Revista Arte Brasileira Extras Rock Popular Brasileiro, Edson Souza?
Extras Mais publicações Revista Diagramada

Rock Popular Brasileiro, Edson Souza?

Baião com rock foi uma investida polêmica de Raul Seixas, entre outras misturas. Apesar disso, o cantor e compositor baiano não considerava-se membro da “linha evolutiva da música popular brasileira”, mas fazia coisas muito populares. Era rock, mas também muito brasileiro. Esse armamento musical e poético de Raulzito fisgou um “discípulo”: Edson Souza.

Pouco antes de 1989, ano da morte de Raul, Edson foi convidado para um papo cabeça com o maluco beleza em seu apartamento, após um encontro. O “café” combinado não aconteceu. Raul decolou para outro mundo. Entretanto, o convite formalizado em um pedaço de papel (veja no fim da matéria) é o gás que move Edson até hoje. Acontece que, apesar dessa inspiração primária, digamos assim, o cantautor paulista é plural.

Descontente com a mania humana de sempre criar fronteiras entre gêneros musicais, o músico batizou o que faz como RPB, ou seja, Rock Popular Brasileiro. “Os contratantes de shows sempre perguntam qual meu estilo musical, então digo que é Rock Popular Brasileiro, e assim surgiu o termo.”, conta ele.

“Era comum me perguntarem se eu ia cantar rock americano, minha resposta era sempre não, porém por gostar muito de rock’n’roll e por não falar inglês comecei adaptar música popular brasileira para o ritmo de rock e blues, como as canções de Zé Ramalho, Belchior… Porém o rock do Raul Seixas, na minha opinião, sempre foi RPB com arranjos originais do rock com letras populares, com inclusão de alguns instrumentos brasileiros como pandeiro, cuíca, berimbal…um exemplo é a música ‘A mosca na sopa'”.

Em 1988 Edson Souza conheceu Raul Seixas na Vila Serena em SP, onde Raul ficou conhecendo o trabalho autoral de Edson e também os shows que fazia em sua homenagem dando sua aprovação para ambos. (Foto: acervo pessoal / reprodução do instagram de Edson Souza).

O RPB além de Edson Souza

Ainda que inconscientemente, Edson diz que outros brasileiros são de sua “mesma tribo”. Legião Urbana, Cazuza, Barão Vermelho, Walter Franco, Tom Zé, Erasmo Carlos, Odair José, e por aí vai…

Segundo ele e sua companheiro criativa, Elizabeth de Souza, o RPB não é uma invenção, mas apenas uma forma de identificar o que sempre existiu. “Acredito que sempre há um movimento espontâneo de artistas, penso que alguns alternativos do rock brasileiro, trabalham nessa vertente.”, explica Elizabeth.

Por fim, ambos os artistas enxergam o movimento como uma alternativa para se pensar em música no Brasil. Há décadas, Edson Souza tem o objetivo de prosperar o RPB, para que ele seja reconhecido.

“Tenho trabalhado nessa divulgação e venho tentando acertar cada dia mais, e sem pretensão alguma. Acredito sim, que isso pode acontecer e acho que nos libertará do padrão e do radicalismo musical.”, pontua ele.

Elizabeth acrescenta: “Esse movimento espontâneo já acontece nos bastidores da musica brasileira, talvez o oficial não a reconheça como deveria. Mas aos poucos vamos nos libertando do que se é imposto, descaracterizando o que é da nossa cultura.”

Tom Zé já dizia: todo compositor brasileiro é um complexado

Podcast Investiga: Por que o rock deixou o mainstream brasileiro? (com Dorf)

Vamos a prática!

“Coisas Lindas” é o disco de estreia de Edson, que transita no universo musical profissionalmente há mais de 30 anos, em atividade interrupta. Gravado entre 2020 e 2021, a metade das dez faixas tem letras de Elizabeth Souza, professora e jornalista que acompanha o percurso de Edson, na condição de amiga.

O álbum é um marco, já que é o primeiro de um artista assumidamente RPB. A sensação que fica é do poder deste lançamento. “Coisas Lindas” é a tradução do movimento, mas também de uma humanidade que necessita de união, de amor, alegria…

Agora fique com o faixa-a-faixa, comentando por Edson e Elizabeth.

  • COISAS LINDAS”   

Edson Souza – Esse é um poema de Elizabeth de Souza que deu título ao álbum.

Elizabeth de Souza – “Coisas Lindas” é um poema em que fala da brevidade do tempo e sua passagem, por isso a valorização do aqui e agora. Aproveitar o presente para a realização de tudo que é importante. Afinal, é preciso dizer as coisas belas e sagradas, enquanto há o tempo para isso, pode ser que não se tenha oportunidade de fazê-lo num futuro próximo e/ou distante. E por mais dionísicos que somos, continuamos frágeis humanos.

