27 de fevereiro de 2024
Álbum Música

Em disco de estreia, Cristiano Oliveira expande a viola para vários gêneros musicais

Capa de “Harmonia Sateliteana”

Preocupado em preservar os conhecimentos sobre as origens da viola, o professor e músico Cristiano Oliveira desenvolveu um “Show-aula”, como ele mesmo descreve. Naquele momento, Cristiano pensou em uma aula com contação de histórias sobre a viola, além de apresentações de músicas. No entanto, essa proposta, mais tarde, se tornou “Tudo tem Viola”, álbum que o artista lançou este ano.

“A ideia central, e o motivo do nome do álbum, nasceu de uma necessidade de mostrar que a viola também pode navegar por outras vertentes, outros gêneros musicais, além daqueles gêneros mais tradicionais rurais, como a Moda de Viola, o Repente. Que são muito importantes também, são nossas raízes, mas sentia a necessidade de expandir a experiência com a viola para gêneros diversos, já me que alimento muito da diversidade da música brasileira e mundial.”, explica Cristiano.

Integrado por doze faixas, o álbum é uma mescla de assuntos, porém, sempre com a intenção de retratar a relação do ser humano com a natureza, algo muito presente, por exemplo, nas canções “Som da Mata” e “Ituá”. “Também trazem a força da ancestralidade, seja pelas entoações de referência aos povos indígenas guaranis, como na música ‘A lua é ela’, seja pelas sonoridades trazida pelo blues, em ‘Blues para Viola’.”, acrescenta ele.

E continua sua explicação: “Já a música ‘Simbora Zé’ é uma canção que expressa a vida do trabalhador nas cidades, que busca descanso e diversão indo ao mercado comer o que gosta, encontrando os amigos, ‘as meninas’ e curtindo música, numa referência às minhas vivências na cidade de João Pessoa. E a música ‘Clara’, por sua vez, é uma declaração de amor de pai para filha, feita para minha filha Ana Clara.”

Assim como já sugere o próprio título do disco, Cristiano faz da viola um instrumento capaz de dialogar com inúmeros gêneros musicais, como o blues, baião, xote, jazz, pop, música de vanguarda etc. Assim, o espaço para experimentações e improvisações é grande, um marco estético e conceitual do álbum.

“O ritmo é o grande orquestrador em ‘Tudo tem Viola’, é ele quem conduz a parte harmônica e melódica, numa dança repleta de variações. Em ‘Harmonia Sateliteana’ por exemplo, tem várias variações rítmicas. A modulação também muda muito nas músicas do álbum, o ‘centro tonal’, mudando assim a ‘cor’ daquilo que estou contando na música.”, conta o músico.

O álbum também é referencial, como pontua Cristiano: “trago também influências dos Mouros na música nordestina, a partir do uso do modo mixolídio, bem como referências do jazz e da música experimental, tão marcantes em minha formação e desenvolvimento musical, como Hermeto Pascoal, Pedro Osmar, Quarteto Novo, Sivuca, Jackson do Pandeiro, etc.”

FICHA TÉCNICA

Viola: Cristiano Oliveira
Vocais: Nina Ferreira, Gláucia Lima, Maurício Soares
Baixo: Chico Limeira
Bateira: Beto Preah
Guitarra: Marcelo Macêdo
Gravação: Marcelo Macêdo e Paulo Tazz
Mixagem e masterização por Marcelo Macedo, no Estúdio Peixe Boi (João Pessoa – PB)
Produção dos lançamentos digitais, redes sociais e assessoria: Patrícia Assad

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.