26 de fevereiro de 2024
Mais publicações Traçando o perfil

Quem é Priscilla Pugliese, protagonista da premiada websérie “A Melhor Amiga da Noiva”?

Créditos: Lukkas Marques

Formado em Cinema pela Faculdade Nu Espaço, Priscilla Pugliese é atriz, empresária e produtora, funções que exerce primordialmente na Ponto Ação Produções, da qual é fundadora ao lado de Rodrigo Tardelli e Natalie Smith. Também é escritora de romance, tendo lançado até o momento o seu único livro, “Amado Léo”.

Como atriz, seus papéis de mais destaque como protagonistas são nas webséries “A Melhor Amiga da Noiva” e em “The Stripper”, ambas de sua produtora. De sucesso, as obras alcançaram vários países ao redor do mundo, conquistando importantes prêmios.

A importância desta artista para o audiovisual independente merece um espaço aqui na Arte Brasileira. Por isso, nós a convidamos para uma entrevista, que você confere a seguir.

Matheus Luzi – Priscilla, seria possível um pequeno “resumo” da sua trajetória profissional? Ou seja, quais acontecimentos marcantes merecem destaque?

Priscilla Pugliese – Uau! Tenho alguns momentos muito marcantes da minha trajetória. O primeiro é de quando eu gravei o meu primeiro curta, que foi a formação da escola, da faculdade. Foi a primeira vez que gravei e que me auto produzi junto com meus amigos. O segundo ponto foi quando fiz minha primeira webserie por fora. Novamente eram meus amigos da faculdade, sonhando junto e correndo atrás, mas pela primeira vez foi algo que idealizei e que chamei todo mundo. Era uma responsabilidade muito grande cuidar de um projeto e fazer acontecer.

Outro momento mega marcante, sem dúvida, é da criação da Ponto Ação, minha produtora de audiovisual. Na verdade, exatamente quando começamos e formamos de fato a equipe atual da produtora: eu, Natalie e Rodrigo. Foi um momento muito difícil, que muitas pessoas viraram as costas pra a gente e nós 3 nos unimos e decidimos fazer acontecer.

Matheus Luzi – Você está envolvida como atriz, diretora e roteirista em webséries de sucesso. Como você avalia a dinâmica de se trabalhar com o audiovisual independente?

Priscilla Pugliese – Audiovisual independente já é difícil. No Brasil é ainda mais complicado. Não temos apoio de grandes empresas e nem de pequenas. Não temos apoio do governo. Sabemos o quanto é difícil para um brasileiro se sustentar e quem trabalha com a gente precisa pagar as contas. É difícil, mas em contrapartida encontramos pessoas que amam muito o que fazem e que se jogam. Mesmo que seja difícil, é prazeroso poder falar o que queremos, representar quem precisa de representatividade, assim como fazemos na Ponto Ação.

E com muita sorte, temos fãs que abraçam nossos projetos e mostram que independente de apoio de empresas ou governo, também temos o apoio deles. Não é fácil, é uma luta constante. As pessoas olham a Ponto Ação e acham que, por sermos grandes, não precisamos de nada. E não é bem assim. Nossa luta é constante, a gente pede desconto, pechincha (risos). Mas graças a Deus é tudo com muito amor e temos uma equipe maravilhosa!

Matheus Luzi – “A Melhor Amiga da Noiva” é dita como aquela que trouxe muita visibilidade a sua carreira. Você teria alguma opinião formada sobre o porquê do sucesso desta produção e também da sua atuação nela?

Priscilla Pugliese – Primeiro acho que vem do roteiro. “A Melhor Amiga da Noiva” fala sobre representar pessoas, sobre trazer igualdade. Hoje em dia até que a gente vê menos, mas naquela época, quando a temática era LGBTQIA+, ou a pessoa morria, apanhava ou não tinha apoio da família… Isso ainda acontece, não vamos mascarar, mas também acho que precisamos mostrar o outro lado. A gente precisa mostrar que o casal lésbico pode casar, pode se amar, a família pode aceitar… “A Melhor Amiga da Noiva” traz exatamente isso, uma esperança. Toda essa naturalidade fez com que as pessoas se apaixonassem.