  • AMOR” (Letra: Elizabeth de Souza)

Elizabeth de Souza – “Amor” mais do que o sentimento meramente humano de sentir o amor entre as pessoas e seres, nos remete a um patamar mais abrangente: a via do transcendental, onde o “Amor” é considerado uma substância cósmica universal, o fundamento da criação em todo o universo. Sem amor, não há criação e nem essência. Toda criação é a manifestação do Amor, tanto acima como abaixo, uma das leis herméticas.

Também considerado uma substância crística. O Amor em todas as suas formas dá movimento ao Cosmos, é a dança cósmica ao criar o Universo e os seres. E os seres humanos são a representação dessa criação em sua forma de amar.

  • ONDE VOCÊ ESTIVER” (Letra: Edson Souza)

Edson Souza – É uma carta de amor que foi musicada.

  • URGENTEMENTE” (Letra: Edson Souza)

Edson Souza – Propõe uma mudança de comportamento em meio ao mundo que vivemos.

  • AMÉRICA LATINA” (Letra: Elizabeth de Souza)

Elizabeth de Souza – “América Latina” fala do nosso continente, aqui onde vivemos e lutamos diariamente. Comparada a um ser feminino que busca incessante por sua liberdade e para isso, lutar sempre. Essa é a sina da América Latina que inocente, foi invadida em meio às conquistas de outros povos de outras línguas e culturas. E depois a aventura dos seus libertadores que lutaram por esse território. E até os dias de hoje a nossa amada América Latina vive essa gana de lutar por liberdade.

É um poema que fala da beleza da nossa América, mas também de forma pungente, do sangue derramado em lutas desiguais.

  • LUCIDEZ” (Letra: Edson Souza)

Edson Souza – Uma sacada das armações e tramas humanas que tentam nos atingir, das quais acham que não percebemos.

  • VILA SERENA ROLL” (Letra: Edson Souza)

Edson Souza – Relato de uma história verídica do encontro que tive com Raul Seixas nos anos 80, na Vila Serena.

  • HOJE NÃO!” (Letra: Elizabeth de Souza)

Elizabeth de Souza – “Hoje não!” é um poema meu, que com ajuda do próprio Edson e Isis Odara, uma menina sensível, foi modificado em algumas partes. Uma letra bem humorada que faz alusão a uma personagem de GoT e sua luta, onde ela menciona essa frase numa das cenas.

“Hoje não!” fala de forma lúdica, das mazelas do mundo e a morte iminente que pode ser hoje ou num amanhã qualquer. O giro na roda da vida e da morte é incessante assim como é o desejo de escapar dessa repetição às quais estamos sujeitos. Só se escapa desse círculo vicioso com a Revolução da Consciência.

  • SONHOS” (Letra: Elizabeth de Souza)

Elizabeth de Souza – “Sonhos” é uma viagem onde imagens, cheiros e cores tomam contam das percepções. As sensações prevalecem acima de qualquer lucidez. Sensações arrebatadas pelos elementos e elementais da Natureza, que proporcionam um giro permanente da nossa mente, nessa roda de ciclos minerais, vegetais, animais e humano. Essa viagem é um resgate da própria realidade, através dos sonhos, onde é possível adentrar  todas as dimensões da Natureza.

“Sonhos” é uma viagem onírica pelas montanhas e beleza da Serra da Mantiqueira, aquela que se avista da região do Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo. Olhar a Serra da Mantiqueira é sonhar acordado.

  • SEGUINDO MEU CORAÇÃO” (Letra: Edson Souza)

Edson Souza – Uma brincadeira, uma descontração, e também um estímulo para que as pessoas sejam felizes e aproveitem o momento, o agora!

Quem são os artistas? Confira o bate-papo!

Matheus Luzi – Quem é Edson Souza artista e como ser humano?

Edson Souza – Como a arte é uma manifestação da alma, procuro dar vida em textos que me vem como inspiração do astral, e do que capto espiritualmente, também do que me vem por escrito, como por exemplo, poesias de parceiros poetas.

Como ser humano tenho consciência de que somos eternos aprendizes nessa escola da vida, buscando sempre o caminho da evolução, procuro não cometer os mesmos erros.

Elizabeth de Souza – Edson Souza é um músico que se dedica o tempo todo ao seu trabalho musical estudando e se aperfeiçoando. É um ser humano adepto da paz, o amor e a alegria entre todos aqueles que o cercam. Edson Souza não é meu irmão de sangue, apesar do mesmo sobrenome, mas é de coração e de alma.

Matheus Luzi – Faça um breve resumo da sua trajetória artística de 30 anos.

