23 de junho de 2024
Além da BR Listas de lançamentos

Playlist “Além da BR” #93 – Sons do mundo que chegam até nós

além da br

Somos uma revista de arte nacional, sim! No entanto, em respeito à inúmeras e valiosas sugestões que recebemos de artistas de diversas partes do mundo, criamos uma playlist chamada “Além da BR”.

Como uma forma de estende-la, nasceu essa publicação no site, que agora chega a sua 93ª edição. Neste espaço, iremos abordar alguns dos lançamentos mais interessantes da playlist.

The Next Movement “Unity”[MINI ENTREVISTA]

– O que é esta música, em resumo? JJ Flueck: Acreditamos que um dos poderes restantes para unir as pessoas é a música, especialmente um bom groove. Aqui está nosso chamado pessoal para UNITY, encharcado de funk roxo e R’n’B, temperado com um groove profundo que você precisa sentir com sua alma, não com seus ouvidos.

– Qual foi sua fonte de inspiração para escrever esta música? JJ Flueck: Nossa inspiração vem da vida cotidiana, das coisas que vemos. E, claro, as grandes fontes musicais às quais fomos expostos ao longo dos anos.

– Quanto à sonoridade, quais são seus comentários? JJ Flueck: Gostamos de ter um som nítido e forte. Gostamos de combinar instrumentos analógicos reais, como guitarra, baixo e bateria, com sintetizadores e elementos mais produzidos para dar ao nosso som funky uma abordagem nova, mas atemporal.

Respostas The Next Movement

Bitter Lemons – “Mortal Coil” – (Reino Unido) – [MINI ENTREVISTA]

– Em suma, o que é esse trabalho? Hayley James (cantora) – a música se chama mortal coil, uma música sobre o tempo limitado que temos nesta vida e como, apesar de todas as coisas ruins que acontecem, saborear os momentos de alegria que acontecem ao longo do caminho

– Qual é a sua mensagem? Richie James (baixista/compositor) a mensagem da música, como Hayley disse, é sobre aproveitar os bons momentos da vida, estar em uma banda, você está sempre pensando no que vem a seguir, você raramente participa do grande show que fez, o processo e alegria de fazer música, gostar de ver uma ideia maluca se concretizar e se tornar toda essa entidade que ela acaba sendo. Minha mensagem é que em todas as coisas nos envolvemos, lembre-se por que você começou a fazer alguma coisa e aprecie a jornada, não apenas se concentrando em onde você está indo.

– Como isso aconteceu? Richie James (baixista/compositor) estávamos fazendo o primeiro show do Bitter Lemons há cerca de um ano, abrindo uma banda tributo a Johnny Cash. Naquela noite, fui informado de que um ex-chefe meu, com quase 30 anos, havia sido diagnosticado com câncer terminal. Na manhã seguinte, refleti e a música veio até mim, todo o lixo da vida em que nos concentramos não é nada comparado à alegria que experimentamos no caminho para isso. Com Johnny Cash tocando em meus ouvidos, escrevi uma música sobre valorizar a vida em vez de me concentrar em todas as coisas negativas.

– Há alguma história ou fato interessante sobre este lançamento? Hayley James (cantora) acabamos de lançar nosso EP no domingo passado, apresentando todos os singles incluindo Mortal Coil, foi uma noite incrível, mas um amigo meu comentou o quanto eles adoraram a letra da música, recentemente eles se perderam lá, pai, e eles apenas disseram que isso os lembrava de celebrar a vida, em vez de se concentrar em toda a dor pela qual estavam passando. Conectar-se com pessoas assim é o que importa. Esta vida pode ser cheia de ‘trabalho duro’, mas há momentos em que nos conectamos, vivemos a vida e celebramos, no meio da luta temos que perceber que a vida acontece enquanto você está ocupado fazendo planos, então lembre-se de aproveitá-la.

Respostas Bitter Lemons

Mitch Grainger “Plug It In” – (Austrália) – [MINI ENTREVISTA]

– Qual o resumo desta música? Apresente-a! A essência desta música é a ideia de que podemos levar as coisas a um nível superior. Boas vibrações, festas, dança e entretenimento são imagens que tenho em mente quando toco essa música.

