma colaboração de dois artistas apaixonados de todo o mundo que acreditam que o poder da música deve ser usado para promover mudanças sociais e trazer para o centro do palco temas que normalmente são ignorados ou não discutidos, como depressão e humor. transtornos, problemas de saúde mental e fenômenos não mencionados, como suicídio e violência contra as mulheres.

Tanto Ace Eshed quanto a Dra. Sharon Lubasz têm carreiras estáveis, respeitáveis ​​e independentes. A esperança é que essa linda canção especial toque muitos corações e promova discussões sociais sobre esses importantes assuntos. Se a música conseguir atingir grandes públicos em todo o mundo, então talvez ajude a nossa causa e a nossa mensagem impacte mais vidas.

Respostas The Niños Chaos

Jesse Roach – “My Kind of Strong” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nesta música?  Que a força de um relacionamento pode nascer simplesmente da disposição de apoiar alguém silenciosamente em todas as provações, ou até mesmo de mover montanhas quando necessário.

– Como e por que essa música nasceu? Os dois escritores decidiram explorar a possibilidade de comparar o amor humano ao amor espiritual, e como os dois poderiam de alguma forma ser exatamente iguais quase até o último minuto, quando você poderia facilmente ver que um é diferente do outro.

– Qual a sua descrição do som desse single? Uma bela mistura de Blues, com vocais de uma jovem que tem influência do estilo Janis Joplin. Em um mundo onde as músicas muitas vezes soam iguais, essa música é algo único.

– O que essa música diz sobre sua carreira? Essa música surgiu no momento perfeito para mim. Eu sabia que tinha mais a dizer sobre a vida do que havia dito neste momento e, embora eu goste de escrever minhas próprias músicas, essa falou comigo tão fortemente que senti que precisava dar voz a isso.

Respostas Jesse Roach

Sven Curth – “My Baby Hates Me when She’s Drinking” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nesta música? Eu diria que essa música é principalmente uma paródia, apenas uma ideia engraçada que tive e queria transformar em uma música.

Por outro lado, acho que todos podem se identificar com uma “outra pessoa importante” que pode não lidar tão bem com sua bebida…

É melhor eu calar a boca. Não quero me meter em problemas.

– Como e por que essa música nasceu? Amo meu bebê e só tenho coisas maravilhosas a dizer sobre ela e sua capacidade de beber álcool.

– Qual a sua descrição do som desse single? Para essa música eu estava procurando um “Waylon Jennings encontra Bob Wills” – Texas, Country, Swing. Toquei uma telecaster Fender para obter aquele tom de “sotaque” e adicionei um pouco de banjo para dar sabor. Não me canso do sabor country e é muito divertido de tocar.

– O que essa música diz sobre sua carreira? Oh garoto. Minha carreira?! Provavelmente não diz nada de muito positivo. O mais provável é que sugira que bebo demais, não levo minha vida a sério e agora estou arrastando a reputação do meu bebê na lama também! Vamos ser sinceros, sou um fracasso. Suspirar.

Respostas Sven Curth

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.