Acho também que eu e a Natalie – que interpreta a Juliana na série – tivemos uma troca muito bonita, uma confiança muito grande. Isso fez com que as pessoas se apaixonassem pelas personagens, assim como nós estávamos apaixonadas pela Fernanda e Juliana. Acho que é esse conjunto que fez com que o público tivesse todo esse carinho pela série.

Matheus Luzi – Além desta websérie mencionada anteriormente, quais outras você destaca?

Priscilla Pugliese – “Entre Duas Linhas” foi a primeira e meio que nos apresentou para o mercado, até mesmo para conseguirmos chegar em outras autoras e conseguir produzir outras séries. “The Stripper” também foi um fenômeno que infelizmente não conseguimos dar continuidade. Tiveram outros projetos que fiz fora da Ponto Ação também, mas acredito que “Entre Duas Linhas”, “A Melhor Amiga da Noiva” e “The Stripper” foram os que mais marcaram a minha carreira.

Matheus Luzi – Para 2022, há algumas informações sobre sua vida artística que possa nos contar?

Priscilla Pugliese – Ahh, meu Deus! Sempre fico nervosa com essa pergunta porque nunca sei ao certo o que posso falar (risos). Estamos finalizando “A Melhor Amiga da Noiva”, como todo mundo já está sabendo… Recebi o convite para dar continuidade em outra série que fiz, mas ainda não dei uma resposta. Quero pensar melhor, entender o roteiro e a proposta… Sou o tipo de pessoa que não gosta de fazer uma série por fazer. Gosto de fazer quando a trama fala com o público e representa algo. E também tem um evento que quero muito que aconteça esse ano, mas tudo depende da pandemia e de como as coisas vão funcionar… Não posso falar mais (risos). Temos que esperar para ver.

Matheus Luzi – Você tem alguma história ou curiosidade interessante sobre sua carreira para nos contar?

Priscilla Pugliese – Tenho uma história que é muito boa! Quando decidi ser atriz, não era algo que sempre sonhei, antes queria fazer arquitetura. Decidi seguir como atriz porque uma vez fui me apresentar em um orfanato e amei o fato das crianças se envolverem tanto com o que eu estava fazendo. Gostei disso.

Quando fui ser atriz pensei: nossa, a galera estuda para caramba, decora o texto, entende os personagens. Na época eu tinha preguiça, não vou mentir. Não sabia se era o que queria. Eu não me dedicava como deveria. Alguns amigos meus foram repetindo na faculdade e aquilo me deixou desesperada. Falei com minha mãe e ela disse que se eu repetisse ela não pagaria novamente para mim. Nisso eu mandei um e-mail pedindo desculpa, falando que era o meu sonho, que não tinha condições de continuar pagando se repetisse… Me mandaram um e-mail perguntando se o dono do colégio havia me ligado e não havia. Aí eles me disseram que se ele não me havia ligado, é porque tinha sido aprovada. E sim, foi um alívio.

Matheus Luzi – Sinta-se à vontade para dizer o que quiser!

Priscilla Pugliese – Queria agradecer a oportunidade de estar podendo contar um pouco da minha carreira para vocês, por abrirem as portas aqui na revista para falar sobre o nosso trabalho. Como eu disse no começo, fazemos um projeto independente, quase não temos oportunidade e apoio. Para a gente, estar aqui falando um pouquinho e divulgando é muito importante. Queria agradecer a todos os fãs porque se não fosse por eles eu não estaria aqui. Obrigada por todo esse carinho. Sei que estarão lendo. E lembrem-se: se você pode sonhar, você pode realizar. Beijinhos.

Siga a artista no instagram!

administrator
Fundador e editor da Arte Brasileira. Jornalista por formação e amor. Apaixonado pelo Brasil e por seus grandes artistas.