– Qual foi sua inspiração e como a música surgiu? A fonte de inspiração para escrever esta música veio do lick de guitarra que me ocorreu tarde da noite, enquanto eu estava tocando em casa. As imagens que mencionei acima vieram até mim e comecei a escrever as letras. É realmente projetada como uma música para começar uma festa. É por isso que é a primeira música do meu novo álbum também.

– Comente a sonoridade do single. O som desta faixa é influenciado pelo rockabilly e blues, e apresenta muita gaita. Acredito que é uma mistura única de sons que torna difícil enquadrar em um gênero.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? Esta faixa é a faixa-título do meu próximo álbum “Plug It In”, que será lançado em 10 de novembro. I sinaliza o início de um novo capítulo para mim musicalmente. Com esta faixa (e álbum) estou realçando a música acústica pela qual sou conhecido com a instrumentação completa de uma banda.

Respostas Mitch Grainger

Svarp The Harp – “Hoochie Coochie Man (Cover Version)” – [MINI ENTREVISTA]

– Resumindo: o que você acha que é essa música? Svarp The Harp: É um clássico do blues de Willie Dixon dos USA.

– Por que você decidiu gravá-lo? Svarp The Harp: É uma das minhas músicas favoritas de blues. Gosto de ouvi-los e tocá-los.

– O que você fez de diferente nesta versão? Svarp The Harp: Minha versão é um pouco mais lenta, mais longa e com meu solo tranquilo de harpa de blues e um segundo solo dividido com guitarra e harpa de blues.

– Há alguma história ou fato interessante sobre este lançamento? Svarp The Harp: Sim, há uma mudança ligeiramente oculta no último verso. Ligeiramente adaptado aos nossos tempos e possibilidades atuais. Em vez de mulher cigana escrevi World Wide Web e em vez de mulheres bonitas escrevi homens bonitos. isso é tudo. Então, realmente, muito pouca mudança.  Obrigado pela sua atenção! Fiquei muito feliz com isso! Atenciosamente! por Svarp The Harp

Respostas Svarp The Harp – Hoochie Coochie Man (Cover Version)

Jessie Galante – “I Can’t Quit You Babe” – (Estados Unidos) – [MINI ENTREVISTA]

– O que você diz nesta música, qual sua mensagem? Essa música é sobre os desafios de fazer um relacionamento funcionar, apoiando um ao outro, mesmo nos momentos mais sombrios. É sobre dar e receber, paciência, compreensão e profundo compromisso um com o outro. Manter um relacionamento feliz e respeitoso exige muito trabalho. Às vezes, as emoções de dor e orgulho atrapalham, mas abrir mão do controle e praticar a vulnerabilidade pode tornar o relacionamento forte e ainda mais amoroso.

– Como você pode definir a sonoridade do single? “I Can’t Quit You Babe” nasceu de tantas influências entre meu co-compositor guitarrista Janos Szucs e eu. Janos é de Budapeste, Hungria e seu estilo de guitarra inspirou a mensagem e a emoção da música. Janos e eu somos influenciados pelo rock, soul, R&B e blues e essa música capta a essência de todas as nossas influências.

– O que você considera que há de mais especial nesta música? Essa é uma ótima pergunta. Eu sinto que o contraste entre o som da guitarra de Janos e o estilo entre os versos e refrões são tão adequados para as emoções dessa música. Seu lindo estilo latino tocando nos versos inspira perfeitamente a sensibilidade das letras e vocais e, em seguida, a quebra em sua poderosa emoção rock de suas guitarras no refrão que inspirou a performance agressiva de meus vocais entregando a mensagem e a paixão desta música.

– Há alguma história ou curiosidade interessante sobre este lançamento? “I Can’t Quit You Babe” é sobre um momento difícil com meu falecido marido Larry Swist, onde eu estava com muita raiva e emocionalmente perdi o controle sobre ele. Eu era inseguro e rápido em julgar sua lealdade (mas não sobre sua infidelidade), pois ele era um homem muito leal, gentil, gentil e amoroso. Fiz comentários dolorosos cegos pela minha raiva, pelos quais ainda sinto remorso. Depois que me acalmei, estava tão cheio de culpa que estava desesperado para provar a força de nosso amor e relacionamento e fazer o que fosse necessário para ficarmos juntos e retomar nosso lindo amor e relacionamento juntos.

Respostas Jessie Galante

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.