Edson Souza – Músico autodidata, atuo como compositor, músico, arranjador, educador musical, produtor musical e escritor há décadas. Iniciei em 1985, com o projeto “Edson Souza Canta Raul Seixas”, sendo pioneiro a fazer shows em homenagem ao considerado pai do rock brasileiro, nosso eterno maluco beleza Raul Seixas desde que Raul ainda era vivo e aprovou meu trabalho. O show não se trata de “Cover” é uma festa para o Raul. Tive a oportunidade e alegria de conhecê-lo pessoalmente e apresentar meu trabalho autoral a ele, o qual despertou grande interesse de Raul que me convidou para ir visitá-lo em sua residência (abaixo cartão que recebi do Raul com seu endereço para procurá-lo), porém eu que andava atrapalhado com percalços da vida demorei demais para ir ao seu encontro, quando resolvi ir já era tarde, Raul se encontrava em turnê com Marcelo Nova e muito debilitado logo veio a falecer, então ficou em secreto esse nosso encontro e esse “chamado” que me encoraja e me motiva até os dias de hoje a continuar neste caminho musical; e essa história acabou em música é claro, compus “Vila Serena Roll” onde relato esse encontro. Dessa experiência surgiu o musical “Revolução Psicológica” composto por músicas autorais, que se trata apenas de uma sugestão de mudança de comportamentos, pensamentos e atitudes em benefícios de todos, e que com o qual nos anos 90, fiz um circuito universitário, com grande sucesso, trabalho esse que provocou uma saudável discussão nos meios acadêmicos envolvendo os cursos de Psicologia e Sociologia. O show percorreu as universidades Brás Cubas (Mogi das Cruzes), Universidade Federal de Itajubá (Sul de Minas), Universidade Federal do Mato Grosso, Unitau (Taubaté). Tive a honra de abrir shows de grandes nomes da Música Popular Brasileira, entre eles: Zé Ramalho, Lô Borges, Zé Geraldo, Pena Branca e Xavantinho, Benito de Paula e Léo Canhoto. Em 2018 fiquei em segundo lugar no FECC (Festival da Canção de Caraguatatuba). Em 2019 e 2020 participei do Festival de música autoral (MUAU) em Jacareí-SP.

Atualmente através de uma parceria com a poetisa Elizabeth de Souza lanço meu primeiro álbum autoral, composto por cinco poesias de Elizabeth Souza que musiquei e mais cinco poesias minhas musicadas, produzido durante a pandemia.

Elizabeth de Souza – Sou professora, coordenadora e editora do Portal Entrementes, um site de cultura em geral. Escrevo uma coluna no site com textos e poesia. Participo de movimentos culturais desde meados dos anos 80, participei do “Canto da Cultura”, com varais poéticos na Praça Afonso Pena de São José dos Campos. Em 2004 e 2006 fiz parte de dois CDs de Poesia produzidos por João Carlos Faria e Marcelo Planchêz, produtores culturais. Em 2009 comecei a trabalhar em meu próprio site cultural (www.entrementes.com.br) escrevendo e editando. O site tem vários colunistas e colaboradores. Em 2015 comecei a fazer uma revista impressa, com o diagramador Filipe Oliveira e a colaboração de textos dos colunistas. A revista foi publicada também na plataforma do ISSU. Eram quatro edições no ano (edição de primavera/verão/outono/inverno). As publicações impressas foram encerradas em 2018, mas o Portal continua no ar até o momento. Em 2020 e 2021 fiz parceria com o músico, compositor e arranjador Edson Souza,  iniciando um trabalho poético musical que resultou no álbum “Coisas Lindas”.

11 Matheus Luzi – Quais são influências e inspirações musicais, artísticas e de outras áreas do conhecimento humano?

Edson Souza – Minhas inspirações musicais vêm de Raul Seixas, Zé Ramalho, Bob Dylan, Milton Nascimento, B.B. King, Elza Soares, Maria Bethânia, Walter Franco, Little Richard, Chuck Berry… e por aí vai…

De outras áreas do conhecimento humano no geral são físicas e metafísicas.

Elizabeth de Souza – Gosto de ouvir música erudita, em especial Beethoven, Mozart e chopin. Sou uma apreciadora de arte, filosofia, Ciência e esoterismo. E como já disse anteriormente, gosto de literatura e poesia, por isso arrisco em escrever alguns poemas, crônicas e textos filosóficos.

Matheus Luzi – Quais temas são comuns em suas letras e poesias?

Edson Souza – O amor e a alegria.

Elizabeth de Souza – A vida, o ser, o homem e sua busca incessante pelo conhecimento e pelas coisas lindas da vida.

Matheus Luzi – Qual a relação entre Edson Souza e Elizabeth de Souza?

Edson Souza – Além de uma relação poética, somos amigos há mais de 30 anos. Digo sempre que somos irmãos de coração, apesar de termos o mesmo sobrenome.

Elizabeth de Souza – Somos amigos e irmãos de coração desde os meados dos anos 80, quando conheci o Edson e ele nessa época já havia musicado um poema meu, que se perdeu. E agora, retomamos em plena pandemia, esse laço entre a música e a poesia e saiu Coisas Lindas.

Crédito da imagem da capa da matéria: Capa do álbum – Ilustração de Zeco Rodrigues

Sair da versão mobile