15 de abril de 2024
Extras Sons do Século – Por Nildo Morais

Jongozú – Disco de estreia do artista mossoroense adiciona elementos potiguares a ritmos mundiais.

Ao passo em que se encerrava o mês de março, mais precisamente no dia 25, a cidade de Mossoró foi invadida e transformada pela música; era lançado em todas as plataformas digitais, o álbum intitulado “Cidade Cantada”.

Sendo um dos desejos a valorização da arte e cultura norte-rio-grandense, o artista, cantor, compositor e produtor do álbum, João Lucas Azevedo da Silva, de apenas 16 anos, conseguiu a proeza extraordinária de unir ritmos conhecidos mundialmente como o drill e o reggae, com ritmos puramente potiguares, como o coco de zambê e a bateria dos ursos de carnaval.

O álbum me trouxe uma nostalgia inimaginável. Jongozú (nome pelo qual João Lucas é conhecido no cenário local) me lembra uma das frases que mais ouvi enquanto criança: “quem não faz um pouco mais por sua terra, não faz nada pela terra de ninguém”. O jovem, em sua música “raizes”, enfatiza o quanto as origens são importantes na formação cultural e social do homem. E ressalta a importância de “aguar” (regar) cada dia mais um ‘pedacin’ da nossa vida, como parte do processo na busca pelos sonhos.

Sim, eu sei, as raízes de um povo não dizem exclusivamente o que ele é, muito menos ditam o que ele deve ser. Mas ainda assim, se há uma verdade nessa grande metáfora vegetal, é essa: um homem que rejeita as próprias raízes, acabará caindo; um homem que não sabe de onde veio, não sabe aonde vai.

Eu acredito que o jovem saiba muito bem aonde está indo. Acredito ainda que o caminho será pleno e o futuro promissor. O motivo? Embora no auge da juventude, Jongozú leva em suas músicas a seriedade dos problemas antigos, como direito à cidadania, questões de identidade, multicultura e pertencimento regional. E, sinceramente? é impossível não esperar grandeza de alguém que olha pro passado visando principalmente não replicar os erros.

Ao garoto eu deixo meus mais sinceros parabéns. Desejo a benção de Deus e a capacidade de enfrentar os desafios que vierem. Fazer arte é uma tarefa e tanto. Fazer arte para quem pensa diferente é uma tarefa maior ainda. E uma tareta desse tamanho nunca é começada cedo demais.

“Fazendo arte na cidade. Fazendo arte para quem pensa diferente na cidade”

Na produção audiovisual, Jongozú recebeu o apoio de Vittopoeta e Gerson Nogueira.

Clipe da faixa “Fazendo arte”

Tracklist de “Cidade Cantada”, Jongozú:

1- Fazendo Arte
2- Até o fim
3- Raízes
4- Pé de Juá
5- Zambê drill

author
Nildo Morais, colunista nascido na cidade de Mossoró, Rio Grande do Norte. Atualmente tem 19 anos e é um profundo amante da literatura nacional, da música popular e da cultura brasileira. Tem um foco principal em ajudar novos artistas, conhecer um pouco de suas histórias e lutar para que o mundo também conheça.